Namoro para gays

Grupo whatsapp namoro gay para pessoas que procuram a alma gêmea ou simplesmente um crush para passar bons momentos juntos. Encontre aqui uma pessoa especial para ter momentos deliciosos a dois. Não quer namorar? Sem problemas, encontre companhias para baladas e muitos mais! Participe do nosso grupo de namoro exclusivo para gays que estão à procura de romance, receba aqui zap de boys para namoro sério. Tudo começa com um crush e depois aquele romance… Quando menos esperamos já é! Então ache agora seu boy magia! Grupos de Namoro Evangélicos. Grupo de namoro evangelico para quem procura um novo amor. Encontre links de grupos de relacionamento evangélico. Grupos de Namoro Gays. Os melhores grupos de namoro gay estão aqui. Encontre o melhor link de grupo gay no whatsapp e seja feliz! Grupos de Namoro Lésbicas O ClickDate é o mais avançado site de namoro online para gays – e é grátis! Com a ajuda da inteligência artificial, você obterá acesso a combinações verdadeiras. É hora de esquecer os perfis falsos e os golpes, porque nós nos livramos de todos eles. É notável que o grupo é de namoro gays, então se entrar respeite para continuar no grupo.Maiores de 18 anos, sintam-se a vontade em nosso grupo de namoro para comunidade LGBT!Procure o administrador quando entrar no grupo para ser bem recebido. Bate-papo aqui: Gay, Estados Unidos da América. Mais de 485 milhões de pessoas estão aqui: Gay. Faça novos amigos aqui: Gay no Badoo hoje! Namoro para Gays. Se você for gay solteiro à procura de uma conexão verdadeira, saiba que o novo app do ClickDate é mais rápido, mais fácil e muito mais eficaz do que outros apps de namoro gay online grátis. Chega de questionários com centenas de perguntas, chega de matches falsos, chega de só ficar deslizando para o lado sem sentido ... Uma alternativa para quem quer alguém para relacionamento homo é utilizar a internet, ou seja, conseguir alguém para namoro virtual. Relacionamento entre homens por chat. Não é novidade nenhuma a procura de um namorado através de chats. Para conhecer os mais famosos, leia o artigo: “Chat de namoro: namorar à distância“. Bate-papo aqui: Gays, Estados Unidos da América. Mais de 485 milhões de pessoas estão aqui: Gays. Faça novos amigos aqui: Gays no Badoo hoje! Estou escrevendo este artigo para ajudá-lo a evitar os erros que cometi quando comecei a namorar pessoas do mesmo sexo. Dicas de namoro gay para iniciantes. Antes de entrar em minhas dicas, só quero dizer que é claro que a experiência de cada um será diferente. Essas dicas são apenas conselhos amorosos de meu coração para o seu.

