Pais solteiros namoro

Females Pais Solteiros - Encontros Namoro. Navegue por listas de perfis de Mulher que se registaram no Onde Namoro e que estão associadas a Pais Solteiros. Interagir com outras pessoas solteiras que tenham interesses semelhantes aos seus é uma maneira fantástica de planear um encontro. Inscreva-se e passe a ter uma conta Gratuita . Females Pais Solteiros - Encontros Namoro. Navegue por listas de perfis de Mulher que se registaram no Namoro-Virtual e que estão associadas a Pais Solteiros. Interagir com outras pessoas solteiras que têm interesses parecidos com os seus é uma maneira perfeita de planear um encontro. Inscreva-se e passe a ter uma conta 100% Grátis. Namoro Pais Solteiros . Navegue por perfis de Membro do Namoro-Virtual e que estão associadas a Pais Solteiros. Interagir com outros membros que tenham interesses parecidos com os seus é uma maneira perfeita de saber o que fazer num encontro. Crie uma conta Totalmente Gratuita. Encontre o Seu Par Ideal ! Mulheres Pais Solteiros - Encontros Namoro. Veja listas de perfis de Mulher do Procuro Namorada e que estão associadas a Pais Solteiros. Interagir com outras pessoas solteiras que têm interesses semelhantes aos seus é uma maneira fantástica de planear um encontro. Registe-se e abra uma conta 100% Grátis. Encontre-se Com Alguém Ainda Hoje! Homens Pais Solteiros - Encontros Namoro. Navegue por perfis de Homem do Namoro Mozambique e que estão associadas a Pais Solteiros. Conhecer outras pessoas solteiras que tenham interesses parecidos com os seus é uma maneira formidável de planear um encontro. Homens Pais Solteiros - Encontros Namoro. Veja listas de perfis de Homem do Namoro Portugal e que estão associadas a Pais Solteiros. Conhecer outras pessoas solteiras que tenham interesses parecidos com os seus é uma maneira perfeita de saber o que fazer num encontro. Homens Pais Solteiros - Encontros Namoro. Navegue por perfis de Homem do Namoro Portugal e que estão associadas a Pais Solteiros. Conhecer outros membros que têm interesses parecidos com os seus é uma maneira formidável de saber o que fazer num encontro. Registe-se e abra uma conta 100% Grátis. Encontre o Seu Par Ideal ! Homens Pais Solteiros - Encontros Namoro. Navegue por listas de perfis de Homem que se registaram no Encontros Namoros e que estão associadas a Pais Solteiros. Falar com outras pessoas solteiras que têm interesses semelhantes aos seus é uma maneira formidável de saber o que fazer num encontro. Inscreva-se e passe a ter uma conta Gratuita . Homens Pais Solteiros - Encontros Romance. Veja perfis de Homem do Namoro Gratis e que estão associadas a Pais Solteiros. Falar com outras pessoas solteiras que têm interesses semelhantes aos seus é uma maneira perfeita de saber o que fazer num encontro.

Vivi por 20 anos preso em minha própria melancolia.

2020.08.17 05:18 DemonFranco Vivi por 20 anos preso em minha própria melancolia.

Olá, comunidade do Reddit! Esse é meu primeiro post aqui :) Meu intuito neste, especificamente, é conseguir pelo menos um pouco de calor humano (metaforicamente, claro) pois sinto que minhas feridas nunca foram cicatrizadas, desde a primeira delas.
Bom, pra começar minha história: minha infância foi marcada por conturbações no casamento de meus pais. A diferença de personalidade dos dois gerou brigas cada vez mais pesadas e incontroláveis. Chegaram ao ponto que já não existia mais companheirismo e meu pai começou a beber e trair minha mãe. Me recordo vividamente de cenas terríveis, como ele estar horas no banho a horas e quando entro pra ver se está bem, na verdade ainda estava de roupa e dormindo no chão molhado. Ou até momentos de alteração violenta onde, por medo, eu me trancava no quarto e ficava debaixo da coberta até o dia seguinte depois que ele saía pra trabalhar. Nunca fui violentado fisicamente (minha mãe, infelizmente, sim), mas acho que meu pai estava tão perdido dentro de si que esqueceu que tinha um filho, então eram raras as vezes que sequer trocávamos olhares ou palavras, e quando acontecia era frio e passageiro. Pra tornar tudo ainda mais tenso, nossa situação financeira nunca foi boa: vivíamos peregrinando entre aluguéis mais baratos, acumulando prestações não pagas e até mesmo alimento chegava a ser escasso. Minha válvula de escape eram meus avós, que moravam na mesma cidade e sempre me acolhiam com mimos. Meu avô, entretanto, morreu quando eu tinha 9 anos e isso foi um impacto enorme que passou despercebido: minha avó entrou em uma depressão que foi negligenciada até o ano passado (2019), quando finalmente tomou a atitude de visitar um psiquiatra e foi diagnosticada. As brigas entre meus pais cessaram, mas isso foi ainda pior pois os problemas que já existiam continuaram a crescer em silêncio. Eu não recebi diagnóstico algum, até porque sempre fugi dos psicólogos em que me jogavam, mas o efeito também foi claro em mim: emagreci quilos em semanas, já não tinha mais vontade de fazer a mais simples das tarefas como cortar cabelo ou sair na rua, me tornei cada dia mais introvertido. Alguns anos depois, meus pais enfim se separaram, mas antes me deram duas irmãs e um irmão (as únicas pessoas a quem posso dizer com sinceridade sentir amor incondicional). A esse ponto, eu me vidrava em videogames e mentia pra mim mesmo sobre a realidade que eu vivia e não queria aceitar.
Essa foi, digamos, a "primeira temporada" da minha história. A segunda foi marcada pela péssima e mal executada decisão de me declarar a uma garota por quem, desde moleque, fui apaixonado, mesmo sendo que não tínhamos nem amizade. Tudo o que eu tinha era um sentimento inexplicavelmente forte, e nenhum tipo de habilidade social pra sequer chegar nela com um simples papo agradável. Porém, ela aceitou meu pedido de namoro. E isso me destruiu, porque na verdade ela queria dizer não, só não disse por """"medo de me magoar"""" e revelou isso depois de 2 anos me iludindo com histórias do tipo "meus pais não me deixam namorar, tenho que focar na escola", etc. Enfim segui minha vida tentando, sem sucesso, superá-la. Felizmente, apesar de introvertido, dois de meus primos viraram meus amigos próximos e isso me ajudou a segurar todo aquele peso de sentimentos que eu não compreendia e mal sabia que tinha. Vivemos anos sendo os nerdolas da escola, sempre juntos e com mais ninguém, até que um desses primos se incomodou com esse estilo de vida (e com razão) e começou a fazer novas amizades; eu e meu outro primo resistimos a isso, o que o separou da gente. Continuamos sendo introvertidos até o penúltimo ano da escola, quando ele também se afastou de mim aos poucos sem razão aparente (hoje, depois de conversarmos, eu sei que era porque não tínhamos mais muito a ver como antes). Meu outro primo, agora extrovertido, se adequou à grande turma da escola facilmente e não demorou pra ficar popular - felizmente pra mim, isso não subiu à cabeça dele e continuamos ótimos amigos até hoje. Ainda nessa época, conheci na internet uma garota de São Paulo que, com uns bons meses de conversa, acabou desenvolvendo sentimentos por mim; eu, carente e introvertido, abracei isso com todas minhas forças e namoramos virtualmente, com vários vai e volta, durante 3 anos. Apesar de que eu me sentia melhor em ser desejado por alguém, essa garota também tinha sérios problemas com depressão e no final só puxamos o pior um do outro. Minha única conquista nessa época foi meu primeiro emprego, da onde tirei dinheiro para ir visitá-la.
E é aqui que eu considero ser a "terceira temporada". Viajei pra SP e passei quatro dias junto com a garota que por 3 anos desejei somente por fotos e vídeos. Mas quando voltei pra casa as coisas já não eram as mesmas: ela só me dava respostas evasivas e ríspidas, parecia até mesmo ter raiva de mim, sendo que, em minha visão, tínhamos conquistado outro nível em nosso relacionamento. Mas ela obviamente não pensava assim e terminou tudo com a seguinte frase: "Estou tirando as pessoas tóxicas da minha vida". Foi esse o estopim pra eu decidir ser extrovertido e começar a viver fora de meu quarto, e eu tive resultados rápidos: fiz novas amizades e até comecei um novo namoro, agora presencial com uma garota que realmente me admirava. Porém, fui perceber tardiamente que pouquíssimas dessas amizades me faziam bem - a mais danosa delas foi a de um feiticeiro três vezes mais problemático do que eu. Como sempre fui uma pessoa muito compreensiva e aberta, relevei seus defeitos gritantes e mantive a ''amizade'' pelo conhecimento esotérico que ele passava (por mais que grande parte deste conhecimento fossem delírios de grandeza de um feiticeiro egomaníaco). Depois de dois anos meu próprio corpo começou a recusar a presença desse sujeito, que insistia sempre em me acompanhar mesmo quando não era conveniente: comecei a ter constantes dores de cabeça quando estava em sua presença, meio que como um aviso do que já era óbvio: aquele cara não prestava. Aos poucos comecei a me aproximar mais da minha namorada e outros amigos como método de me afastar do sujeito, e curiosamente (ou não...), essas pessoas foram abruptamente saindo da minha vida, incluindo minha namorada (agora ex), que era a pessoa em quem eu mais confiava e me dedicava. Ainda inocente e o chamando de amigo, nunca imaginaria que ele poderia ter relação com tudo aquilo, mas não parou por aí: depois que a poeira abaixou e eu consegui superar toda aquela maré estranha de azar, ele ainda usou o nome de minha deusa pra me iludir e usar meu corpo (sendo essa deusa relacionada ao luxo e ao sexo, era um contexto perfeito pra ele). Eventualmente descobri que não fui sua primeira vítima, e toda a imagem de sacerdote sábio que ele outrora passou, do dia pra noite, virou nada mais que um charlatão desesperado. Essa foi a separação mais problemática de todas que eu já tive, pois enquanto eu me afastava cada vez mais, o ego ferido do sujeito nunca deixaria tal afronta passar em branco, e recebi cargas de energia pesada nos meses seguintes. 2019/2020 caprichou muito bem no quesito de desgraças, pois minha mãe, extremamente cabeça dura e ignorante, agora se recusa a trabalhar fichada mesmo sendo que tem três crianças pra sustentar, meu pai passa por cirurgias seríssimas pois contraiu câncer maligno no fígado e isso não deixou de atingir minha vó ainda viva, que tem problemas de coração e toma mais de 300 remédios por mês (palavras dela).
E agora aqui estou eu, solteiro, enganado pela maioria daqueles que chamei de amigos, com uma provável depressão mal resolvida e uma família abalada desde os primórdios de meu nascimento. Felizmente não tenho problemas com autoestima, o que já ajuda muito, mas ao mesmo tempo não tenho motivação em fazer nada que não seja sonhar com uma vida simples, leve e longe de tudo daqui. Hoje, especificamente, está sendo um dia difícil pois minha ficha caiu e tomei consciência da minha situação - chorei muito, escondido. Mas decidi fazer algo a respeito por mais simples que seja: criei uma conta na Twitch.tv pra criar conexões com outras pessoas enquanto jogo, e também este post como o maior desabafo que já fiz na vida. Na verdade, só de ter escrito tudo isso e lido logo após já estou melhor. Mas ainda me sinto sozinho e desamparado, não consigo buscar ajuda com meus familiares pois nunca fui de me abrir pra eles, nem ajuda profissional por falta de dinheiro, e depois de todas essas quebras de confiança fiquei extremamente seletivo a quem eu quero do meu lado, sobrando dois/três amigos com quem posso conversar (e mesmo assim somente meu primo que convive comigo desde criança sabe de toda minha história).
Quem estiver disposto a trocar experiencias e conversar, simplesmente por conversar, ficaria muito grato!
Gratidão a todos que, mesmo não enviando uma mensagem, leram até o final com atenção.
Blessed be. :)
submitted by DemonFranco to desabafos [link] [comments]


2020.07.29 20:42 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

(Postei primeiro no desabafos, mas resolvi postar aqui também)
O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.
Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.
A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.
A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha
Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:24 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.

Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.

A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.

A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha

Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]


2020.07.28 15:02 chimarraodesc FUI BABACA POR ME APAIXONAR POR QUEM EU N DAVA BOLA?

Oi pessoas, gatas, e espíritos do quarto do Luba.(luba se for ler pode puxar o R pq eu puxo bastante) Tudo começou quando eu no auge dos meus 14 anos comecei a conversar cor alguém ai q n vou explanar de 17 q vou chamar de pipoca A gente conversava pelo insta e whats, só nos conhecíamos de vista... ate que ele ia dando sinais de que gostava de mim, e me chamava p sair.. mas pela idade e quarentena, eu dizia q n Eu falando com meu melhor amigo, até tinha feito um texto pro pipoca, falando q era melhor se afastar, e q eu n sentia o mesmo q ele e etc.. mas eu n mandei, por pena k O tempo foi passando e eu me apaixonei de vdd, troxa? Tlvz... a gente se declarava smp.. mensagens fofinhas, textinhos de bom dia e etc.. Um dia ele falou sobre namorar, mas como eu sabia q meus pais n iam aceitar, eu disse q teria q esperar. Ele disse q tudo bem, e esperaria (mandou até textinho no dia 12/06). Passado um tempo elr veio com uma historia de q, como a gente tava solteiro poderia ficar c quem quiser, mas teria q contar pro outro, aceitei né Ate q ele comecou a falar com umas meninas, e eu fiquei c ciúmes.. e ele disse q eu tinha q me acostumar pq ele n tava nem um pouco mais apaixonado por mim, mas q qria tentar sair ainda Eu pedi um tempo.. dpois desse tempo eu fui falar c ele.. e ele disse q se eu qsesse só sair c ele tava ok, mas q era p eu diminuir meus sentimentos por ele, pq eu tava só em iludindo (eu acho q eu n me iludi sozinha né, pq PELO TIPO DE COISA Q ELE ME MANDAVA, ERA COMI SE FOSSE UM NAMORO, eu te amo..minha princesa, só minha, etc) Eu mandei ele tomar no c*, e sumi.. um dia dpois ele ja tava c outra guria bem felizinho...e eu aqui sozinha sofrendo.. é isso luba, dsclp a bíblia <3 And, quem foi o babaca.. ele por dizer q era apaixonado por mim? Ou eu, por n ter falado no inicio q n qria nada, e ter me deixado levar?
submitted by chimarraodesc to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.28 14:40 chimarraodesc FUI BABACA POR ME APAIXONAR POR QUEM EU ESNOBAVA?