GT DA BROTHERAGEM

2020.09.14 13:44 JustCallMeLyraM8 GT DA BROTHERAGEM

GT DA BROTHERAGEM
/cc/
>eu tenho um amigo bem próximo
>amigo não
>ele é tipo um irmão
>amo aquele filho da puta
>vamos chamar ele de Maicão
>nos conhecemos no jardim da infância
>dividíamos o todynho e o biscoito passatempo no recreio
>bolachaéocaraio.mp3
>estudamos na mesma turma até a quinta série quando os pais dele se mudaram pra longe da escola
>ele continuava morando na mesma cidade, mas tava numa escola diferente
>ainda assim nos víamos todos os fins de semana
>nossas famílias se tornaram amigas também
>tudo era um mar de rosas até o final de 2004
>ano 2005
>entra uma aluna nova na minha turma
>o nome dela era Thais
>lembro como se fosse ontem do momento em que ela entrou na sala
>tudo parecia ter ficado em câmera lenta
>o sol batia nela
>o ventilador soprou seus cabelos
>ela marchava como uma égua manga larga do trote formoso
>paudureci naquele exato momento
>o foda é que eu tava em pé naquela hora e a primeira aula era de educação física
>short.gif
>todo mundo da sala começa a rir de mim e a gritar
>me chamaram de pau retrátil porque foi só a menina aparecer que ele subiu
>morri de vergonha naquela hora
>sentei na cadeira e pus a mochila no meu colo
>eu só queria sumir
>até a professora riu
>mas a Thais não
>ela sentou atrás de mim e disse pra eu não ligar pra eles e que eu ficava lindo com vergonha
>caraio vei não pude acreditar
>eu era tão tímido que pedi pra ir no banheiro na mesma hora e fiquei trancado lá até a hora do recreio
>quando o recreio chegou eu pus o dedo na goela na frente da sala dos professores
>acho que vomitei até meu intestino naquela hora
>comecei a dizer que tava passando mal
>os professores me liberaram da escola e fui pra casa mais cedo
>chego em casa e passo a tarde toda tendo fantasias masturbatórias com a Thais
>eu era tão beta quanto aqueles peixes de briga
>quando a noite chega eu corro pra casa do Maicão
>conto tudo pra ele feliz da vida
>Maicão fica feliz por mim
>brodagem.rar
>segue o jogo
>durante o resto do ano eu iria me aproximar cada vez mais da Thais e me afastar cada vez do Maicão
>ele dizia que ela tava me afastando dele mas eu discordava
>dizia que era coisa da cabeça dele
>o tempo passa
>a Thais é promovida à pitanguinha e a distância entre mim e meu brother ia aumentando cada vez mais
>um dia briguei feio com o Maicão quando ele disse que ela tava cmg só por conta do meu dinheiro
>eu não era rico, mas da escola eu era o mais bem de vida
>meu pai era o único que não tava preso e não trabalhava com drogas
>minha mãe não trabalhava na zona
>zoas ela trabalhava sim
>ela agenciava a tua mãe, aquela puta boqueteira
>zoas de novo, minha mãe era artista plástica
>um dia eu acabo falando pra Thais que o Maicão tava se sentindo escanteado
>ela começa a me dizer que era inveja do nosso relacionamento e que ele só queria nos separar
>acabo dando ouvidos a ela e brigando feio com ele
>putaquepariuqueburrice
>nunca devia ter dado ouvidos à ela
>foco no gt
>paro de falar com o Maicão e cada vez mais me entrego pra a Thais
>toda semana era cinema
>lanche na Mc Donald’s
>roupa na Marisa
>minha mesada começou a ser exclusivamente dela
>um belo dia recebo uma mensagem do Maicão dizendo que a Thais tava me traindo
>respondi mandando ele tomar no cu
>ja faziam uns 5 meses que eu não falava com ele e do nothing ele vinha com um papo desses
>ele disse que eu devia ficar atento aos sinais
>não dou a foda pro que ele diz e continuo o namoro
>na semana seguinte vejo ela com uma marca roxa no pescoço
>ela diz que tinha caído da escada
>eu disse que acreditei mas fiquei desconfiado
>nada me tirava da cabeça oq o Maicão tinha me dito
>procuro ele e conto oq aconteceu
>diferente de mim ele não era um filho da puta
>Maicão me ove e depois me conta tudo que sabia
>a Thais tinha vindo da escola em que ele estudava
>ela era conhecida como viúva negra na escola
>ela se prendia à um macho e sugava tudo dele até ele não ter mais nada
>sim, ela tmb sugava o pau
>não, ela não tinha sugado o meu ainda
>Maicão continua a história dizendo que tinha visto ela saindo da casa de um carinha que morava no mesmo bairro dele
>até aí não vi nada demais
>mas ele me disse que ela tinha dado um beijo na boca do cara na saída e quando virou de costas o cara deu um tapa na bunda dela
>ÉOQ?!
>aquela vadia não tinha nem sequer me deixado pegar na bunda dela ainda
>dizia que era só depois do casamento
>eu era beta betoso full +15
>ela me levava pra igreja todo domingo
>acreditava nela sem questionar
>caio no choro e o Maicão me consolou
>disse que eu não tava sendo um bom amigo mas que ele nunca deixou de me ter como irmão
>bolamos desmascarar ela juntos
>ela ia pra casa dele toda sexta de noite
>realizo que era a hora que a mãe dela saía de casa pra ir pro culto de oração da igreja
>caraio_como_sou_burro.jpeg
>chifre.rar
>no dia seguinte falo com a Thais como se nada tivesse acontecido
>ela diz que me ama
>digo que amo ela tmb
>caraio, eu queria matar ela ali naquela hora
>mas amava aquela desgraçada
>feelsbad.png
>sexta feira
>19h
>tava com o Maicão escondido na rua da casa dela
>avistamos a mãe dela saindo de casa
>corremos pra mãe e contamos a história
>mãe não acredita, mas topa ir com agnt até a casa do talarico
>19:30h
>Thais sai de casa com um short enfiado no cu
>pqp pra quê enfiar tanto ssaporra?
>tava tão fundo que ela devia ta sentindo do gosto dele
>seguimos ela de longe
>a vadia entra na casa do moleque
>nessa hora a mãe dela já queria matar ela, mas eu fiz ela esperar
>entrei dando um chutão na porta da frente
>queria pegar ela com a boca na botija
>e consegui
>infelizmente a botija em questão era a rola do cara
>ela tava engolindo o pau daquele moleque com uma facilidade absurda
>nem sua mãe consegue engolir minha piroca tão fácil
>foco no gt
>Thais leva um susto tão grande na hora que morde o pau do cara
>num ato reflexo por conta da dor o cara da um murro na cara de Thais
>ela cai no chão
>a mãe dela comeca a bater nela com uma havaianas e depois começa a arrastar ela pelos cabelos pra fora de casa
>a Thais é arrastada pela rua até chegar em casa
>racho o bico com a cena como mil hienas comemorando a morte do Mufasa
>peço perdão pro Maicão pela cagada que fiz
>Maicão diz que fui um idiota, mas que era o irmão dele e que nada iria nos separar
>dois dias depois Thais chega na escola toda roxa
>tinha apanhado tanto que o conselho tutelar tirou a guarda dela da mãe
>ela chega perto e diz que quer falar CMG
>ignoro
>ela me puxa pelo braço, olha no meu olho e diz:
>como vc descobriu?
>digo que o Maicão me contou tudo
>ela diz que vai pra um orfanato hoje. Só foi na escola buscar sua transferência.
>Kkkkkjkkjjjk
>ela diz que eu posso rir agora, mas quem ri por último ri melhor. Disse também que nunca iria esquecer aquilo e que o Maicão iria pagar por ser x9
>puxo meu braço, dou as costas e vou embora
>ano 2016
>terminei a escola e faço faculdade
>Maicão faz o mesmo curso que eu e estudamos na mesma turma novamente
>full brothers +15
>desde o episódio com a Thais nunca mais tínhamos brigado
>trabalhávamos, tínhamos nossa independência
>tudo ia bem até recebermos o convite para uma festa que rolaria naquela noite
>eu e o Maicão dividiamos o apartamento agora
>o convite veio por baixo da porta dentro de um envelope
>open_bar.jpeg
>o envelope vinha com 2 pulseiras
>as pulseiras davam acesso à área vip da festa onde rolaria os alcoolismo
>ficamos relutante por um momento até abrirmos a carta
>a carta tava endereçada à mim e ao Maicão
>era uma letra de mulher
>não tinha muita informação só dizia que não deviamos perder a festa por nada e que lá tudo seria explicado
>não tinhamos nada à fazer então topamos
>22h
>party.time.jpeg
>logo de cara fomos recebidos por duas loiras peitudas que estavam de camisa branca
>ambas estavam dançando na entrada da festa enquanto se molhavam com uma mangueira
>séélococuzão.rar
>a festa tinha uma proporção de 4 depósitos para cada homem
>a cada dois homens, um era gay
>era tipo o plenário da câmara dos deputados só que ao contrário
>quando entramos no salão principal todo mundo virou pra a gente
>tipo aquela cena do universidade monstro
>as depósitos cochichavam entre elas
>pensamos que tinha algo errado conosco mas a vdd é que éramos os caras mais lindos dali
>na vdd nem éramos isso tudo, mas tínhamos rola e éramos heterossexuais
>feelsalpha.png
>fomos andando até a área vip
>a decoração da festa era cheia de fotos de uma depósito
>era uma ruiva 10/10
>a festa devia ser dela
>tive a impressão que ja tinha visto ela em algum lugar
>áreavip.gif
>a área vip era lotada de bebidas
>não tinha uma depósito abaixo de 8/10
>no buffet tinha camarão e lagosta
>mano do céu era a festa mais foda que eu ja tinha ido
>quando olho pro lado ta o Maicão atracado com uma mina
>dois minutos depois a mina larga ele e agarra outra mina
>ÉOQ?!
>aquilo tava parecendo um bacanal grego
>uma coisa no entanto me incomodava
>quem teria nos convidado?
>avisto a anfitriã da festa, aquela ruiva 10/10
>ela se aproxima de mim lentamente
>mano do céu, paudureci na hora
>só conseguia imaginar eu enfiando o pau tão fundo nela que quando eu terminasse ia ta na camada do pré-sal
>a calça aperta e ela percebe que estou preparado para o abate
>fico sem graça e tento disfarçar
>ela vem por trás de mim, ri e diz que eu fico lindo com vergonha
>gelei na hora
>caraio, era a Thais - pensei