Oi pessoas, gatas, e espíritos do quarto do Luba.(luba se for ler pode puxar o R pq eu puxo bastante) Tudo começou quando eu no auge dos meus 14 anos comecei a conversar cor alguém ai q n vou explanar de 17 q vou chamar de pipoca A gente conversava pelo insta e whats, só nos conhecíamos de vista... ate que ele ia dando sinais de que gostava de mim, e me chamava p sair.. mas pela idade e quarentena, eu dizia q n Eu falando com meu melhor amigo, até tinha feito um texto pro pipoca, falando q era melhor se afastar, e q eu n sentia o mesmo q ele e etc.. mas eu n mandei, por pena k O tempo foi passando e eu me apaixonei de vdd, troxa? Tlvz... a gente se declarava smp.. mensagens fofinhas, textinhos de bom dia e etc.. Um dia ele falou sobre namorar, mas como eu sabia q meus pais n iam aceitar, eu disse q teria q esperar. Ele disse q tudo bem, e esperaria (mandou até textinho no dia 12/06). Passado um tempo elr veio com uma historia de q, como a gente tava solteiro poderia ficar c quem quiser, mas teria q contar pro outro, aceitei né Ate q ele comecou a falar com umas meninas, e eu fiquei c ciúmes.. e ele disse q eu tinha q me acostumar pq ele n tava nem um pouco mais apaixonado por mim, mas q qria tentar sair ainda Eu pedi um tempo.. dpois desse tempo eu fui falar c ele.. e ele disse q se eu qsesse só sair c ele tava ok, mas q era p eu diminuir meus sentimentos por ele, pq eu tava só em iludindo (eu acho q eu n me iludi sozinha né, pq PELO TIPO DE COISA Q ELE ME MANDAVA, ERA COMI SE FOSSE UM NAMORO, eu te amo..minha princesa, só minha, etc) Eu mandei ele tomar no c*, e sumi.. um dia dpois ele ja tava c outra guria bem felizinho...e eu aqui sozinha sofrendo.. é isso luba, dsclp a bíblia <3 And, quem foi o babaca.. ele por dizer q era apaixonado por mim? Ou eu, por n ter falado no inicio q n qria nada, e ter me deixado levar?
submitted by chimarraodesc to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.27 07:26 tacaleb maior mico do meu romance

la luba ,inscritos editores, gata e mães/ pais solteiros que estão haver
nossa que triste essa historia ....
tenho 16 anos e moro em são paulo ..
certo dia estava na escola e tipo sabe aqueles momentos que você unnh vou morre sozinho então ,vishkk
bora para historia
um certo dia cansado da escola cheguei em casa abri o portão , meus cachorros estava me esperando na porta de casa super comportados /tipo só quem tem labrador sabe, beleza . entrei em casa arrumei minha coisas abri liguei o celular e fui mexer, lembrei que estava sozinho em casa e já que sou um menino muito santo abri um app de namoro ( cujo nome é chat anonimo) que já usava fazia um ano só na zoeira . tudo bem papo vem papo vai niúngue que me chamou atenção, ate que fui em área e vi um boy de cabelo ate o pesco tipo Harry Styles kkkk não se compara . nossa eu me apaixonei ficava todo o santo dia conversando com ele, ja que ele era mais velho do que eu vivia em segredo calma era so (2 anos ) na verdade dia 31/07 e aniversario dele afins
cara eu tava realmente amei ele mais ele foi um cuzão cmg ahhhh ele sumiu por uma semana ai eu chorei e tal. ele me bloqueou e mando isso pra mim ( eu tava sendo o amante dele sem saber que ele ainda não tinha termindo com o namorado dele, ai depois que ele "terminou achei que estvamos junto
"eu sou parasita tóxico, e não quero te fazer sofrer mais. Não vou fazer ninguém nunca mais sofrer, eu queria me despedir por ligação, mas o choro iria me atrapalhar, você merece encontrar alguém que não te faça sofrer, alguém que possa te amar pessoal, alguém que queira estar vivo, talvez você comece a me odiar por isso, e talvez eu mereça.
Tchau doce criança
I love you too"
não apaguei isso ainda que tenho que mostra pra minha psicologa depois apago.
depois de ter chorado por uma semana inteira minha amiga da minha sala pediu o numero dele ai ela falou com ele e tals ,ai ele quis falar comigo pediu desculpa ai eu fui trouxa e voltei com ele tipo na minha visão vc vai entender
fui da minha escola ate a minha casa falando com ele a esqueci de falar ele morava em Goias se não me ingando em maria rosa sei la .
tava muito feliz que nos íamos nos casa no aniversario dele escondido dos meus pais homofóbicos que vão na igreja que fica perto do lugar que iamos nos casar kkk, to rindo chorando
tínhamos ate alguns planos de ir para o canada com ele
ate que tudo que estava bom se acaba né , beleza no inicio da quarentena a gente brigou mais foi tipo que ele furou quarentena para Brasilia , compra algumas coisa para o restaurante da mãe dele , ele me conto algumas coisas pesadas tmb ne ja que ele era meu psicologo eu era o dele ,ai um cero dia ele ficou o dia inteiro sem fala comigo .ai tava achando estranho
ai vi que ele tava online ai eu fiquei mando mensagem pra ele acada 1h para ver se me respondia tipo eu- oi vida tudo bem? 9:00
eu- bom dia amor da minha vida ?10:00
eu- to aqui me responde? 13:00
eu - amor como foi seu dia 18:00
s- oi.
s- o que vc quer ?
eu- atenção
ai ele foi escroto fiquei bravo desliguei o celular e foi viver a minha vida no dia seguinte ela tava um amor comigo ai falei que não tava bem ai me bloqueou no whatspp e todas as rede sociais, ok
ai fui pagar uma de a vingativa peguei o numero dele madei para um mlk ,que ele deve ta pegando agr , ok
ai esse mlk colocou ele no grupo que eu tava de nudes. ai ele ficou dando em cima desse menino esse menino falando que ele era meu namorado ai ele perguntou do nosso relacionamento ai ele falou que a gente nem namorava ai fiquei pistola liguei chorando para minha para minha amiga graça a universo to conseguindo supera ele . kkk.bjs<3<3
chama o t3ddy pra gravar mais vezes
submitted by tacaleb to nhaaa [link] [comments]


2020.07.26 07:48 Xocolate_Amargo Não sei q p*ha sou e minha relações familiares.

Oi ser humano do outro lado, vou me chamar de Xoco nesse post, e tds os nomes fictícios.
(Só um ponto: meu pai tem 8 filhos e eu n conheço tds, acho q nem ele)
Uma explicação rápida sobre minha família: Meus pais estavam quase se separando qnd nasci, só servi pra segura-lós por mais 8 anos (¯_(ツ)_/¯).
Depois do divórcio, meu pai ficou com minha guarda e de meus 2 irmãos mais velhos, assim sendo: Yui (13 anos), Yva (10) e eu 8.
 Minha mãe tem um problema de coluna q a incapacita de trabalhar com carteira assinada, resumo: ela se vira com bicos e 1 aluguel. 
Tenho uma irmã de 30 anos (K, só k pq ela é o oposto de uma Karen) ela não ODEIA minha mãe... Mas não gosta dela pq qndo minha mãe tinha 17 (grávida do Yui), foi morar com ela, q tinha 12/13 e meu pai, na casa dele. (a K é minha irmã de outro casamento) e minha mãe tinha TOC, então a Eva (minha mãe) era mto chata. um irmão de 21 (vamos chama-ló de Wall. Não sou tão próxima dele quanto da K.) e vejo ele menos q o Leon achando um Porigon.
Meu pai é das antigas, ele não diz que é homofóbico, mas é do tipo "Sem preconceito, mas..." ou dizer "Morde-Fronha", "Bicha/Bichõna"...
Minha mãe não é tãaao das antigas, porém não gosta que eu use roupas q ela diz ser de menino, e diz que por ser menina devo usar roupa "de menina", me maquiar e talz; assim como minha madrasta.
Depois do divórcio meu pai teve alguns namoros, e ele namora atualmente a Nie (minha madrasta) a dois anos (namoro mais duradouro desde o divórcio em 2014/2015)
Ela tem três filhos:
★Price: uma menina mimada pela avó e desorganizada pra kssete (queria estar exagerando). (11 anos)
★Itachi: Grita toda hr por causa de jogo, sempre deixa a mesa da cozinha suja com as louças que ousou pro café/almoço e não retira a mesa. (Aqui em casa cada um lava oq usa e tem que retirar a mesa se é o último) (16 anos e menino)
★Tasmanha: um molequinho de 9/10 anos que destrói td que toca por que sabe que vai ganhar um novo. Sempre mente qnd pode pra se safar e acaba ferrando os outros por isso. Grita alto e agúdo td hr, e faz xixi na cama td dia.
(Um ponto forte é que eu e meus irmãos Yui e Yva perdemos a confiança no nosso pai dps q ele quebrou várias promessas importantes pra nós de uma vez só, por puro egoísmo e dps agiu como se nada tivesse acontecido, nós só fingimos de volta. Pelo fato de eu e K temos uma alta diferença de idade, não somos tão próximas qnt eu queria. Ela tem um esposo e duas filhas, não tão importantes pra história. [Ela tmb já perdeu 2 bbs]).
Tem muita história, porém é te que eu consigo resumir. 
Ps. Atualmente Yui tem 19 anos, Yva (comunidade n permite dizer) e eu (comunidade n permite dizer).
Personagens introduzidos, vamos a história:
Nunca gostei de me maquiar e usar roupas "de menina", acho até legal as vezes qnd tô sozinha, eu fico tipo: "Nossa, que legal, mas isso incomoda pra krl..." Como uma vez que eu avia me maquiado (pq minha madrasta insistiu) e Yva me disse:
—Nss, vc tá muito bonita! Kkk –Pô, valeu! Kk E eu fiquei: "Isso foi um elogio... Pq machucou tanto?!" Eu gostaria de me entender. Entender pq de uma hr pra outra me senti mal com um elogio?! Isso aconteceu a um tempão e eu nunca esqueci. Gostaria de ser tratada como meus irmãos, jogar jogos e me divertir como eles. De uns tempos pra cá venho me questionando mto sobre minha sexualidade e gênero. Desde que me lembro sempre fui fã de vestir roupas "de menino" e jogar jogos "de meninos". Sempre odiei estar conversando com as garotas sobre as coisas que considerava superficial, como os draminhas e outras idiotices. Por conta disso as meninas raramente brincavam/conversam cmg. E os meninos não querem estar cmg pelo fato de eu ser uma garota... E nunca me senti desconfortável qnd se dirigiam à mim como "ele". (Não que eu me sentisse desconfortável com "ela".) Eu antes de conhecer o conceito trans/gênero fluído queria cortar meu cabelo longo bem curtinho e andar em meio a pessoas desconhecidas, pra fazer amigos usando uma indentidade masculina. A um dia eu conversava com meu irmão sobre um anime e chegamos ao assunto sobre nossa relação familiar. Como qualquer adolescente meus irmãos já tomaram cerveja e outras bebidas alcoólicas por estimulação dos tios da família. Enquanto eu... Aaah não-- O mas importante é que falamos sobre os rolês deles (Yui, Wall, Yva e seus miguxos) e eu disse: —Tenho certeza que se eu fosse um garoto vcs me envolviam, né? Kkk 
E ELE NEM NEGOU, só mudou de assunto
Mas oq me irrita não é só não poder pedir ajuda pra minha família por medo do possível clima depois (principalmente pq sempre denfendi a comunidade LGBTQ+ mesmo antes de me descobrir nela, e sei que eles diriam coisas do tipo "sempre soube, kk" que me machucariam mto, pq eles me jugariam como lésbica [já até fazem as vezes] por causa disso, oq nós leva ao próximo tópico) E sim o fato dos meus parentes mais próximos sempre se referindo ao futuro dizendo que vou casar e tal, mesmo eu já negando meu desejo por uma festa estúpida feita apenas para unir recursos, algo que de certa forma foi cultivado até hj. Não quero assinar um papel pra mostrar o quanto amo uma pessoa. Isso é ridículo. Menos festas de despedidas de solteiro. Elas são legais. (já pararam para pensar que se chama despedida de solteiro quando você está namorando¿?)
Sexualidade. Mano... Eu não tenho nenhum desejo carnal. E estaria td bem se derrepente: boom! Começo a sentir sexualmente atraída por alguém?? Então percebi q sou demissexual. (Mas apenas pelo sexo masculino.) 
Eu queria explicar mais do meu ponto de vista, pra dar sentido ao q falei das pessoas, porém o post seria enorme :') Talvez eu faça uma continuação e explicando td que ficou de fora, inclusive o pq não desabafei com a K ou algum 'amigo'. É só isso, não sei se sou uma tomboy, gênero fluído, ou um trans. :')
Obrigado por lerem! 
submitted by Xocolate_Amargo to desabafos [link] [comments]


2020.07.20 00:59 astral1999 fui praticamente obrigado a me casar com 18 anos ( atenção pf)

eu namorava uma menina, e o pai dela é uma daquelas pessoas rígidas de costumes antigos, pedi para ele para namorar com a filha, e ele autorizou, depois de um ano mais ou menos tivemos nossa primeira relação sexual, e o pai dela ficou sabendo, então ele chegou a me ameaçar, e tambem falou que ou eu casava com ela ou ele levaria ela embora pra muito longe, de acordo com ele nós tinhamos que nos casar para a filha dele não ficar com o nome manchado, e eu entrei em um grande conflito com minha familia para casar, o que causou muito sofrimento pra mim, mas casei com 18 anos de idade, foi um dia muito triste e eu tive que fingir sorrir a noite toda, e hj em dia estamos a 3 anos juntos, com um casamento que é um namoro, pois nós ainda não moramos juntos nem trabalhamos, mas assim, as vezes, eu passo na praça da minha cidade, vejo pessoas da minha idade se divertindo, aproveitando a juventude, e sinto vontade de estar lá, as vezes sinto vontade de ter uma vida de solteiro, conhecer novas pessoas, novas experiencias, as vezes me sufoca sabe, mas não posso terminar isso, ela me ama tanto sabe, me ama muito, quer ficar cmg pra sempre, se eu terminasse nosso relacionamento, a vida dela viraria um inferno, mas como eu disse, as vezes eu sinto a necessidade de me sentir livre, a vontade, até mesmo curtir uma solidão. o que vcs acham da minha história?

edit: vcs acham que eu deveria tentar me adaptar e tentar viver uma vida feliz com ela, ou terminar tudo e aproveitar minha juventude?
submitted by astral1999 to desabafos [link] [comments]


2020.06.21 07:18 Anonimos1911 Fui um babaca?