>pergunto se ela era a Thais
>ela ri e me chama de idiota.
>diz que seu nome é Raquel
>caraio, ela nao tinha nada a ver com a Thais
>errei feio, errei rude
>pensei que tivesse estragado minha chance
>raciocinando com a destreza de um crackudo na fissura e digo:
>é porque thaislinda com essa roupa
>ela ri, eu rio, segue o jogo
>nessas horas eu nem sabia mais que existia um Maicão
>só pensava em mergulhar naquelas tetas magníficas
>na boa, se ela fosse minha mãe eu mamaria até hj
>quando olho pro lado o Maicão tava agarrado com duas ao mesmo tempo
>bodyshot.gif
>caraio o Maicão tava levando uma surra de peito na cara enquanto bebia e eu no 0x0
>me aproximo da ruiva já na maldade
>ela chega do meu lado
>põe a mão no meu ombro e fala na minha orelha direita:
>quem é esse teu amigo?
>poooooooooooorra.mp3
>o moleque ja tinha catado duas e agora ia catar a ruiva
>tive vontade de mandar ela se fuder, mas ele era meu brother, não podia prejudicar ele
>nenhuma depósito ficaria entre nós
>não deu nem 10 minutos do momento que disse o nome dele pra ela e ela ja tava agarrada nele
>a ruiva chupava a língua dele como se fosse o último picolé do verão
>avisto uma depósito 9/10 dançando sozinha
>penso em me aproximar, mas antes que eu chegue a ruiva puxa ela e põe na roda com o Maicão
>ja não entendia mais nada
>eu sempre pegava as depósitos +/10 do que ele e agora ele tava numa orgia de bocas e eu sem nada
>começo a beber
>realizo que ta na hora de baixar as expectativas
>avisto uma ananzinha 5/5 escorada no balcão
>me aproximo dela e pergunto se o pai dela era padeiro
>ela pergunta se era pq ela era um sonho
>eu digo que era pq eu queria comer a rosca dela
>sério que anã rabuda do carai
>a anã me dá um tapão e sai de perto
>vsf que festa merda do carai
>comecei a beber descontroladamente pra compensar a frustração
>dou em cima da garçonete
>a garçonete era uma trans
>ela me esnoba e vai embora
>vômito.rar
>caraio nem a mulher com rola me quis
>decido que hoje não é meu dia e que ta na hora de voltar pra casa
>procuro o Maicão pra ir embora cmg
>vejo ele entrando no carro com duas 1,5 depósitos
>pensei que ele tivesse indo pra um motel ou algo do tipo
>ele tava de mãos dadas com a ruiva e com a anã 5/5
>a ruiva olha pra mim, da uma risada e depois um xauzinho
>caraio que raiva daquela ruiva
>me esnobou e agora vai dar pro meu brother
>faço sinal pro Maicão que vou embora
>ele grita “Oklahoma”
>era nosso sinal secreto
>significava que ele ia realizar o ato de socação intra uterina e que eu não deveria incomoda-lo
>entendo o recado, dou meia volta e volto pra casa
>chegando em casa
>tudo girava por conta do álcool
>brinco um pouco com o o Visconde de Sabugosa até ele cuspir
>durmo
>no dia seguinte acordo com dor de cabeça, deitado no sofá
>percebo que tinham 537272717 chamadas não atendidas no meu celular
>todas do Maicão
>imagino todas as desgraças do mundo
>comeco a ligar de volta mas ele nao atende
>recebo uma ligação de um número desconhecido no meu celular
>é uma mulher
>ela ria descontroladamente
>disse que estava na festa o tempo todo me observando
>pergunta se a noite foi boa e se eu peguei alguém
>mando ela tomar no cu e digo que peguei a mãe dela
>ela racha o bico e diz que é impossível pq a mãe dela foi a primeira a pagar oq devia
>gelei na hora
>reconheci a voz
>era a Thais
>ela começa a contar seu plano do mal
>diz que foi parar num orfanato depois daquele episódio
>que apanhou muito da família onde foi parar mas a família era podre de rica
>a família produzia festas tipo o tomorrowland
>viajaram pra fora do país e levaram ela junto
>disse que por muito tempo quis se vingar mas a família não dava a foda
>dois meses atrás a família tinha morrido num acidente de carro e ela ficou como única herdeira
>ela pôs como meta de vida concluir a vingança que passou anos arquitetando
>disse que a festa foi planejada por ela
>que todas as depósitos da área vip foram contratadas por ela baseadas no meu tipo de mulher
>pergunta como me senti não pegando ngm e vendo o meu “amiguinho” catando todas
>respondo que a vingança dela era uma merda e que tava feliz pelo meu brother
>ela racha o bico e diz que a vingança dela não era me deixar sem pegar ngm
>ela queria se vingar dele por ele ter dedurado ela
>pergunto qual vingança há em encher a rola dele de depósito
>você verá - ela me disse
>desligo o espertofone e percebo que chegou uma mensagem do Maicão no oqueapp
>faz uma semana que o Maicão toma mais coquetel que o Amaury Jr.
pica relatada da mensagem
https://preview.redd.it/9o5g9y8ep3n51.jpg?width=1080&format=pjpg&auto=webp&s=3dbefd7c59d10e7b40b9168ddac79176762f8591
submitted by JustCallMeLyraM8 to gtsdezbarradez [link] [comments]


2020.09.02 19:15 NoCranberry3680 expondo um garoto toxico

Olá Luba, editores, gatas, papelões sobreviventes e turma que está a ver
Titulo: expondo um garoto toxico
A história começa com um menino mto chato mas pode chamar de carls se quiser p ficar mais rápido .
Há pouco tempo eu descobri alguns barracos dele .
Entre eles:
- assediar meu amigo de forma indireta
-perguntar p amgs minhas se já as masturbaram 2 min dps de se conhecerem
-Xingou a mãe de um amg de puta na plataforma da escola
-chamar todo kpoper de gay o q n tem problema (o verdadeiro problema é usar gay como ofensa )
- ele começou um namoro que ele tava chamando de amizade colorida que não tinha nem 10 dias e mal conheci a menina
- deu em cima da minha namorada
- perguntou se Tiraria virgindade da minha namorada eu respondi que ela Tiraria com quem ela quisesse
-entre outras coisas
Aí ele queria muito o contato da minha namorada,e eu passei na condição dele passar o cntt da namorada dele p eu ter algo p usar a meu favor .
Por aí tudo bem papo vai papo vem, até que eu lembro que tenho um monte de print conversa dele que já tava me xingando e xingando minhas amigas, então a namorada dele começou a puxar papo comigo e começamos a falar do carls aí eu comecei a falar das coisas que ele fazia e acabei mandando todos os prints que eu tinha, a minha intenção de início não era acabar com o namoro dos dois e também nunca foi, mas é o que aconteceu os dois terminaram e ela ficou super puta com ele. Depois que os dois terminaram o namoro que durou apenas 10 dias ele ficou super sentido e falando que a culpa foi de uma pessoa super babaca (no caso eu).
Ainda teve um caso de que disseram que ele assediou a minha namorada coisa que eu também não duvido nada mas acabou que tudo se entendeu ele não tinha assediado ela o que me deu um alívio Mas isso é outra parte da história.
Tem alguns prints que falam de todas as coisas que ele já fez as maioria dos assédios dele de maioria das bobeiras dele de maioria das coisas horríveis que ele já fez
Bom é isso muito obrigado senhor luba se eu fui escolhido minha maior vontade de fuder com ele Que bom apesar de ter gerado um desgaste enorme deu conteúdo para o Luba deu muito trabalho criamos até um grupo p isso
Obs-
Para não deixar tudo mais confusos do que já é vou especificar quantas pessoas participaram dessa história obviamente sem citar nomes
-Minha amiga
-amiga da minha amiga
-outra amiga da minha amiga
-meu melhor amigo
-minha namorada
-Namorada do garoto tóxico
- garoto tóxico