Falaa Luba, tudo bem?? É minha primeira vez aki de vdd, n sei nem como meche nisso kkk mas enfim com o tempo a gente aprende. Vou contar a historia de uma ex namorada que eu tive, eu tinha 18/19 anos e ela tinha 15/16, ela era filha da amiga da minha irmã ("Cleuza"), e a minha ex se chama ("Venelopi"), a gente namoro por uns 6 meses, nesses 6 meses muita coisa aconteceu, eu era/sou depressivo e tal, e ela era meio depressiva tbm e um ajudava o outro. Antes da gente namora a gente era super amigos, saia conversava sobre a gente o q sentia se ajudava, tomava açaí juntos, via filme, ia em cinema tudo q melhores amigos faziam. A gente nunca brigo de para de se fala, só que num dia de carnaval eu tava no trabalho e ela foi curti o carnaval, eu de boa mesmo com relacionamentos passados ferrado fikei de boas, eu confiava nela, ai conversa vai conversa vem ela me disse q um priminho dela tava vindo pra casa dela, nisso os pais dela tavão viajando e eu n podia fika la na casa dela,quando ela faa em priminho lindo eu pensei numa criança de q uns 4 anos ou menos, no dia seguinte chego lá, ela e um guri de 15/16 anos deitado numa cama de casal feita com cama de solteiro ;-;, meu coração já flo assim ih mano de novo poha nunca aprende, mas eu fui contra isso e fikei meio sem graça e tal, so que eu notei q ela começo a me trata estranho, na presença do primo dela ela me ignorava, n fazia diferença se eu tava la ou nn (esqueci de fala q ela saia com o primo no carnaval tbm). Beleza até ai de boa ai chego o natal ou um aniver de um parente dela e ela me trato da mesma forma, fikei bolado com akilo e pra descontrai ja como eu tinha pegado uma folga no trampo convidei ela pra da uma volta no carnaval, ela n quis e falo q tava cansada, mas no outro dia ja tava com o primo dela no carnaval ate n sei q hrs. Beleeza tranquilo dai eu fui e falei pra ela pq ela me tratava diferente na frente dos parente dela ela disse q n nucna fez iss dai a gente fiko desentendido e no meio do meu trampo ela me manda uma mensagem dizendo q acabo tudu e q n dava mais e que aquilo era a decisão dela final. Beleza respeitei e segui em frente mal mas segui, dps de uns meses a gente volto a se fala e tal e um amigo meu chamado ("Brutus")q tava no japão veio aki pra me vê, ai pensei poh ja q ele é meu melhor amigo e eu to de boas com a minha ex vamo numa festa pra se diverti... Ai q veio o erro... Estávamos na festa bem de boa ai a gente começo a toma vodca com energético, ai eu tava de boa no meu canto pq n so muito sociavel kk e quando eu vi ela tava sentada num balcão abraçada nele ai eu vi q ela tento bja ele e deu um selinho nele nisso ele tento se esquiva e tento me cata na festa, ai eu "bobo " fingi q n vi ai eu olho de novo os 2 tavão numa pegação q mds... eu vi akilo e fikei mal pra um caralho pq eu gostava dela e eles 2 sabiam disso... ai fikei mal pra caralho dai no dia seguinte eu flei pra ela q poha tu fez? ai ela flo bem assim pra q tu ta assim, eu n tenho nada contigo, tu nem devia te ido na festa sabias q ia acontece e se te visse mal eu ia faze de qualquer jeito !!! ai eu fikei nossa mano beleza!!! ai até hoje n flo mais com ela só com a mãe e o pai dela . Fico grande neh mas, espero q leia ou alguém leia queria sabe a opinião de outras pessoas! E n sei escreve bem mals ai !!!
submitted by Anonimos1911 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.10 08:16 jennizinha007 MEU RELACIONAMENTO TÓXICO

Olá luba,editores,papelões falecidos,cats,etc. (Já vou avisando a história é longa). Bom vou contar meu primeiro relacionamento sério,não sei dizer se foi realmente tóxico,mas minhas amigas dizem que sim e as vezes eu acho tbm. Bom primeiramente eu era bv e tudo mais,e eu sempre fui meio f0dasse pra essas coisas,enfim,eu conheci o Carls em 2018 e até então eu e ele eramos amigos e ele até já deu em cima de mim algumas vezes mas eu não dava muita bola,pois na época estava na famosa friendzone (inclusive fiquei por 1 ano e 4 meses nessa p0rra),enfim,depois ele passou de ano e eu burrinha repeti o 1 ano do ensino médio,fases,eu e ele acabou se afastando,conversamos algumas vezes mas nada demais,ele tava namorando até então tbm,até que em meados de outubro de 2019 ele me chamou do nada e começamos a conversar,até que começamos a flertar,porém eu nem sabia o que estava fazendo,eu era bv po,enfim. Depois de duas semanas ou uma sla,a gente marcou de ficar,em uma segunda feira (claro que eu disse que eu era bv e tals,e ele até gostou de saber disso,acho que gostou de ser o primeiro,talvez pra aumentar o ego dele),chegou segunda ficamos e foi bom confesso,depois a gente continuou conversando e tals na quarta eu fiquei com outro guri (era um amigo e eu tinha meio que prometido,então fiquei com ele,porém não falei nada pro Carls pois não estávamos sério nem nada),na quinta de madrugada Carls falou que queria me ver na sexta pra gente conversar de ficar sério,eu toda apaixonada disse okay,na sexta quando cheguei da escola ele me mandou a seguinte mensagem "Jennifer me falaram que vc tava de gracinha com um guri na biblioteca",eu disse que não,a única coisa que fiz que até falei pra ele,é que eu fiquei deitada no ombro do meu amigo Varls e que fiquei fazendo carinho na cabeça dele depois,porém eu sou assim com meus amigos então pra mim é normal,ele relevou aparentemente,quando de tarde fui no mercado que ele trabalhava lá,eu me encontrei com ele e ele foi super simpático cmg,na minha cabeça tava tudo suave já,ele falou pra mim quando chegar em casa mandar mensagem e eu fiz isso até que ele me respondeu super seco e tals,chegou sábado e nem mandou mensagem,e quando mandei ele foi super seco,ai no domingo mesma coisa,quando na quarta eu mando um [email protected] texto pra ele,falando que tava apaixonada nele e os caralh0 a 4 e queria saber dele,ele pegou e falou "Jennifer desculpa não gosto de vc,e ainda não superei a minha ex,mas saiba que vc é incrível e bla bla bla bla",eu simplesmente falei okay e desliguei o celular e chorei muito,e ele acabou voltando com a ex,quando duas semana se passou e ele terminou com ela,(isso já estavamos em novembro na segunda semana),ele me chamou na quarta,me pediu desculpas,mandou áudio chorando e dizendo que foi idiota e sla mais o que,eu tentei ajudar ele por conta do termino e até desculpei ele,nisso acabamos voltando a conversar como amigos,e pensamos em ser amigos coloridos,até que ele disse "queria ter mais que amizade colorida contigo",eu fiquei toda idiota pq ainda sim,eu gostava dele. a gente ficou algumas vezes até que ele disse de ficar sério,e realmente ficamos (não estávamos namorando só ficando sério,ou seja eu ficava apenas com ele e ele apenas cmg,meio que se conhecendo pra ver se o namoro daria certo vamos dizer),mas ainda sim eu estava insegura de tipo ele acabar tudo cmg e a qualquer momento ele voltar com a Carlitas,mas segui plena,até que tipo ele começou a falar que eu não dava muita atenção,sendo que eu falava pra ele que era complicado,pq na época eu tava com um celular muito ruim,pois o meu tinha quebrado e eu tava pra comprar outro,e esse celular desligava do nada,ou travava,então eu não mexia muito nele por isso não dava atenção pra ele direito,ou então ele falava que eu não demonstrava que gostava dele,sendo que quando eu era fofa com ele,ele apenas falava "nousa como vc é fofa" ou algo assim,ele nunca retribuía,e olha que eu nem sou muito fofa,mas as vezes com as pessoas certas eu sou. A gente tbm brigava quase sempre,muito difícil ficar de boa,pq ele sempre tinha alguma coisa,uma em específico até entendi,agr tinha outras situações que eram bem desnecessárias,que ele não me deixava explicar e já ficava putinh0 ou então ele interpretava do jeito dele,até que na sexta eu sai com ele pra comer lanche e de quebra conhecer um casal de amigo dele,foi muito bom e por milagre a gente não brigou naquele dia,fomos na casa desse amigo dele,e eu e ele ficou no quarto sozinhos e só rolou beijos e bom ele sabia que eu tinha arrepio na barriga e queria brincar ali vamos dizer,mas eu sabia que não iria ficar só ali,então neguei ele insistiu mas ai ele viu que não iria conseguir e desistiu,depois eu fui embora e pronto,no sábado ele conheceu meus pais (já estávamos um quase um mês por ae),e depois ele me levou pra tomar açaí o dia estava ótimo,não durou muito tempo,brigamos ele foi embora muito put0 cmg e tals,no domingo eu fui conhecer a melhor amiga dele,e um amigo,e de novo ficamos sozinhos em um quarto,ele tbm forçou só que dessa vez ele queria dar um de bb e mamar a Simone e Silmara,eu neguei como uma boa samaritana e ele insistiu mas sem sucesso desistiu,até que em um momento ele disse "eu te amo",e eu toda boba apaixonada disse tbm. Depois desse dia eu disse outras vezes que amava o Carls mas ele nunca dizia,ele só disse aql dia,e isso fez eu ficar muito mal,e não só essas coisas,mas ele nunca era fofo cmg,em tipo "nossa te amo,vc é realmente uma pessoa incrível pra mim etc",só eu fazia isso,ele não curtia minhas fotos nem amei ele dava,nem comentava,era como se eu não fosse importante ou sla,e isso me deixava mal,pq eu queria que ele comentasse e desse amei na minha foto,mas quem fazia isso eram outros meninos (pq neh,poucas pessoas sabiam que eu estava sério com ele,não eramos assumidos),eu lembro de uma vez que eu disse que iria cortar meu cabelo,meu cabelo estava tipo na cintura e eu queria cortar no ombro,e ele só disse "aahhh não acho que vai ficar legal,assim ta ótimo pra mim,mas vc que sabe",eu queria o apoio dele e nem isso eu tinha,ele tbm muitas vezes me comparava com a ex dele do tipo "nossa a Carlitas tbm era assim,ela não falava muito e só eu me abria",ou "nossa vc tbm tem melhor amigo? Pq toda menina tem neh,a Carlitas tbm tinha",coisas assim,e poxa isso é horrível,até que falei que estava me incomodando e ele parou,sabe eu odeio brigas e discussões então sempre quando ele queria discutir eu só "okay vc tem razão e deixava pra lá",e mesmo muitas coisas dele estarem me incomodando eu não falava e relevava pq gostava dele,até que uma semana antes do natal,ele terminou cmg,simples,disse que eu não demonstrava que gostava dele,que eu não tinha ciúmes dele (tipo quando ele saia eu deixava e só falava pra ele tomar cuidado e mandar mensagem quando chegar,e tbm que eu não tinha ciúmes da melhor amiga dele,essas coisas),disse tbm que não estava pronto pra um relacionamento agr,pq querendo ou não ele ainda não tinha superado a ex 100%, e bom a gente terminou,eu até tentei voltar mas sem sucesso,fiquei um dia inteiro no meu quarto sozinha,chorando e não sai de lá,até então a gente terminou super de boas,e amigos,até que no ano novo eu mandei um texto dizendo que eu ainda não tinha superado ele,e essas coisas,até que a gente fez ligação e ele começou a falar um monte de coisa que eu não esperava ele falar pra mim, ele disse coisas do tipo "vc é uma egoísta,eu odeio vc,vc fez eu pegar raiva de vc,não quero nunca mais ver vc,vou apagar seu número,e quando me ver na rua vai pra outro lado,me esquece,vc é uma egoísta Jennifer,vc precisa crescer,tu é muito criança ainda,e quando acabar essa ligação eu sei que vc vai falar com seus amigos que na vdd nem são seus amigos,são tudo falsos e precisam evoluir assim como vc,e toma cuidado com o que vc vai falar de mim viu Jennifer,e obrigado por estragar a minha noite",eu chorei demais demais,fiquei muito mal,e adivinha? Assim que acabou a ligação ele foi correndo pra mandar áudio pra minha melhor amiga dizendo "fala pra Jennifer não mandar mais mensagem,eu odeio ela etc",e bom eu não conversei com nenhum amigo meu sobre o ocorrido,só depois de um tempo,pois ainda doía muito. E ele superou rápido,ele postava coisas do tipo "estou solteiro,deu errado o outro romance" coisas assim. Durante isso tudo eu conheci um guri que tbm tinha dado errado com uma pessoa e começamos a conversar como amigos e bom,hj em dia estamos namorando a 4 meses,e ele super me entende e me apoia,e estou super feliz com ele,porém não tenho nem um rancor do Carls e espero que ele seja feliz. Mas eai,eu errei em algum momento? Meus pais e amigas dizem que ele só queria me c0mer ou apenas me usar pra esquecer a ex dele,e que ele foi muito babaca cmg,inclusive a ex dele hj em dia é minha amiga e ela tbm esta namorando.... Conclusão: a única coisa que ele era bom era no beijo. Bjs luba te adoro <3
submitted by jennizinha007 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.27 07:15 miniboiboiboi CASTIGO ROMÂNTICO

Olá Luba,editores,possivel convidado e animais,plantas e seres humanos da internet "Castigo Romântico"
Era um dia comum de aula,eu fazia o 8° ano.Eu era na minha sala nomeado como o "gado" por andar mais com meninas e ter bastante amigas. Eu tinha uma amiga podemos chama-la de "carls".Eu e carls tinhamos uma brincadeira que todo fim de horário davamos um tapinha na cabeça um do outro (nao pergunte pq), ai quando terminou o quarto horário e foi pro quinto ela me deu um tapa e eu fui meio que me proteger e sem querer tava com uma caneta na mão e nisso a caneta furou a mão dela e tava muito machucada Tive que ir com ela na diretoria e admitir que tinha machucado ela mesmo sendo sem querer A diretora conversou com a gente e fez um "curativo" na mão dela e por se tratar de agressão ela chamou a minha mãe na escola Enquanto minha mãe nao chegava eu e a carls ficamos sentados conversando por um bom tempo e nesse tempo que ficamos conversando ela perguntou "se nós dois tivéssemos solteiros,vc me pegaria?" Eu na arte manha dos gados respondi que sim,ai ela disse "eu to solteira e vc?" Eu disse que também tava e começamos a nos beijar Ficamos nos beijando por uns 20 segundos até que minha mãe chega e me flagra beijando a carls Minha mãe ja chegou falando "o que você ta fazendo yuri?" (Com um tom de raiva). Dps fomos todos conversar com a diretora e minha mãe citou o beijo que era na teoria proibido na escola (mas lá parecia um cabaré de tanto beijo e etc) voltando ao assunto minha mãe conversou com a diretora e por eu machucar a mina e tmb beijar a mina fui suspenso por 3 dias e a carls só tomou uma ocorrência Nesse dia minha mãe ficou extremamente nervosa cmg mas superou e até hoje minha mãe,meu irmão,meu pai e minha "amiga" rimos dessa historia E eu e minha amiga temos uma amizade colorida ja tem 8 meses (por pensarmos que namoro n da certo pois estamos no 9° ano) mas ela é tão linda,fofa e tudo de bom acho q me apaixonei kkk deixei minha história e meu desababafo, nós temos mais algumas histórias juntos, deixe nos coments se quiserem. Bjs luba,bjs turma e bjs editores do meu core <3
Se vc ler isso luba, faça um vídeo vendo memes do rpg,ta incrivel e to super viciado.
submitted by miniboiboiboi to TurmaFeira [link] [comments]