ele disse tbm q estava ficando com um cara de 21 anos da baiha
ele disse tbm que queria "comer " meu meulhor amigo e disse que ele é o "docinho dele "
submitted by NoCranberry3680 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.09.02 18:52 NoCranberry3680 o dia em q eu acabei com o namoro de um garoto toxico

o dia em q eu acabei com o namoro de um garoto toxico
Olá Luba, editores, gatas, papelões sobreviventes e turma que está a ver
Titulo: o dia em que eu acabei com o namoro de um garoto tóxico
A história começa com um menino mto chato mas pode chamar de carls se quiser p ficar mais rápido .
Há pouco tempo eu descobri alguns barracos dele .
Entre eles:
- assediar meu amigo de forma indireta
-perguntar p amgs minhas se já as masturbaram 2 min dps de se conhecerem
-Xingou a mãe de um amg de puta na plataforma da escola
-chamar todo kpoper de gay o q n tem problema (o verdadeiro problema é usar gay como ofensa )
- ele começou um namoro que ele tava chamando de amizade colorida que não tinha nem 10 dias e mal conheci a menina
- deu em cima da minha namorada
- perguntou se Tiraria virgindade da minha namorada eu respondi que ela Tiraria com quem ela quisesse
-entre outras coisas
Aí ele queria muito o contato da minha namorada,e eu passei na condição dele passar o cntt da namorada dele p eu ter algo p usar a meu favor .
Por aí tudo bem papo vai papo vem, até que eu lembro que tenho um monte de print conversa dele que já tava me xingando e xingando minhas amigas, então a namorada dele começou a puxar papo comigo e começamos a falar do carls aí eu comecei a falar das coisas que ele fazia e acabei mandando todos os prints que eu tinha, a minha intenção de início não era acabar com o namoro dos dois e também nunca foi, mas é o que aconteceu os dois terminaram e ela ficou super puta com ele. Depois que os dois terminaram o namoro que durou apenas 10 dias ele ficou super sentido e falando que a culpa foi de uma pessoa super babaca (no caso eu).
Ainda teve um caso de que disseram que ele assediou a minha namorada coisa que eu também não duvido nada mas acabou que tudo se entendeu ele não tinha assediado ela o que me deu um alívio Mas isso é outra parte da história.
Tem alguns prints que falam de todas as coisas que ele já fez as maioria dos assédios dele de maioria das bobeiras dele de maioria das coisas horríveis que ele já fez
Bom é isso muito obrigado senhor luba se eu fui escolhido minha maior vontade de fuder com ele Que bom apesar de ter gerado um desgaste enorme deu conteúdo para o Luba deu muito trabalho criamos até um grupo p isso
Obs-
Para não deixar todos os prints que eu vou mandar mais confusos do que eles já são vou especificar quantas pessoas participaram dessa história obviamente sem citar nomes
-Minha amiga
-amiga da minha amiga
-outra amiga da minha amiga
-meu melhor amigo
-minha namorada
-Namorada do garoto tóxico
- garoto tóxico
Lembrando que todos os prints de conversas o que está em cinza ou em preto é o garoto tóxico espero que você goste e fica por isso mesmo
ele disse tbm q estava ficando com um cara de 21 anos da baiha

https://preview.redd.it/pbm3lqkwkrk51.png?width=648&format=png&auto=webp&s=7d0831ccc6b014ab576c38a8285c3aed4952b6b1
https://preview.redd.it/pp0uq9izkrk51.png?width=720&format=png&auto=webp&s=3f3f231cdf5239d4dd3e8d976eaff72470d666f8
https://preview.redd.it/uiwh26k0lrk51.png?width=720&format=png&auto=webp&s=22b72812336fc307e12b9f65d2132377c77d98ec
esses são um dos prints mais pesados espero que gostem
submitted by NoCranberry3680 to u/NoCranberry3680 [link] [comments]