2020.04.27 22:47 shinytrash_92 Eu sou um peso na vida do meu marido

Ensaiei esse post por horas. Escrevi, apaguei, fui tomar banho, reescrevi, editei e não postei. Criei uma conta alternativa e reescrevi uma última vez para conseguir postar e não ser rastreada, pois o que estou prestes a falar é humilhante demais para sequer imaginar que alguém que eu conheça esteja lendo, principalmente meu marido. Mas, a verdade é que sou um peso na vida dele, e pior: covarde demais para me separar e deixar que ele prospere sozinho.
Contexto: estamos juntos há 14 anos, sendo 4 de casamento e 10 de namoro. Nos conhecemos super novos, ainda no cursinho. Eu era uma menina bonitinha, magrinha e pequena, com alguns hobbies e planos pela frente, mas, já fazendo tudo com uma certa dificuldade, principalmente por conta de um background com família e emocional bem instáveis. Ele era um cara super inteligente, já falava 3 línguas, tinha morado fora e vinha de uma família rica e equilibrada. Logo passou em medicina, numa faculdade pública, enquanto eu perdi mais uns anos no cursinho pra passar em um curso meio bosta numa particular.
Quero deixar claro que essas visões são minhas: Ele jamais me subestimou por ser mais rico, mais inteligente ou ter feito uma faculdade melhor que a minha. Eu que fui desenvolvendo esse olhar conforme fui percebendo que, enquanto eu sofria para estudar e precisava de ajuda dele com trabalhos e exercícios, ele ia fazendo a faculdade dele e a minha também, por tabela. Não estou exagerando: ele desistiu de matérias para me ajudar com o meu curso. Virou noites fazendo exercícios e estudando comigo. Quando casamos e veio a residência, onde mal conseguíamos nos ver, me afundei em uma depressão profunda. A casa estava sempre uma zona, pois eu não conseguia cumprir com as tarefas domésticas (que eram minha responsabilidade, uma vez que ele tinha me ajudado com a faculdade e agora precisava de ajuda para terminar a dele). Não sei explicar, não tenho energia. Não é como se eu passasse o dia fazendo outras coisas, eu passava o dia na cama olhando pro teto. Nem séries eu tinha vontade de ver. De quebra Engordei 40kg e tive muita dificuldade com o meu TCC. Sinto que ele vem me carregando desde então.
Se antes eu sentia que não bastava por ser esse saco de lixo burro e inútil, agora eu também estou gorda e horrorosa. Nem esse, que era o papel mais basal de uma esposa - o de ser bonita - eu consigo mais cumprir. Nossa vida sexual também foi embora - e não por culpa dele, mas, por culpa minha! Ele insistia para fazermos amor, mas, eu tinha vergonha demais do meu corpo e fui recusando, até ele parar de pedir. Esse ano, se transamos 3x foi muito.
Obviamente que não é só isso. Para o pacote ser bem completo, além de burra, inútil e gorda, eu também sou uma pessoa difícil de lidar. Briguei e cortei relações com muita gente próxima dele. Vários amigos dele não gostam de mim, o irmão dele me odeia, as tias dele também. Sei que os pais dele são corteses, mas que também prefeririam que ele estivesse solteiro. Eu tenho surtos de raiva, provavelmente relacionados com o meu background familiar, e sempre acabo com as minhas relações pessoais. Ele é praticamente a única pessoa que restou. Mesmo minha amiga mais próxima, a única que conservei da faculdade, sinto que só gosta de mim por que quer estar próxima dele também.
A gota d'água foi recentemente ter sido mandada embora da empresa em que eu trabalhava, que, por conta do COVID decidiu só manter os funcionários essenciais. Obviamente que eu não sou essencial e fui afastada. Agora, além de gorda, inútil e burra, também sou financeiramente dependente dele. Nem o salário terrivelmente baixo que eu recebia eu tenho mais para ajudar com as despesas (que eu mesma gero).
Ele, sempre paciente, diz que está tudo bem. Diz que segura as pontas, para eu aproveitar esse tempo e procurar um curso online e me relançar no mercado quando a quarentena acabar. Ele banca. E essas palavras me cortam por dentro, porque com que cara eu vou falar pra ele que não tem absolutamente nada que eu queira fazer? Que quando eu acordo de manhã, o simples pensamento de levantar da cama me faz querer morrer? Que o ponto alto do meu dia é quando eu vou dormir e passar horas desacordada??? Eu não tenho mais energia, minha cabeça dói o tempo todo, preciso fazer pausas enquanto faço as tarefas domésticas ou não consigo continuar. Não posso falar nada disso pra ele pois ele já perdeu tempo demais lidando com a minha bullshit no passado e tem uma fucking pandemia acontecendo no país, que é muito mais urgente.
Eu só queria poder retribuir um milésimo de tudo o que ele fez por mim. Eu só queria não ser um peso na vida do homem que eu amo.
Eu vejo essas esposas modelo e me sinto tão absolutamente aquém. Eu só queria conseguir fazer coisas simples, sabe? Basicas. Não precisa ser nada de grandioso no começo. Pintar minhas unhas, por exemplo, essas mulheres sempre tem unhas tão compridas e bonitas... Mas, nem isso eu consigo fazer. As minhas são roídas e horrorosas.
Queria poder receber ele em casa com um jantar balanceado e saudável todos os dias. Mas, não consigo manter minha dieta nem por 2 dias consecutivos.
Queria manter a rotina de limpeza da casa, passar roupa, cuidar dele como ele sempre cuidou de mim. Mas não consigo manter, me desinteresso, passo um dia na cama e os outros já estão perdidos depois.
O fato é que estou cansada de tentar e fracassar toda vez. Devo ter algum problema psicológico ou um retardo mental que me impede de fazer melhor.
Eu já pensei diversas vezes em deixá-lo, porque, certamente ele conseguirá me substituir por alguém melhor, mais atenciosa, mais presente. Alguém que não seja um atraso. Sei inclusive de mulheres do hospital em que ele trabalha dando em cima dele. Eu fico brava e com ciúmes, mas, ao mesmo tempo sou tão insuficiente que penso: será melhor não deixar acontecer?
Mas, a verdade é que sem ele eu perderia a única coisa que fiz certo na minha vida. Eu nem teria pra onde ir pois não tenho família nem dinheiro. Estaria literalmente na rua. Que patético, né? Em pleno século 21, depois de tantos direitos conquistados por mulheres que vieram antes de mim, meu maior feito na vida foi ter casado com um homem bom... E não merecê-lo. Não consegui conquistar nada por mim mesma.
Se eu tivesse vergonha na cara daria um fim nessa vida miserável e parava de ser um peso morto (rsrs sacaram? é pq eu sou gorda também)
submitted by shinytrash_92 to desabafos [link] [comments]


2020.02.07 19:52 Oi1235 Acho que o meu namorado me trai + vontade de o trair

Eu namoro faz 5 meses, nos primeiros três era maravilhoso. Só que entramos em crise, ele mudou do nada comigo, e quase terminou comigo. Só não terminou pq pedi pra tentamos de novo. Só que mesmo assim ele está muito diferente, não me procura mais, só eu que corro atrás, na última vez que ele dormiu na minha casa, ficou falando em tom de brincadeira que ia me trair enquanto eu tivesse viajando, e ele fez um escândalo pq eu pedi pra tirar o solteiro do Facebook.
A verdade é que desde que o meu pai traiu a minha mãe e a trocou pela amante (ele tá irreconhecível, pro lado ruim). Não consigo mais confiar em homem, a maioria dos brasileiros trai (por causa do machismo, e um monte de mulher aceita e não faz nada). Além do mais o meu namorado é militar, outro motivo que acho que ele me coloca galha.
Sim, meu namoro acabou, praticamente namoro sozinha, quando voltar pra cidade que eu moro, irei terminar sim. E depois que ele mudou, não consigo mais gostar dele e tenho vontade de ficar com outros. No começo tive 2x a oportunidade de trair, mas não quis. Mas se eu descobrir que ele tá me traindo mesmo, irei trair pra me vingar e terminar depois.
Edit 1: é uma conta throwaway, pra quem é misógino (principalmente mgtown) espuma mais, tudo que a mulher faz vocês xingam e que o homem faz, passam pano.
Edit2: não traí ninguém pq terminei
Resumo: não consigo confiar em homem, acho que o meu namorado me trai e tô com vontade de trair, mas vou terminar.
submitted by Oi1235 to desabafos [link] [comments]


2020.01.20 17:31 Gab8786 A PIOR SOGRA DO MUNDO. Me livrei, mas doeu.

Considerações:
Primeiro: eu juro que isso não é fanfic. Eu vivi isso, acredite ou não.
Segundo: primeiro post que envio para o turma-feira, ah que emoção. Recentemente seus turma-feira's têm sido meu melhor passatempo, gratidão imensa por fazer meus dias melhores.
Terceiro: Minha vida amorosa é uma tragédia (não a nível de Shakespeare, mas é quase), te contarei apenas um dos casos. Se você gostar, quem sabe eu te conte mais outros...
Provavelmente você terá que fazer um vídeo inteiro sobre isso. Vamos lá.
(Os números e nomes aqui estão trocados. Não mostre isso no vídeo, ok editor?)
Aconteceu em 2014.
Conheci Micaela, a namorada com quem eu casaria se existissem condições. A gente combinava em tudo. Em todas as conversas tínhamos uma harmonia ímpar, gostávamos de estar juntos em todos os momentos, não tínhamos divergência de pensamentos políticos ideológicos (eu nem ligava pra isso na época), ela gostava de muitas coisas que eu gostava, se esforçava pra gostar de outras e eu fazia assim com ela também. Era muito bom estar junto dela.
Eu andava 3 km a pé pra ver ela e valia muito a pena(não existia Uber na minha cidade ainda, mas mesmo que existisse eu iria a pé pq eu n tinha grana, e ela gostava de mim mesmo assim, o que prova a veracidade dos sentimentos dela).
Ela frequentava minha casa algumas vezes, meus pais amaram ela, fez amizade com meus irmãos mais novos, ela jogava videogame comigo. Era um sonho.
Só havia um problema. Dona Gertrudes, a mãe dela. Ah, Dona GERTRUDES... Como posso te explicar, Luba... Imagina uma mulher religiosa ferrenha com uma moral do século 18. Eu não sabia disso até então. Pelo visto nem Micaela sabia que a mãe poderia chegar a um nível tão ABSURDO no final da história. Micaela apenas dizia que não podíamos subir pro quarto dela porque a casa estava bagunçada devido a uma reforma, e a mãe queria me conhecer primeiro (com o tempo), ou que ao menos eu assumisse namoro antes que eu pudesse frequentar lá em cima. Tudo bem? Tudo bem. Não sou acostumado com cerimônias, mas tudo bem.
Isso fazia com que tivéssemos que transar dentro do banheiro do prédio dela(Sim, nos primeiros dias já estávamos apaixonados a esse nível). Tinha uma câmera em frente à porta, mas a gente ligava o foda-se e entrava mesmo assim.
Aí você se pergunta: porque não na minha casa, no meu quarto? Bom, eu dividia meu quarto com meus irmãos. Nosso AP. Era pequeno, apenas 2 quartos. Seria constrangedor, muito embora, algumas vezes considerarmos essa possibilidade mantendo meus irmãos fora, mas era difícil.
Alem disso, dona GERTRUDES não deixava Micaela vir pra casa de um amigo sem mais nem menos. Ela não deixava eu entrar na casa dela, porque ela deixaria a filha entrar na casa dos outros?(Lógica dela). Então as vezes, quase nunca, ela ia escondido pra minha casa. Portanto, o banheiro, quase sempre, era nossa única opção (lembrando, eu não tinha grana pra Uber, imagina pra motel).
Chegou o momento que a gente se cansou disso (3 semanas depois) e resolvemos assumir logo esse namoro. Dona GERTRUDES quis marcar um jantar para perguntar quais as minhas intenções com a filha dela. SIM, não era o pai que queria perguntar isso, afinal ela era....... MÃE SOLTEIRA. SIIIIIIIIM, LUBA, MÃE SOLTEIRAAAAAAAAAA. Pegou raiva né? Saiba que não é nada perto do que vc vai sentir.
Então o dia do jantar chegou. A mãe veio com a famigerada pergunta e eu armei um discurso todo fofinho... "Eu quero amar e respeitar sua filha, quero conhecê-la a fundo, saber dos seus desejos e sonhos de vida, quero aprender com ela e ensinar tbm" pra que que eu disse "quero aprender com ela"? Ela já deu sua primeira patada: "Espera um pouco... Aprender com ela? Minha filha não é professora de ninguém não!"
Eu comecei a dar risada achando que era zueira, mas eu via cada vez mais que não. Que ela estava falando sério mesmo.
"Que absurdo, num relacionamento ninguém ensina nada a ninguém não, tem que estar todo mundo maduro o suficiente sabendo das coisas da vida, e o homem é quem toma a frente e quem sabe mais das coisas, porque é o chefe da família! Se você assume essa postura você é um bunda mole, e eu não quero minha filha casada com um bunda mole. CASADA, sim porque você sabe que um namoro é um preparativo para um casamento. ALIÁS, sexo, nananinanão. Só depois do casamento. Entendeu, senhor Matheus? Aliás... Quantos anos você tem mesmo?"
"19..."
"Pois é. Você que é mais jovem não deveria casar com uma pessoa 6 anos mais velha que você. (Sim, ela tinha 25 anos) Ela tem que se casar com um cara mais velho, com condições de formar uma família. Você trabalha? Você tem uma casa própria? Não. Então eu não acho que você deveria namorar minha filha, mas eu não vou estragar isso no dia da inauguração desse namoro né? Eu abençoo vocês mas com a condição de que você deve assumir essa responsabilidade."
E eu: "Tudo bem."
Sim, Luba eu deveria ter terminado alí, mas eu gostava tanto de Micaela, e eu achava aquilo ridículo demais para ser verdade, além disso eu não sou um cara de se jogar fora, eu não ia deixar que ela me considerasse um cara qualquer, eu fazia faculdade de Medicina na Federal, tinha educação de moral elevada de berço, iria provar meu valor, mas foi muita falta de amor próprio da minha parte. "Deve ser só pressão" eu pensava... Aham... Vai achando!
Os meses foram passando, e eu ainda não podia entrar no convívio da casa de Micaela, e ela ficava cada vez mais ausente, e me dizia por whatsapp que a mãe estava vigiando ela, não deixou mais ela sair de casa por um tempo, até que, quando chegou no sétimo mês, ela me revelou que Dona GERTRUDES não quer mais que ela se encontrasse comigo. E eu "WTF???"
Eu comecei a xingar a mãe dela dizendo ainda "como ela pode controlar tanto assim a filha de VINTE E CINCO ANOS? Micaela, você tem que tomar a independência para sua vida! Não deixe sua mãe te controlar assim! É muita imbecilidade da parte dela."
"Matheus eu ainda não me formei, não tenho condições de construir uma vida sozinha, e apesar de tudo ela é minha mãe, e eu não quero viver brigada com ela!"
"E eu, tudo bem... Como que a gente faz então? Se encontra escondido?"
"Parece ser a única opção né."
Assim fizemos por algumas vezes até o dia que eu fui para o prédio dela escondido. Ela estava fazendo um projeto da faculdade sozinha. Dona GERTRRRRRUUUDES viu pela câmera do prédio e desceu.......................
Eu nunca fui tão humilhado na minha vida.
"O QUE VOCE ESTA FAZENDO AQUI? Eu já não falei pra você não ver mais a minha filha? Você é um imprestável, você não é suficiente para minha filha, você é um qualquer e minha filha merece muito mais. Você é jovem e vai viver muita coisa ainda, vai conhecer muita gente e se relacionar. E se um dia trair minha filha? O que eu faço? Não importa a idade dela ela sempre será minha filha e se você for a causa do sofrimento dela eu n sei o que eu faço com você. Eu sei porque eu vivi isso. Ok? Além disso, você acha que eu não vi vocês dois pela câmera quando entravam no banheiro? Eu vi você falando mal de mim pelo whatsapp da minha filha, alem das fotos dela pelada! Eu fiquei tão chocada com isso que eu não permito mais vocês dois juntos, vagabundo. Saia daqui, vai para sua casa, eu já falei com o condomínio para não permitir mais sua entrada aqui. Não fale mais com minha filha. Está avisado.".
Enquanto isso Micaela morria de chorar pedindo para a mãe não fazer isso e ela estava irredutível. Não me permitiu falar nada. As duas subiram. E eu andei 3km de volta pra minha casa com o coração destruído. Achando que tudo tinha terminado.
Cinco dias depois me liga Micaela dizendo que disse a mãe que ia na casa da amiga Jéssica que morava perto de mim algumas quadras, mas estava vindo para minha casa para conversar comigo, dizendo que não iria desistir de mim.
Conversamos, e daqui a pouco DONA GERTRUDES liga para Micaela dizendo que estava na rua de Jéssica para buscar ela, porque ela havia esquecido de resolver algumas contas da casa no banco e ela queria a ajuda da filha. Depois ela deixava de novo lá na casa da amiga.
Micaela entrou em desespero. Saiu correndo daqui. Chegando no portão da minha casa estava lá a Dona GERTRUDEEEEEEEEES. Ela tinha ativado GPS no celular da filha e sabia de tudo.
Do carro ela falou aos berros e buzinas que chamaria a polícia e me acusar de sequestro se a filha não saísse e entrasse no carro. Eu tive que chamar meu pai que estava trabalhando porque eu não estava aguentando essa situação. Ele chegou e viu a situação insustentável. Falou com Micaela e levou até o portão. Meu pai não falou nada. Chegando em casa ele falou comigo o quão sortudo eu era por eu ter me livrado da convivência com esse ser desprezível como sogra.
Nunca mais vi Micaela.
Fiquei numa depressão profunda durante meses. Pensando no que me aconteceu.
Meu amor foi arrancado de mim sem dó nem piedade. Como se eu a agarrasse e tivessem cortado meus braços para que eu a soltasse.
Depois disso tive alguns namoros que também não passaram dos 7 meses. Hoje estou solteiro. Sem ninguém para eu dizer "te amo". Ao menos não de uma maneira tão sincera quanto eu dizia a Micaela.
Fim.
submitted by Gab8786 to u/Gab8786 [link] [comments]


2019.06.09 04:48 MattBrasil É humilhante ter que mendigar companhia. É doloroso não ser lembrado.

Antes de começar duas notas:
  1. Eu sei que isso talvez coubesse mais ao desabafos, mas decidi postar aqui porque acho que chega a mais pessoas, e talvez faça sentido pra mais gente.
  2. Também sei que existem pessoas com problemas “de verdade”, coisas muito mais sérias, enfrentando barras muito piores. Mas é como li esses dias aqui no reddit ( LifeProTips eu acho?) : “A dor do outro não diminui seu sofrimento”.
TL;DR no final.
Boa noite amigos. Hoje decidi postar isso aqui pra ajudar a tirar um pouco do peso que tô sentindo hoje.
Um pouco de contexto. Não quero tomar muito tempo, nem fazer um mega textão, então vou tentar ser breve e omitir a maior parte das coisas, focando no principal.
Após 5 anos de casado, estou enfrentando divórcio. Não é o divórcio mais absurdo do mundo, mas tem meu filho especial envolvido, e meus pais conservadores também. Isso tem sido pesado. Já estou separado há mais ou menos um ano, só esperando o advogado desenrolar os papéis. Isso já me causa ansiedade. São 5 anos vivendo a vida de casado, com companhia todos os dias. 6 se contar o namoro, 9 se contar o namoro anterior. Há muito tempo eu não ficava solteiro. E a frase “solteiro sim, sozinho nunca” não poderia estar mais longe da minha realidade. Eu estou, de fato, muito solitário. E deprimido. E ansioso.
Meus pais se mudaram da cidade em dezembro passado. Em 31 anos de vida, é a primeira vez que moramos longe. Meus amigos são todos introvertidos, nerds. Todos gostam de ficar em suas próprias casas, jogando, vendo filmes, séries, etc. Eu também gostava, mas isso não tem sido suficiente pra me ajudar a combater minha solidão / depressão / ansiedade. Há algum tempo, eu decidi que precisava sair mais, ver gente, conversar, interagir.
Tentei sair sozinho algumas vezes, mais isso é mais deprê que tudo. Não encontro ninguém que conheço, e nem tenho jeito pra interagir com quem não conheço. Acaba piorando tudo: saio para ver casais, turmas de amigos, pessoas socializando enquanto eu fico sozinho numa mesa ou num canto, “curtindo” minha solidão. Mudei de estratégia.
Resolvi enturmar mais com as colegas de trabalho (os colgas, no masculino, são pessoas mais caseiras, ou são casados que se recusam a sair). Via sempre nas redes sociais como elas estão sempre saindo e se divertindo, e resolvi enturmar. Como já conhecia e já conversava com elas (Vamos chamá-las de W. e J.), e elas já sabiam da minha situação, que descrevi acima, foi menos doloroso fazer a primeira “mendicância” de companhia. Falei na cara dura mesmo, “se forem sair, se for rolar alguma coisa me chamem, tô precisando sair, ver gente.”
Elas adoraram a ideia. Logo conheci o marido de cada uma (ambos gostaram de mim, inclusive a J. falou que o marido veio comentar que me achou um cara muito legal), a filha da J. e saímos umas duas ou três vezes. Eu me considerava parte da turma até. Tava me fazendo bem. Brinquei com o fato de que eu era o único sem par, e as colegas incentivaram “Opa, vamos mudar isso, você vai conhecer umas amigas nossas” e etc.
Mas há três semanas já que não sou convidado pra nada. É sempre o mesmo papo “Ahh hoje não sei se vai rolar alguma coisa, se for a gente te fala.”. Sempre tem alguma coisa. Nunca sou chamado. Depois só vejo as fotos em redes sociais.
Ainda essa semana a J. disse “Nossa, você tá sumindo.” Eu respondi: “É, eu tenho quase certeza que estou desaparecendo aos poucos, ficando invisível.”
Mas esse fim de semana acho que meu nível de trouxa atingiu níveis épicos.
Mesmo não gostando de ter que mendigar companhia, sexta-feira eu engoli meu orgulho e fui pedir. “Então, hoje é dia. Vai ter um happy mais tarde? Se forem fazer algo, me chamem.”. A J. disse que não ia rolar nada, que estava frio e ela tava desanimada. A W. disse “Hoje não, mas no fim de semana aí deve rolar, aí eu te ligo eu mando mensagem, certeza.”. Saíram Sexta. Saíram Hoje. Eu fui lembrado? Não. Eu acho humilhante ter que ficar pedindo pra ser chamado pra sair, mais é doloroso ver que nem pedindo eu sou lembrado.
Pra colocar a cereja no topo do meu bolo, hoje à tarde fui no shopping aqui da minha cidade, e vi a menina em quem eu sou perdidamente apaixonado (não correspondido, como já devem imaginar). Ela me viu, depois baixou a cabeça pro celular, e me ignorou por completo. Mas essa já é outra história.
O texto ficou gigante mesmo eu tentando resumir. Se você leu tudo, obrigado, de verdade. Me sinto melhor só de compartilhar. Se não leu, segue o TL;DR.
TL;DR: Vivo pedindo aos colegas de trabalho pra me chamarem quando forem sair. Nem assim lembram de mim, e não sou mais convidado pra nada.
submitted by MattBrasil to brasil [link] [comments]


2019.04.24 21:27 theaga Estou namorando e sinto falta da minha vida de solteiro

Comecei a namorar a 8 meses, já conheço ela a 1 ano e 8 meses, vivia uma vida diferente da que eu levo hoje, ficava com varias meninas ao msm tempo, sempre eram uns ficas nada muito sério, tive uma crise existencial fodida, não estava feliz e estava perdendo o sentido na vida, tive que mudar algumas coisas na minha vida, comecei a me dedicar mais a faculdade, me reaproximei dos meus pais e deixei de ficar com varias meninas que eu mantinha essas amizades coloridas, passei a ficar só com uma menina e pedi ela em namoro. Durante alguns meses foi bem divertido namorar e etc, estava bem feliz e ela também. Mas com meus compromissos na faculdade e a distância ( ela mora em uma cidade vizinha, mas estuda para o vestibular na minha cidade) a gente passou a se ver pouco, só um dia no final de semana. Ela é MUITO M U I T O ciumenta,chega a ser bem tóxico as vezes, tenho muitas amigas e eu adoro ir para festas e etc, eu nunca trai ela(chances não faltaram, mas me mantive fiel) mas ela tem muitas crises de ciúmes e isso me desgasta muito, as vezes sinto falta da minha vida de solteiro onde eu não precisava dar satisfação pra ninguém, podia sumir do nada e passar 5 dias longe das redes sociais, podia fica flertar ( muitas vezes até de brincadeira) com qualquer uma, a vida era mais simples. Terminar com ela é uma possibilidade,mesmo eu amando ela, acredito que nossa amizade colorida era mais saudável para os 2, joguei essa ideia pra ela em forma de brincadeira, mas como ela é muito ciumenta, ela não aceitaria de jeito nenhum. Queria ouvir algumas opniões amigos, obrigado
submitted by theaga to desabafos [link] [comments]


2019.03.17 23:30 desabafo123 Como a dependência emocional afetou meu relacionamento

A ideia do meu post é compartilhar como meu relacionamento se desenvolveu e algumas situações que marcaram ele. Não é a intenção necessariamente obter aconselhamento de “o que devo fazer? ”, apesar de que estes serão bem-vindos assim como relato de vocês sobre situações semelhantes. O post é longo pois descreve alguns aspectos que considero importante na compreensão de como a dependência e carência emocional, neste caso unilateral, podem dominar uma relação. A conta é throwaway.
Tenho 27 anos e quase que “sempre namorei”, é assim que os que me conhecem me descrevem. Desde os 18 anos tive 4 namoradas que duraram de 1 a 3 anos. A cerca de 3 anos atrás tive meu maior período solteiro, 1 ano e alguns meses e fui genuinamente feliz nesta fase ainda que no fundo estava afim de encontrar aquela pessoa.
Eu tinha então 25 anos e em uma das muitas noites saindo com os amigos conheci ela, com então 18 anos. Percebi que era alguém que tinha vontade de sair mais vezes, e assim fizemos. Um encontro, depois outro, um final de semana juntos, conheceu meus amigos, inclui ela no meu grupo de amigos, conheceu minha família. Avançando alguns meses e descrevendo nosso namoro em velocidade cruzeiro: Nos víamos quarta à noite e no final de semana (de sexta à noite até domingo à noite), quando ela dormia em casa e passávamos 48h juntos.
O tempo que passávamos juntos presencialmente era praticamente perfeito, fazíamos muitas atividades juntos. Eu sempre procurava algo diferente para fazer, fosse algum passeio, alguma atividade, algum barzinho ou balada nova (adorávamos sair beber juntos, curtir, dançar, se pegar, voltar pra casa meio bêbado e continuar se pegando até dormir), e bastante viagens para o interior ou litoral, sempre ficando em algum hotel ou pousada aproveitando o dia e terminando com jantar romântico, fizemos cerca de 10 destas. Sexo muito bom e fazíamos muito.
Uma dinâmica diferente, porém, acontecia quando estávamos separados, cada um em sua casa. Ela se tornava emotiva, carente e por vezes isso parecia deixa-la ansiosa e ter atitudes grosseiras. Procurava razão nos detalhes para justificar que eu “não amava ela”, “não a tratava como prioridade” e era uma pessoa fria. Essa situação se agravou conforme passava os meses de relacionamento.
As razões que justificavam eu “não amar ela” eram por exemplo: demorar para ver e responder mensagem de whatsapp, esquecer de dar bom dia ou boa noite (o que acontecia se eu tinha uma manhã corrida ou dormia sem querer por estar cansado), eu não aceitar ter que reportar para ela diariamente com quais pessoas da empresa fui almoçar ou precisamente que horas havia saído do trabalho (dizia para ela que estava sendo controladora e possessiva, ela que o mínimo que espera de um namorado é que ele de satisfação).
Era comum, cerca de quase toda semana ela vir discutir por alguma situação desse tipo, dizer que passou o dia chorando, pensava em mim o dia todo e que eu estava nem aí. “Sinto como se eu não tivesse um namorado” ela dizia. Eu realmente havia estado nem aí só porque ela mandou uma mensagem bastante grosseira porque eu dei “bom dia” as 10:30 ao invés de as 9h. Eu pensava que era só um enorme drama por nada e não deixava isso abalar meu dia de trabalho, ela, no entanto passava o dia chorando e me ligava a noite dizendo como que eu poderia amá-la e simplesmente não se importar em quão mal ela estava.
Nossa rotina talvez venha a ser bastante relevante neste contexto. Eu trabalho de 10h a 12h por dia, meu trabalho é dinâmico e inclui reuniões diárias, internas e externas, relacionamento profissional com diversas pessoas e empresas. Moro sozinho fazem 2 anos e sou totalmente independente financeiramente sendo responsável pelo controle de gastos, alocação de investimentos e aperfeiçoamento profissional de forma a vir ganhar mais no futuro. Tenho um grupo de amigos próximos que nos encontramos toda semana. Por não morar mais com meus pais, costumo visita-los uma noite por semana. Também gosto de ter um pouco de tempo sozinho, fazendo outras atividades não produtivas. Ainda assim, se eu observar a semana como um bloco de várias horas, eliminar as horas que estou dormindo e no trabalho, eu passava 75% do tempo com ela, ajeitando nos 25% restantes todas estas outras atividades.
Ela faz faculdade de manhã e vai na academia a tarde, apenas isso. Sobre a faculdade vale ressaltar que quando a conheci no final de 2017 ela fazia um curso, em 2018 resolveu mudar para outro e em 2019 decidiu que faria outro, em uma área e faculdade diferente desta vez. No período de férias ela só vai na academia.
Ela não tinha amigos. Zero. Quando a conheci ela estava junto com uma amiga e pareciam bastante próximas. Em cerca de um mês ela se afastou desta amiga e desde então nunca ouvi dizer algo como “vou visitar fulana”, “fulana me convidou para jantar”, “vou no aniversário de fulano” etc. Não sei o nome de nenhum amigo dela porque nunca ouvi falar da existência de algum.
Até mesmo da família dela se afastou, eles eram uma equipe de esporte juntos e participavam de alguns campeonatos. Logo que nos conhecemos ela abiu mão de ir na próxima etapa e tiveram que a substituí-la. Ela inclusive não me dizia sobre alguns eventos que a família dela nos convidava, algum tempo depois eles começaram a me chamar diretamente e justificativa dela para não querer ir era que “o final de semana era nosso tempo de ficar juntos”.
Diante destas situações e mesmo envolvido no relacionamento percebia que algumas coisas não estavam certas. Minha atitude era motivá-la a sair, conhecer novas pessoas, buscar novos hobbies, buscar desenvolvimento acadêmico/profissional para no futuro ter um estágio legal, etc. Esta minha postura foi inclusive mal percebida. Segundo ela, enquanto ela estava lutando pelo casal, para ficar mais juntos, eu estava lutando para que ela achasse distrações e nos afastasse, e ainda, que a ausência de ciúmes da minha parte fazia parecer que eu não a amava.
A essa altura é possível se perguntar porque eu aguentava isso. O que acontecia é que eu dava pouca importância as crises e carências exageradas, me distraindo com as outras responsabilidades da vida. Ao mesmo tempo eu dava bastante importância ao tempo que passávamos juntos no final de semana, que era de bastante proximidade e atividades legais. Achava também que eu mantendo essa postura de não entregar atenção quando vinha com crises e grosserias, e incentivá-la para assumir novas responsabilidades na vida a situação tenderia a melhorar. Mas aconteceu justamente o contrário, e com o avançar da relação ela buscava justificativas ainda mais estranhas para dizer que eu “não amava ela”.
1 ano e meio de relação e ela pede para conversar, vem até minha casa e diz que quer terminar. As justificativas como pode imaginar são “eu nunca senti que você me ama”, “me sinto sozinha durante a semana e você parece não se importar”, “nunca ganhei flores ou presentes fora de época”, “você não posta fotos nossas ou declarações de amor públicas” e por fim “não posso mais perder tempo com alguém que não me ama, preciso estar com alguém que me ama de verdade”.
2 semanas depois estava postando fotos com outro cara. Declarações de “como sou feliz de conhecer alguém que me ame de verdade” e postando um buque de flores que havia ganhado dele.
Procurou inclusive uma amiga minha que eu apresentei a ela para dizer como estava feliz no novo namoro, como ele era perfeito e dava toda a atenção que eu não dava. Que ele assume ela (assumir no contexto dela é postar coisas em rede social). Que não sabia como aguentou tanto tempo se dedicando para uma pessoa que não a tratava como prioridade. Que o fato de eu não correr atrás dela após o término simbolizada a minha ausência de sentimento.
Já passou uns meses e estou bem resolvido com essa situação, sigo a vida normalmente. No entanto passei um bom tempo intrigado com o que aconteceu, pesquisando e refletindo. Hoje levo comigo a conclusão que o que ela experimentou não foi amor de verdade, certamente não um amor maduro e que direciona ambos para o crescimento pessoal e conjunto. Eu apenas supria a dependência e carência emocional dela.
Com o tempo ela precisou de doses ainda maiores de atenção para se sentir satisfeita e preencher o vazio que ela mesma criou, e na iminência de prejudicar outros aspectos da minha vida eu restringia a apenas o que eu citei, trocas de mensagens diárias e finais de semana incríveis, respeitando minha individualidade nos momentos que eu precisava. Bastou então surgir outra pessoa despejando atenção para fazer mais sentido sob o ponto de vista dela transferir o foco de atenção e carência para alguém que “a ama de verdade”.
submitted by desabafo123 to desabafos [link] [comments]