2020.08.29 00:32 anon_jvitor Amizade com homem é um saco e com mulher é inviável

Tô aqui quase chegando nos meus 30 anos e começo a perceber algumas coisas sobre amizades. Sempre fui um homem que só tinha amigas. Amizades entre pessoas de sexo oposto heterossexuais sempre têm alguma coisa de sexual. Já recebi elogios de amigas, já elogiei, já tive amigas que me deram indiretas, enfim. Mas apesar disso considero que são amizades verdadeiras. O problema é que com um namoro de longo tempo, parece que a amizade com mulheres se torna um problema. Tenho tido muitas discussões com a minha namorada por questões de ciúmes. Aos poucos, sem querer, estou me afastando das minhas amigas. Algumas amigas minhas também entram em relacionamentos e acabam ficando mais distantes comigo, acho que por medo de gerar ciúmes no parceiro. Fazer amizade com homens é um saco. Não dá para falar de sentimentos com um amigo do mesmo sexo, que eles fazem piada. Os caras vem falar de futebol e de um monte de coisas que não me interessam. Simplesmente não dá para manter um assunto. Fora a merda que é ter que ficar o tempo todo reforçando a minha heterossexualidade. Outro dia eu estava com o meu orientador em uma viagem, um cara quase 20 anos anos velho que eu, casado, com filhos. Aí ficamos em um quarto que só tinha uma cama de casal. Eu perguntei inocentemente se nós íamos dormir naquela cama, e ele respondeu: "não!!! dois homens na mesma cama??? Tá doido???". Eu fiquei sem entender a situação. Como assim ele tem medo de virar gay só por dividir a cama comigo? Ele é casado com uma mulher, eu tenho namorada, e ele tem medo de virar gay por dormir na mesma cama??? Me poupe! Enfim, não consigo fazer amizade com homens por causa dessas coisas, acho que o jeito é entender que eu não posso mais ser como o jovem solteiro que vivia cercado de amigas, e que eu também não posso ser amigo dos homens, e que a vida é, de fato, solitária para um homem hétero que a vida toda manteve amizade somente com mulheres.
submitted by anon_jvitor to desabafos [link] [comments]


2020.08.23 06:19 Furao_do_mato Sinto que deveria assumir minha sexualidade (e minha possível romanticidade), mas não quero (H, <18)

Desde o primeiro semestre, eu venho me identificando muito com os espectros assexual e arromântico e eu estava orgulhoso no "armário", já que, apesar de querer me casar e ter filhos um dia, nunca me senti um "perdedor" por ter passado o ensino fundamental e médio "BV", inclusive achava até desconcertante e sem sentido isso de quase tudo na vida de um homem se resumir a sexo e beijo na boca, tanto para heterossexuais, quanto para não-héteros.
Só que, quanto mais eu entendia sobre a causa aro/ace aqui na internet, mais eu via o tipo de opressão que meu grupo sofre (não vou descrever, mas parece o tratamento dado a homossexuais no século XIX) e descobri que o pior de todos é apagamento de identidade. Depois de ter visto um vídeo execrável cheio de desinformação e ofensas sem sentido, comecei a pensar o quanto as pessoas podem fazer associações e simplesmente não querer entender o que sinto.
Então, aí é que entra a parte de me assumir. Não quero ter que "sair do armário", porque, não vejo necessidade de me expor a um risco desnecessário com possibilidade de julgamento e represália de uma família que já disse "Casamento é ruim, mas namorar tudo bem que é impossível um homem viver sem mulher" e "Quem não gosta de mulher deve gostar é de homem" (como se fosse algo ruim ser gay, além de anular não-binaridade e a possibilidade de não sentir atração sexual e romântica alguma ou só em casos muito específicos) apenas para mostrar que eu existo e não sou como o mundo afirma ser.
Ainda queria desabafar essas coisas com pessoas próximas, porém não seria útil que fosse com parentes próximos e não sei se há alguma necessidade de falar essas coisas para meus quatro contatos de Whatsapp.
Queria a opinião de vocês de até que ponto é relevante eu me assumir e se realmente vale a pena romper os preconceitos da minha família que tem uma "bela" inclinação para a acefobia (preconceito contra o espectro assexual) e para a amatonormatividade (acreditar que namoros são mais importantes que relacionamentos de afeto não-românticos, como o platônico, apesar de que o termo também pode se referir a como um casal deve ser e quais tipos são válidos); além de que existem casos de pessoas que desenvolvem sexualidade e romanticidade tardiamente e desfazer uma declaração minha só geraria muito mais opressão no meio familiar.
submitted by Furao_do_mato to desabafos [link] [comments]