2019.03.08 14:00 SynC666 É normal sentir isso sobre ela?!?!

Bem meus caros, vou tentar ser o mais breve possível.
Todos nós já fomos apaixonados quando criança/adolescente, e é bem estranho por ser um sentimento novo, algo puro... Enfim, quando eu tinha uns 8 anos minha mãe começou a cuidar de uma garota, filha da vizinha, loirinha, olhos azuis, padrão de patricinha, comecei a frequentar a casa dela e ela a minha, e com isso fomos crescendo juntos e próximos.
É estranho de dizer mas nessa idade já sentia algo diferente por ela. Fomos crescendo e esse sentimento só aumentando, eu realmente amava ela mas nunca disse ou demonstrei na frente de ninguém, e tudo indicava que ela também. Mesmo depois de grandes (ambos com uns 15/16 anos) ela vivia indo em casa, ficávamos abraçados assistindo tv, de mãos dadas, chegamos até a se beijar diversas vezes, mas tudo isso longe dos outros.
Com o tempo comecei a perceber que sei lá, pra ela eu era apenas um passa tempo, ou um porto seguro caso ela não conseguisse nada com ninguém, e isso com o tempo passou a ficar cada vez mais nítido. Ela começou a sair com outros amigos(as), começou a ficar com outros caras, ficava sumida mas depois de um tempinho voltava a me procurar e tudo voltava a rolar novamente.
Eu queria não acreditar nisso, que eu era um brinquedo pra ela, ver também meus pais que gostavam muito dela, e os dela de mim, eles imaginavam que a gente meio que namorava, porém estava mais pra amizade colorida. Tinha vezes que ela demonstrava querer algo sério, e tinha vezes que ela simplesmente cagava pra mim...
Até que chegou um belo dia onde ela começou a namorar com um amigo muito próximo meu, e ele não tinha ideia de que eu amava ela muito, pois nunca cheguei a dizer pra ele, fiquei super magoado com os dois, me afastei completamente dela e um pouco dele.
Decidi virar a página e comecei a namorar com uma outra garota que era do nosso circulo de amizade, e quando ela descobriu ficou super irritada comigo, e demonstrava nitidamente isso, foi então que começou a rolar histórias de que ela me amava, que não aceitava meu namoro, e terminou o namoro com esse meu amigo.
Infelizmente meu namoro também não rendeu muito, e lá estávamos nós novamente solteiros, foi quando ela tentou se aproximar novamente de mim, dizendo que mesmo namorando pensava muito em mim. Foi dai que realmente decidi me afastar de vez dela, e nunca mais nos falamos.
A gente se via na rua, trocava olhares, mas não se falava. Até que o tempo passou, ela mudou de casa, e hoje em dia ela esta casada.
Esses dias eu estava tomando umas e conversando com esse meu amigo (que até hoje é o melhor amigo que tenho) e tocamos no assunto de infância/adolescência e como foi aquela época, foi então que ele me disse das safadezas que ele fazia na época com essa garota quando eram namorados, quando ficavam sozinhos na casa dela, foi quando decidi dizer a verdade do que rolava comigo e com ela, nossa história e tudo que aconteceu.
Meu amigo ficou super sem graça, pediu desculpas mas realmente ele não me devia nada disso, ele nunca soube do que eu sentia por essa garota, e ele mesmo disse que se soubesse, nunca teria namorado ela por me considerar muito. E demos muitas risadas por tudo isso, e também fazem anos que tudo isso aconteceu.
Mas mesmo depois de anos, sempre que vejo ela nas redes sociais, me bate uma nostalgia, e me recordo de tudo que aconteceu, pois de alguma forma ela ficou marcada na minha vida, não sei se é pelo fato de ter sido a primeira garota que eu realmente amei, ou por ela ter me magoado, sei lá é uma sensação estranha, creio que não deveria ter essa nostalgia... bem confuso.
Fico me perguntando se ela realmente sentia algo por mim, ou era só balela... creio também por ela ser linda, e ser acostumada a ter muita atenção dos outros, fez com que tudo isso acontecesse. Mas realmente são coisas que eu nunca irei saber ;D
Só quis desabafar mesmo, por ter essa sensação estranha e confusa sempre quando falo sobre ela, ou a vejo. Não me sinto triste, muito menos arrependido de nada que rolou.
E realmente, muito obrigado por quem leu até aqui.
submitted by SynC666 to desabafos [link] [comments]


2019.01.08 04:09 masterofpotatoes6953 Às noites sempre são as piores

E aí galera, beleza?
Bom, depois de muito tempo acompanhando esse subreddit e influenciando por um post anterior, resolvi escrever pra tentar livrar um pouco a agonia que tô sentindo. Agora tô escrevendo isso bebendo um pouco, porque tava complicado aguentar.

Basicamente meus problemas começaram quando consegui um estágio em 2017, estava no terceiro ano de faculdade e achei que isso era uma oportunidade ímpar pra minha carreira, na época eu namorava e ainda tinha um brilho nos olhos (isso na engenharia nessas altura do campeonato é difícil). Só que não foi tão bom quanto imaginei que seria. Passei a ganhar mais que uma bolsa que a faculdade dava e isso era ótimo porque sou de família pobre, então podia me dar alguns luxos e ainda ajudar em casa. Porém, era muito distante de casa, cerca de 2h de ônibus para cada percurso e o ambiente de trabalho era altamente tóxico por causa do meu chefe. Ele tava num cargo de gerência mas não sabia nada disso, vivia humilhando nossa equipe, sempre pedindo coisas absurdas e a empresa em si também não era nada boa. Mas como alguém jovem e por consequência imaturo, nada daquilo me era ruim no início.

Mas isso começou a me afetar sem que percebesse ao longo dos meses, ao ponto de influenciar no término do meu namoro que já durava 2 anos. Foi aí que se iniciou minha derrocada. Fiquei muito pra baixo durante um tempo. Então resolvi entrar no Tinder, conheci algumas mulheres e tentei levar uma vida de solteiro baseada em pegação e bebidas, algo totalmente dispare do que realmente sou. Fiquei com muitas mulheres, mas nunca me sentia completo. Sempre me sentia sozinho. E isso foi aumentando ao longo dos meses mais e mais. Nesse meio tempo conheci uma garota muito legal, mas depois de um tempo ficando, ao pedir pra namorar com ela, tive uma recusa, o que me deixou bastante pra baixo. Mas resolvi tocar a vida. Enquanto estava com ela, havia saído do Tinder, mas depois dessa situação, eu voltei e resolvi que não queria namorar. Então entrei em uma espiral de solidão muito grande. Por mais que ficasse com alguém, sempre, sempre me sentia sozinho. Mesmo tendo um ambiente familiar estável, apesar dos pesares, a solidão era uma companheira constante e me fazendo sofrer de um jeito que nunca sofri antes. Incontáveis noites me peguei dormindo tarde, por estar ouvindo músicas tristes e chorando. Isso me atrapalhou muito. E o ambiente de trabalho, só piorava ainda mais as coisas.

Após alguns meses, conheci outra garota maravilhosa, com quem achei que engataria um relacionamento sério, havia criado bastante expectativas à respeito. Até ao psicólogo fui, por influência dela, para tentar descobrir o que tinha pra que eu ficasse tão agoniado e triste com frequência, no fim, fui diagnosticado com transtorno de pânico, mas como era uma consulta do SUS, não foi muito boa, nenhum tratamento realmente efetivo me foi recomendado, mas deixou algo na cabeça. Contudo no fim, ela me largou no meio de um shopping, alegando que não conseguiria me namorar porque tinha trauma para relacionamentos. Ela havia me alertado anteriormente sobre isso, mas ainda assim acreditei que iria conseguir ter algo. Mais uma vez, após ter me recuperado um pouco, voltei ao fundo do poço. Além da dor de uma "rejeição" dessas, ainda havia a pressão no estágio. Foi aí que voltei a beber muito, gastando muito dinheiro com coisas fúteis, me endividando de um jeito como nunca antes.

Mas depois de ver tantas contas, com meu salário de estagiário quase não podendo pagar tudo e lembrando dos conselhos do psicólogo, resolvi parar com isso tudo. Me controlei um pouco. Mas ao mesmo tempo me isolei um pouco, ficando ainda mais só, mas foi um tempo até bom, pois pude refletir comigo mesmo, se eu sabia eu não viver sozinho. Se eu sempre precisaria estar com alguém ou não. Toda essa reflexão durou cerca de dois meses ou mais. Não foi fácil, ainda mais com meu ambiente de trabalho horrível. Mas, depois de uns meses sozinho, conheci uma menina muito legal, que se tornou minha atual namorada.

Contudo, nós brigamos muito, por besteiras. Muito devido ao transtorno que o psicólogo alertou que tinha e aos estresses do meu ambiente de trabalho, que eram muitos e me deixavam muito mal mesmo. Mas, sabendo disso, tentei me manter firme e continuar. Estamos juntos há três meses já, as brigas diminuíram, mas ainda persistem e o sexo não é tão bom. Sempre por motivos bestas. E chego então no cerne da questão, depois de muito escrever. Se você chegou até aqui, muito obrigado, mas não desista, já estou nos finalmentes.

Para completar, ainda sinto alguma saudades da garota que me rejeito após pedir ela em namoro. Ela tinha qualidades que minha atual namorada não tem. Principalmente na cama. Mas com minha atual, devido a inúmeros imprevistos e circunstâncias, não conseguimos ter nossos momentos de amantes realmente ainda, então resolvi respirar e seguir em frente pra ver onde isso vai dar. E também resolvi procurar novamente um psicólogo, mas como dependo do SUS, a consulta demora a sair. Mas, só de estar de férias, meu estágio ter finalmente terminado, mesmo ficando sem grana. estou podendo refletir mais e conseguindo controlar mais minha ansiedade. Ainda não sei se tenho depressão, ou se é só transtorno de pânico, ou os dois, mas estou tentando descobrir.

E é muito por isso que estou escrevendo. Tive uma pequena discussão com minha namorada, que foi aumentada ao infinito por conta desses meus problemas. Me deixando muito mal. Mas fui correr, pra suar e me cansar e agora estou bebendo um pouco aqui e ouvindo algumas músicas tristes. Ao início da redação desse meu monólogo, tava bem mal, mas já me sinto bem melhor. Aos que chegaram até aqui na leitura, meu muito obrigado pela atenção. Isso era algo que me estava preso há muito e nunca achei alguém com quem pudesse contar tudo sinceramente do início ao fim. Meus problemas com solidão cessaram quase na sua totalidade, mas os de ansiedade persistem. Vou procurar ajuda especializada e indico isso a todos que passaram ou estejam passando por algo semelhante. Isso é de suma importância. Saúde mental não é frescura. Se sentir confortável, conte o que está passando aos seus pais. Eles vão tentar ajudar da melhor forma que puderem. Fiz isso e me ajudou bastante. Enfim, é isso.

Que a Força esteja com vocês.










submitted by masterofpotatoes6953 to desabafos [link] [comments]


2018.10.11 20:30 LuanScunha Como agir em um relacionamento tendo opiniões políticas diferentes?

Para contextualizar:
Eu e ela estamos namorando a 1 ano, ambos temos 26 anos, a família dela tem opiniões políticas bem diferentes da minha(e mais parecidas com a família do meu pai, que também são bem diferentes da minha), mas até então isso não havia se tornado um problema muito grave, eu apenas pensava no futuro as vezes e se isso poderia impactar em nosso convívio, sendo que eu já havia reparado que temos opiniões bem diferentes sobre a liberdade individual.
Enfim, trazendo para ontem, ela deu a opinião dela sobre o segundo turno, e como esperado, fugiu bastante com o que eu penso e priorizo, são prioridades diferentes, justificativas diferentes e acabou que eu preferi não discutir.
Porém eu fiquei muito pensativo desde ontem, estou cogitando terminar o namoro mas ainda não me decidi, queria saber de desconhecidos da internet(visto que meus amigos são muito enviesados e muito voltados ao 'ficar solteiro').
Eu penso que as pessoas não mudam de opinião tão fácil e nem deveriam, você deve ter suas convicções baseadas nas suas vivências, mas também não sei se as coisas um dia vão ser piores e adiar isso será pior.
O que vocês acham que seria uma atitude correta? Terminar é justificável e é possível que eu não me arrependa?
Não faz sentido misturar as coisas e é mais natural que a gente possa se dar bem ignorando esse tipo de assunto?
submitted by LuanScunha to brasil [link] [comments]


2018.05.09 02:57 porco-espinho A menina que mudou minha vida. (E ela provavelmente nem sabe disso)

Tô meio reflexivo nos últimos dias e também estou tentando melhorar minha escrita, então juntando o útil ao agradável, está saindo esse desabafo.
Antes queria falar sobre o que eu acho de mim mesmo, pra dar algum contexto. Acho que minha melhor qualidade é a falta de orgulho, e o fato que sou muito egoísta, sempre me coloco a frente de qualquer outra coisa ou pessoa. Juntando os dois eu acabo sendo alguém que sempre está do lado do time que está ganhando. Mudo de posicionamento e de opiniões como se fosse cueca, muitos me acham hipócrita, provavelmente estão certos. Também sou bom em influenciar pessoas, sempre consigo que as pessoas a minha volta, tenham as ideias que eu acho certas.
Com o contexto criado, vamos à história, tudo começou quando entrei no colegial. Eu odiava escola, sempre fui aquele aluno mediano, mas puxado pra zuera, não estava na lista dos três piores alunos da sala, mas meus pais tiveram que ir na escola algumas vezes. Desde o fundamental eu carreguei comigo um amor pela matemática, era minha matéria preferida, sempre ia bem nela (em física também), mas em todas as outras eu era uma aberração, sempre mendigando arredondamentos pra somar a nota mínima e passar de ano, recuperações e provas substitutivas eram parte do meu cotidiano.
A escola que eu estudava era grande, tinham várias turmas do mesmo ano, é era comum as turmas se comunicarem pra trocar trabalhos e tarefas. Em uma dessas, no meu segundo ano, acabei pegando o MSN da Luiza (nome fictício), uma garota de outra turma que tinha pego o mesmo tema que eu. Adicionei é fui pedir o trabalho para copiar, ela foi muito educada comigo mas negou, não me passou, nem deu uma desculpa, só falou que não ia passar e mudou de assunto. Fiquei meio perdido, não esperava aquilo, já tinha feito várias vezes e sempre conseguia no final, mas ela foi diferente, me deu várias dicas de como fazer o trabalho, mas não me deu ele pronto. Acabei tendo que fazer, não entregar ele significava que eu não teria mais chance alguma de passar direto naquela matéria.Depois disso, passei a conversar com Luiza frequentemente, as vezes na escola mesmo, mas normalmente pelo MSN, ela sempre me ajudava com algumas tarefas do gênero.
Nesse ponto eu preciso falar mais sobre Luiza, ela sem dúvidas estava no top3 das meninas mais bonitas do meu ano, mas ela namorava um cara do terceiro ano. Ela era a menina super dedicada, filha de um casal de professores, ela era a detentora do melhor boletim do ano, era a garota que todos os professores amavam. Totalmente certinha e perfeitinha é a melhor definição que tenho pra ela nesse momento. O tempo foi passando, e mantive esse contato com ela, aliás ela sempre me ajudava, quando eu realmente precisava fazer algum trabalho.
Românticamente meu segundo ano foi bem legal até, tive alguns rolinhos característicos dessa idade, mas nada sério, só ia levando. A coisa melhora logo depois que acaba o ano letivo. O terceiro ano vai fazer a tradicional viagem de formatura e o namorado de Luiza decide que queria aproveitar solteiro. No momento não passou nada pela minha cabeça, só segui minha vida e segui conversando com ela, mas agora as vezes as conversas se alongavam por horas e começaram a ficar mais frequentes.
Quando começou o terceiro ano eu tinha certeza, precisava me aproximar mais dela, era mina única chance. Mas eu não sabia como ela poderia se interessar por mim, eu era só o garoto que tinha problema com as notas, bom em matemática e viciado em jogos de PC e ela era perfeita.
Não tenho muito o que comentar nesse ponto, as coisas foram seguindo naturalmente, até que um dia, aconteceu e tentei beijar ela. Para minha surpresa, fui correspondido, e a Luiza me beijou de volta, foi o início do nosso namoro. Foi uma época mágica, eu realmente fiquei apaixonado por ela e me sentia correspondido. Ela melhorou minha vida em todos os aspectos, meu comportamento, minhas notas, minhas atitudes, minha responsabilidade, tudo influenciado por ela, eu já tinha mudado muito, mas ela ainda ia mudar muito mais em mim.
Mas com isso também vi o outro lado dela, o que antes eu achava uma menina brilhante, agora eu via uma menina dedicada. Ela não tinha facilidade nas matérias, mas sim estudava por incontáveis horas na sua casa, pra manter o nível de excelência. Realmente, não acho que nesses últimos 10 anos eu conheci outra pessoa tão dedicada quanto ela. Outro ponto importante é que é ela era muito sonhadora, com 17 anos ela já tinha a vida dela inteira programada, quando ia casar, quando ia ter um filho, quando ia trocar de emprego, realmente tudo, e eu estava inserido nesse sonho dela, mas eu via que claramente ela conseguiria fazer tudo aquilo sozinha.
Tivemos um ano incrível, terminamos o colegial juntos, tive notas de um aluno normal (e não de um idiota) até nossas famílias já se conheciam e se "gostavam", mas como todo recém formado, entramos pra faculdade. Eu fui fazer computação em uma faculdade da cidade e ela passou em um curso tradicional de humanas em uma faculdade na cidade vizinha. Como todo adolescente idiota eu conheci o mundo das festas da faculdade, primeiro semestre e eu estava sempre tentando ir pra festa, ela também entrou na onda, curtimos muito nos primeiros meses das nossas faculdades.
Só que eu precisava de mais, eu queria curtir aquilo ao máximo e nesse ponto Luiza passou a ser um problema pra mim. Não demorou muito pra tomar a decisão que eu precisava estar solteiro pra curtir aquilo ao máximo. Passei a colocar na cabeça dela que precisávamos terminar, pouco tempo depois tivemos o fatídico dia em que "juntos" chegamos a conclusão que seria melhor para os dois se terminamos. Mas a realidade é que eu já tinha todas as falas e todos os cenários programados na minha cabeça, só precisei fazer ela dizer as palavras, foi fácil eu conhecia ela muito bem.
Nesse momento eu sabia o que tinha feito e sabia que tinha trocado uma vida perfeita, com a menina perfeita e precisava fazer aquilo valer a pena, não importava o preço disso. Foi minha segunda era de ouro, eu curti muito, zuei muito, bebi muito, me droguei muito e segui a vida cheia de exageros. Sempre com o pensamento de que eu troquei a Luiza por aquilo, então eu precisava fazer valer a pena. Meus pais não são ricos, então pra sustentar meu estilo de vida, logo consegui um estágio em programação.
No estágio logo eu vi uma oportunidade pra ser efetivado, mas eu estava concorrendo com outros cinco estagiários, todos em anos mais avançados do que eu na faculdade. Nesse ponto o pensamento de Luiza sempre me voltava, eu precisava da vaga, pra provar pra mim mesmo que eu tinha feito a decisão certa. Em três meses de estágio fui efetivado, depois de muito estudar por conta é trabalhar praticamente o dobro do que era necessário. Levei muito a sério a ideia de Play Hard, Work Hard, essa era minha vida agora.
A história se repetiu mais algumas vezes, e tive uns ascensão bem grande em um curto tempo, tudo graças a Luiza. Nesse ponto ela passou a ser um ideal de vida pra mim, apesar de nunca mais ter tido muito contato com ela, era a lembrança de ter deixado ela, que me motivava à ir pra frente e pra cima. Eu queria provar pra mim mesmo que tinha feito a escolha certa.
Hoje já se passaram quase 10 anos desde que começamos a namorar, e vejo o quanto aquela menina me mudou e o quanto eu ainda colho frutos disso. Tive outros relacionamentos no caminho, mas nunca foram metade do que eu tive com aquela menina que não me ajudou com o trabalho de Geografia. Fui muito mais longe do que qualquer pessoa poderia imaginar, todo mundo sempre achou que eu tinha um dom ou algo especial, mas era bem mais complexo do que isso. Tenho hoje um salário maior do que um governador e participação em três empresas. Hoje Luiza já não é minha fonte de inspiração, mas sempre que dizer o quão importante ela foi na criação de tudo isso, na minha criação.
Desculpa, ficou muito longo, se alguém leu até aqui, obrigado mesmo! Digitei no celular então vou ainda dar uma re-lida e possívelmente editar alguns erros, mas todo e qualquer feedback será muito bem aceito.
Espero que você esteja feliz Luiza. Te desejo tudo de melhor, você é incrível.
submitted by porco-espinho to desabafos [link] [comments]


2017.09.25 21:45 botafora01 Sinto que a minha vida já está traçada

Desde já peço desculpas pela muralha e pelo throw away
OK, desde o Ensino Médio eu sofria com algo que eu imagino 90% do Reddit sofreu: não conseguia pegar sequer resfriado. Era extremamente zoado pela sala toda por isso (meus amigos até hoje dizem que eu sou o único da turma que nenhuma mulher chegou), cheguei até a apanhar por isso. Só fui perder meu BV no meu ano de calouro na faculdade e a minha virgindade quando fui num bordel. Eu ficava triste com isso, mas também estava esperançoso: afinal, era um adolescente, estava entrando na faculdade, e todos sempre me louvavam por, segundo eles, eu ser muito inteligente. A menina que eu gostava na época, e que até hoje é uma amiga (e que eu passei a maior vergonha da minha vida, ao me declarar pelo fucking MSN), vivia brincando dizendo "O nerd de hoje é o cara rico de amanhã". Boas memórias.
Chegou 2013, e eu entrei na faculdade. Não fui maravilhosamente bem no ENEM, mas consegui uma bolsa integral em Administração em uma bela universidade. Escolhi Adm por pensar que o mercado estava bom e por ser noturna, o que me permitiria trabalhar. Nesse período, perdi meu BV e fiquei com outra menina uma vez, num espaço de 9 meses. Pra mim, isso era o ápice, eu era o deus da conquista, mesmo que meus novos amigos me zoassem de "pega ninguém" do mesmo jeito. Nessa época, eu baixei o Tinder e conheci o meu primeiro namorico, vamos chamar de Ana. Ana morava a 3h30 de viagem, então era praticamente um namoro à distância. Ficamos algumas vezes, 3 meses depois começamos a namorar e, depois disso, ela passou o mês seguinte dando desculpas para eu não ir lá. Chegou fevereiro, veio o carnaval, e ela disse que estava passando mal. Foi para o hospital e detectaram leucemia. Óbvio que eu pirei, queria ir pro hospital dela de todo jeito, mas ela nunca deixava, dizia que os pais me viriam, iria arrumar encrenca, ela iria ver um momento que estivesse sozinha. Se passaram 5 meses nesse tormento, hora ela dizia que estava boa, hora dizia que estava mal, quimio e afins, até que meus amigos de sala fizeram uma intervenção comigo, mostrando que não havia nada em rede social nenhuma dela a respeito de câncer, mostrando que ela estava postando normalmente sobre coisas cotidianas e que era a maior retardadice do mundo eu não ter ido nenhuma vez ver ela. Eu fiquei meio balançado, até porque meus pais concordavam com este ponto de vista, mas fiquei meio irregular com ela. Pouco mais de um mês depois disso, ela disse que tinha tido alta, tinha encontrado um ex, tinha ficado com ele e queria terminar. Não lamentei muito, até porque isso ocorreu em um espaço de uma semana, no máximo. Terminei e, desde então, ouvi dela duas vezes na vida. Passou.
Vale mencionar que, nesse meio tempo, a minha vida em casa havia melhorado demais: durante meu período de Ensino Médio, minha adolescência se resumia a passar finais de semana com minha mãe em bares, vendo ela entrar quase em coma alcoolico com as amigas e outros finais de semana na casa do meu pai, vendo ele ficar bêbado e chorar no meu ombro sobre ele ser um fracassado que não conseguiu sequer manter um casamento. Quando eu terminei, minha mãe já estava mais centrada (como está agora), saindo ocasionalmente e socialmente, e meu pai parou de beber após enfartar e voltou a ser o cara extremamente trabalhador que eu sempre admirei. No fim do meu primeiro ano de faculdade, eu passei a estagiar em um instituto federal. Ao mesmo tempo do término que eu disse acima, eu fui chamado para um concurso temporário, em outro órgão público, bem mais perto de casa.
Poucos meses após eu terminar com a Ana, entrou em cena a pessoa que eu, de fato, considero como a única que eu namorei. Vamos chamar ela aqui de Beatriz. Beatriz me chamou no Facebook, para brincar sobre uma postagem que eu havia feito (já havíamos tido pequeno contato ainda no colégio), e daí começamos a conversar. Dois meses depois, ficamos e, 5 meses depois, começamos a namorar. Ela perdeu a virgindade comigo e, na prática, eu também perdi com ela (transei com prostitutas umas 4 vezes antes. Fiz exames, por precaução, e não deram nenhum reagente). Eu aprendi demais a me aceitar com ela, nós tínhamos a mesma personalidade, ela era a primeira pessoa que não só não me julgava por meus interesses, como me incentivava a seguir eles. Não me cobrava nada, eu não cobrava nada dela, mas conversávamos de forma quase ininterrupta das 7 até meia noite. Com ela, no entanto, eu descobri algo que já havia visto antes nos bordeis: não sei o que me causa, mas com certeza eu tenho ejaculação precoce. Fui em um urologista, que me disse que era algo psicológico, que eu só precisava "me desligar". Tentei os exercícios que o próprio Reddit indica, mas nunca funcionava. Usei camisinha anestésica 2 vezes: uma vez foi uma maravilha, na outra estourou e eu traumatizei. Sempre me sentia extremamente culpado e furioso comigo mesmo após cada fim de penetração, mas o que atenuava era a presença dela, que sempre me dizia que não ligava, que eu conseguia deixar ela no céu somente com as preliminares, que não ligaria de passar por isso por não sei quanto tempo. Tudo que eu me julgava errado, ela me mostrava que não ligava. Eu me sentia num porto seguro com ela, e isso me impulsionava na faculdade: eu imaginava que iria me formar em um emprego na iniciativa privada, sem "data de validade" como meu emprego temporário, e que, 1 ou 2 anos após isso, estaria casado com ela. O único motivo de discussão que tínhamos era que ela tinha total ojeriza de tornar público: não podia postar nada com ela no Facebook, não podia atualizar status de relacionamento, não podia ir conhecer os pais dela, que "iriam proibir completamente". Mesmo os amigos eu só vi 2 vezes (uma outra vez eu não pude ir por motivos profissionais). Eu sempre entendi que isso era um receio dela, então, mesmo um pouco frustrado, eu aceitava. No que eu terminei minha monografia, estava preocupado com a questão do mercado, mas nada demais. Até que veio o dezembro, 1 ano e 4 meses após começarmos a ficar.
Eu estava na faculdade, pegando os convites de formatura, quando ela mandou o tradicional "precisamos conversar". Resolvemos por texto mesmo: ela disse que gostava de outra pessoa, e que se sentia culpada namorando comigo com interesse em outro. Aceitei, triste, e demos um tempo. 2 dias depois, um amigo me manda uma foto no perfil de um rapaz, que era o mesmo que ela gostava: ambos deitados, ela de top e ele sem camisa, e uma descrição bem...insinuante. Óbvio que eu pirei, liguei para ela, tivemos uma baita discussão, mas, depois disso, esfriou. Acabamos nos vendo, e ficando de novo. Ela terminou com o rapaz, mas ainda jurava de pés juntos que aquela foto era uma coincidência, que ela não havia me traído, que jamais faria isso, que era íntegra. E ficamos uns bons 3 meses indo e voltando até que, em abril, ela me mandou um testamento contando tudo: numa segunda, ela estava na casa de uma amiga, com este rapaz e o cara que a amiga estava pegando. A amiga e o peguete dela começaram a dar uns amassos no local e, segundo ela, ela não conseguiu "resistir" e montou no cara. Uma traição espetacular, que até hoje eu uso como humor auto depreciativo. Fiquei em choque por um tempo, mas, contra os conselhos de todos, perdoei ela e voltamos a namorar. Mas não era a mesma coisa. Ainda era maravilhoso por um aspecto, mas, por outro, ela estava insegura com o relacionamento (dizia que se sentia culpada por ter "estragado tudo por um impulso") e eu estava inseguro com tudo, precisava de validação dela pra tudo, principalmente no que tangia sexo. Eu já era inseguro sexualmente antes, agora era 3x mais, então eu basicamente a induzi a me contar toda a experiência sexual dela com ele, até eu me sentir menos perdedor. No entanto, eu estava começando a me recuperar em junho, estava me reencontrando, entendendo que estava apertando ela desnecessariamente (uma amiga teve essa conversa esclarecedora comigo). Então, tanto como solidificação como um pedido de desculpas, eu planejei uma viagem para nós, no dia que ficamos pela primeira vez, que cairia num sábado. Disse para ela os planos, ela ficou elétrica, empolgada, começou a me mandar links do local, brincar com meus planejamentos e afins...e, na semana seguinte, pediu para terminar. Disse que nunca esteve certa sobre nós termos voltado, que ela ainda me amava, que ainda sentia tesão comigo, mas que não se sentia pronta para um relacionamento sério, e "não queria me magoar". Aceitei, até mantive o contato, pq, nesse meio tempo, ela virou a minha melhor amiga. Mas o mesmo amigo da vez anterior me mandou um print de uma conversa dela com a irmã dele, dizendo que tinha terminado por estar afim de outro cara, e eu reconheci o sujeito: era um cara que ela falava horrores bem dele, "ah, fulano fez isso, fulano fez aquilo, me ajudou com x, um cara foda, faz não sei o que". Não sei se ela me traiu, mas tal conversa era de 1 dia e meio após termos terminado, e ela já havia ficado com tal cara. Não sei se ela me traiu de novo, mas a confrontei (não falei do meu amigo, obviamente, disse que a vi na rua) e ela manteve que não me traiu, mas que, dessa vez, poderia ficar com quem quisesse pq "fez a coisa certa". Eu disse que não conseguiria conversar com ela enquanto ainda tivesse sentimentos, ela disse que entendia, mas que queria saber de mim, que eu ainda era "o melhor amigo" dela.
Isso faz um mês e meio. Eu não consigo deixar de me sentir mal. Eu podia ter feito tanta coisa melhor, mas não fiz. Ela me traiu, possivelmente duas vezes, e tudo que eu consigo fazer é me culpar. Eu só não a chamei ainda pq imagino ela ficando com esse cara, que é melhor que eu em tudo: mais bonito, com uma barba farta de lenhador, com uma carreira já estabelecida, carro na garagem, mora sozinho e afins. O que me leva ao lado profissional: a sala da faculdade se reuniu para um churrasco há 3 semanas, estávamos conversando sobre empregos e eu concluí algo: apesar de que eu (e eu sei quão arrogante isso soa) ter feito que metade da sala ganhasse um diploma, eu sou o único dali sem um emprego minimamente fixo e tenho um salário que é o menor de todos, com vantagem. Todos falam que eu vou ganhar 3k, 4k logo, mas eu já cansei de tomar portadas de empresas. Gasto com passagem, gastei com um terno novo, gravata, e tudo que eu consegui foram muito obrigados, mas uma parcela da minha sala que literalmente não consegue entender que 50% e 0,5 são a mesma coisa (eu tive que ensinar manualmente regra de 3 simples e cálculo com números decimais quando estudamos Matemática Financeira) estão em empregos bons na iniciativa privada, comprando casas e carros. E, de todos ali, só uma me arrumou entrevista na empresa dela (que eu não consegui, principalmente por dita empresa estar num processo de fusão). Quatro conversam ocasionalmente, e o resto só entra em contato pedindo para que eu faça para eles provas de inglês de processos seletivos ou provas da faculdade (para os que ainda não se formaram).
Eu estou fazendo Contabilidade agora, vendo se consigo recomeçar, mas estou extremamente desiludido. Não sei o meu problema, mas o que eu imaginava quando entrei na faculdade não aconteceu. Eu sou um total fracassado no mercado de trabalho, e dificilmente vou conquistar algo além de pular de trabalho em trabalho de escritório, para tirar 2 salários e soltar rojão de alegria por não estar desempregado. Na verdade, eu já imaginava algo nessa linha desde o último semestre, mas, além da esperança mínima, eu carregava que iria ter uma família. Alguém me aceitava, alguém me amava. Hoje, eu vejo que nem isso. Nesse mês e meio pós-término, eu percebi como meu stock está horrorosamente baixo. Ouvi diretamente de uma estranha (no Tinder, vale dizer) como eu sou "feio, com cabelo estranho e roupas deprimentes". A maior parte dos meus amigos disse que eu vou achar alguém, mas só uma amiga me apresentou para alguém (Spoiler: eu quis levar pra amizade pq esta pessoa demonstrou 0 interesse romântico em mim, mas temos muitas afinidades de gostos. Não quero que alguém legal se perca só por não querer abrir as pernas pra mim em qualquer futuro).
Então, qual a conclusão? Para relacionamentos, eu sou a tempestade perfeita: meus gostos não são nada pop, meu estilo de roupa desagrada geral, minha voz é deprimente, eu sou lerdo, distraído, amo entrar em rants gigantes quando me empolgo (vide este texto) e, mesmo que alguma garota um dia resolva passar por isso tudo, o prêmio dela será ter de viver com sexo oral recheado por 30s de penetração, num dia bom. Nenhuma mulher no mundo quer se relacionar com um homem que precise fazê-la ter um orgasmo com masturbação pq não aguenta chegar a 1min de penetração. Ou seja, eu até posso tropeçar em alguma peguete (sim, essa é a palavra, tropeçar. Um incidente do acaso, como foi com a minha ex), mas nenhuma jamais chegará a ser de longo prazo. Dificilmente eu terei uma família. E, sem uma família, não há nada para contrabalancear o fato de que eu sou um fiasco profissional. O "menino gênio" do colégio, o "cara que vai ganhar 7000 daqui 3 anos" da faculdade nada mais era que uma pessoa com um par de neurônios no meio de um grupo de pessoas com bases educacionais mais fracas que a minha e, principalmente, sem interesse algum em estudar. Numa sala focada, eu teria de me esforçar para estar no meio do pelotão. Eu sou mediano intelectualmente e, profissionalmente, sou um lixo que não conseguiu fazer networking na faculdade e, hoje, irá ter de viver de escritório em escritório, sem nenhum breakthrough.
Minha vida parece estar desenhada para ser a definição de um fiasco, de um total e completo desperdício de oxigênio. Mas eu tenho uma missão: cuidar dos meus pais. Ambos dependem demais de mim psicologicamente, ambos me amam mais do que qualquer outra coisa. Sem a minha presença aqui, a vida dos dois colapsaria. Sinto que eu só vim ao mundo para ser o pilar da vida de ambos. Então, eu tenho que ir empurrando a minha vida enquanto ambos estão vivos, tentando ao máximo não embaraçar eles mais. Decidi que vou viver a vida no limite nesse meio tempo: finalmente comecei a fazer academia (minha postura sempre foi torta e, nos últimos 2 meses, eu ganhei peso. Quero eliminar essa pança antes que ela vire um problema), fui ao Maracanã mês passado ver a ida da Copa do Brasil (sou de MG), devo receber uma indenização boa quando sair daqui e estou planejando um mês de curso de inglês na Europa (meu inglês é bom, mas não é perfeito e isso sempre me incomodou horrores, sem falar que conhecer a Europa é O sonho que eu tenho de vida). Será o meu maior highlight, e a única loucura que eu me permiti fazer. Quando voltar, vou fazer o que gosto e, mais importante, vou cuidar dos meus pais, de tudo que eles precisarem de mim.
Não sei o que o futuro reserva pra mim, mas, pensando com lógica, eu devo chegar nos meus 35/40 anos quando ambos meus pais falecerem. Quando isso acontecer, serei um solteiro entrando na meia idade, possivelmente com pouca experiência sexual que não envolva garotas de programa, num emprego pouco satisfatório e sem nenhum amor que tenha sido recíproco e que não acabe na mulher se cansando de um cara patético e percebendo que praticamente qualquer coisa é melhor que eu. Será covardia, alguns sentirão tristeza, mas será temporário, todos irão superar, e haverá um pouco mais de oxigênio no mundo.
A minha mente ainda tenta, em alguns momentos, achar alguns cenários de ilusão, de que algum milagre irá acontecer, mas não irá. Eu sei que não. Profissionalmente eu fracassei. Academicamente eu fracassei. E, amorosamente, eu também fracassei. Vi que não basta achar alguém que aguente a minha personalidade, ela não irá suportar alguém que trata preliminares como Evento Principal, e eu irei morrer com esta condição.
Por mais paradoxal que seja, pensando assim eu estou aprendendo a abraçar o que eu gosto. Eu gosto de ler. Eu gosto de sair para comer e voltar para casa. Eu gosto de esportes. Eu gosto de escrever. Eu gosto de viajar. Não vou mudar o que eu gosto pelos outros, até porque será inútil, resolver um sintoma não cura a doença, e não há remédios o bastante para curar todos os sintomas dessa doença chamada eu. Fico feliz pelos meus pais existirem, pq, se não fosse por eles, eu teria sido um fiasco absoluto em vida. Fico feliz pelo meu último namoro, pq eu nunca me senti mais feliz do que numa tarde de sábado, quando ela disse "te amo" pouco antes de cochilar no meu peito. Eu fui feliz com o amor, e, por causa dela, eu aprendi que todo relacionamento que eu entrar, obrigatoriamente, terá um fim unilateral. Eu vou ser feliz com meus outros desejos, concluir meus hobbies, fazer o que eu gosto, e cuidar de quem me ama incondicionalmente, até o fim deles. Dali, serei eu que terei meu livramento.
Eu precisava contar isso pra alguém, mas não quero que tratem isso como um pedido de ajuda, pq não é. Meu real objetivo de vida sempre foi ter uma família minha, ter um filho em uma casa estruturada e passar meu conhecimento adiante. Eu já sei que, por questões psicológicas e físicas, isso jamais acontecerá. Quando meus pais se forem, eu literalmente não terei mais o que fazer aqui e, se tudo der certo, eu terei realizado ao menos uma parcela boa dos meus outros sonhos. Eu estou tranquilo quanto a isso. Talvez ainda sinta, de novo, a dor de ver alguém me trocando por outra pessoa melhor, mas agora eu sei que isso acontecerá. Doerá menos, eu espero. E, se nem isso eu conseguir, bem...dois salários por mês dá para pagar por sexo.
De novo, desculpem pelo texto gigante.
tl;dr: Todos confiavam em mim, todos achavam que meu futuro seria brilhante. Meu futuro será medíocre, patético e, ao menos, tem uma data para acabar
submitted by botafora01 to desabafos [link] [comments]


Mães Solteiras Não São Status De Relacionamento MÃES SOLTEIRAS, SIM! PAIS SOLTEIROS, NÃO! Assim funciona o ... RELACIONAMENTOS DE PAIS SOLTEIROS  COMO DEIXAR DE SER TROUXA  #GuruNãoFamoso Quer casar com gringo? Top 10 sites de relacionamento nos ... RedeTV News: Número de pais solteiros cresce 28% em 10 anos no Brasil 한국 이혼 divorcio na coreia pais solteiros Gustavo Mioto - SOLTEIRO NÃO TRAI - Vídeo Oficial - YouTube ADOLESCENTES QUERENDO NAMORAR Homens ricos e solteiros procuram namorada - YouTube

homens Pais Solteiros - Encontros Namoro, Encontros Namoros

  1. Mães Solteiras Não São Status De Relacionamento
  2. MÃES SOLTEIRAS, SIM! PAIS SOLTEIROS, NÃO! Assim funciona o ...
  3. RELACIONAMENTOS DE PAIS SOLTEIROS COMO DEIXAR DE SER TROUXA #GuruNãoFamoso
  4. Quer casar com gringo? Top 10 sites de relacionamento nos ...
  5. RedeTV News: Número de pais solteiros cresce 28% em 10 anos no Brasil
  6. 한국 이혼 divorcio na coreia pais solteiros
  7. Gustavo Mioto - SOLTEIRO NÃO TRAI - Vídeo Oficial - YouTube
  8. ADOLESCENTES QUERENDO NAMORAR
  9. Homens ricos e solteiros procuram namorada - YouTube

NAMORO ESPIRITUAL DEMAIS PODE DÁ RUIM (VEJA PORQUE) - Duration: 10:19. ... Conselho para os solteiros - Pr. Claudio Duarte - Duration: 7:07. Wellington Azevedo 3,708,585 views. Opinião Que discuti a a descriminação sofrida pelas mulheres que são Mães e pais de seus filhos,o pai some a mãe assume, elas são Mulheres guerreira, mulheres em dobro,mães. relacionamentos de pais solteiros boteco do nÃo famoso relacionamentos de pais solteiros boteco do nÃo famoso relacionamentos de pais solteiros boteco do nÃo famoso. category Homens ricos e solteiros procuram namorada. Mas você conhece os critérios desta busca? Este é o assunto deste vídeo de Claudya Toledo, matchmaker e especiali... 👉 Ouça em todas as plataformas: https://ONErpm.lnk.to/GustavoMioto SOLTEIRO NÃO TRAI [ Letra ] Compositores: Jujuba, Hiago Nobre, Robson Lima, Kinho Chefão, ... O 'RedeTV News' mostra a história de dois homens que superaram dificuldades e criaram os filhos sozinhos. São os pais solteiros, uma categoria que vem aumentando nas famílias brasileiras ... Governo veta auxílio em dobro para pais solteiros. Alguma novidade? Pra mim, não! Esses são os ditames de uma sociedade feminista e ginocentrista. https://ex... VOANDO até SEUL na CORÉIA do SUL - O QUE FAZER DENTRO DO AVIÃO? Executiva Korean Air - B777 - Duration: 29:38. Estevam Pelo Mundo Recommended for you Neste vídeo eu conto pra vcs a história de como conheci meu marido gringo e dicas de como conseguir o seu! TOP 10 melhores sites de relacionamento nos Estado...