2020.08.20 18:22 stlukest Meu amigo hétero

Homem, 27, gay. Relato de 2016.
Chamei uns amigos próximos pra uma noite de sexta aqui em casa. Jantar, bebida, maconha, cigarro, aquela coisa. Lá pelas tantas da madrugada, a galera começou a ir embora e ficou só um grande amigo meu, hétero, que estava solteiro na época.
Ficamos ainda mais um tempo conversando até que ele perguntou se poderia dormir aqui em casa. Disse que estava meio "lesado" da maconha e não queria pegar Uber naquela hora. Falei que não teria problema, até porque ele já tinha dormido aqui umas duas vezes antes.
Um tempo depois, fui pro meu quarto e ele foi pro outro quarto. Percebi que ele tinha ligado o chuveiro. Deitei e dormi. Uns minutos depois, acordei com uma mensagem dele perguntando se eu estava acordado ainda. Respondi que sim e ele disse "chega ae".
Na minha cabeça, certamente o gurizão tinha feito alguma merda no banheiro...
Entrei no quarto, todo escuro. Só conseguia ver um pedaço do rosto dele pelo brilho do celular. Sentei na cama e perguntei o que ele queria.
Ele perguntou se eu tinha ouvido o que uma das gurias tinha dito no jantar e puxou uns papos meio aleatórios sobre as outras pessoas... até que ele pegou a minha mão, puxou até o pau dele e começou a mexer.
PORRA. Me chamem de ingênuo, mas não estava esperando aquilo. Congelei por uns segundos, daí me subiu aquele calor e pensei... que se foda. Vamos a isso.
Até aquela época eu só tinha tido um namorado e ele não curtia receber sexo oral, então eu nem sabia como fazer direito.
Fui pra baixo da coberta e comecei. Dei aquela enganada no pau durante um tempo, daí fui descendo com a língua até as bolas e finalmente a bunda. Ele tomou um susto no começo, mas deixou. Acho que ele nunca tinha feito nada parecido porque ele dava uns gemidos abafados e forçava minha cabeça na bunda dele (e quem curte bunda sabe como isso nos deixa loucos).
Fiquei maluco pra penetrá-lo, mas ele não deixou e me puxou de volta pra baixo. Continuamos ali até terminarmos, daí nos levantamos e cada um foi para um banheiro se lavar. O outro dia foi como se nada tivesse acontecido.
Até hoje não sei dizer se foi carência/tesão do momento, maconha/bebida, curiosidade... só sei que, pra mim, foi bom pra caralho.
Foi a única vez que transei com um amigo de longa data porque não curto muito misturar amizade com sexo. Hoje eu namoro, ele namora (uma guria) e continua sendo como um irmão pra mim. Nunca mais rolou nada e nunca nem falamos sobre isso. Aliás, essa é a primeira vez que conto essa história.
Alguém já passou por uma situação parecida na vida?
submitted by stlukest to sexualidade [link] [comments]


2020.08.19 00:08 ItzHaruka Preconceitos estão me derrubando em um poço sem fim.

3x tentando postar... acho que agora foi..
Oi, pessoa que está lendo esse texto agora. Eu gostaria de desabafar sobre algo.. e se voce chegar até o final, adoraria um conselho, pode ser..?
Bem.. tenho 19 anos, sou um garoto transsexual (menina que se vê como menino) e nasci em uma família de Transfobicos religiosos. Desde o começo eu sofri preconceito, independente do que fosse. Eu comecei a namorar aos 12 anos mas desde os 10 eu ja ouvia a minha própria família sendo completamente homofobica comigo, sem eu nem mesmo saber se gostava de garotos ou garotas.. me julgavam, me chamavam de coisas horríveis e diziam que era apenas brincadeira..
Tudo só piorou quando descobri que era trans e gay.. comecei meu novo namoro aos 15 anos.. ele.. por incrível que pareça, estava passando pela mesma situação que eu.. eramos duas meninas que se enxergam como garotos e sofriamos com a homofobia de nossas famílias. Uma vez, na praia, eu resolvi contar pra alguém.. e isso terminou em um adulto de 29 anos (detalhe.. eu tinha 16) tentando me beijar.. eu tentei o parar e fiquei com medo.. me encolhi no canto do carro e não movi um músculo até ele me levar para casa.
Quando cortei meu cabelo.. como as pessoas dizem "joaozinho" recebi tantos insultos... e as pessoas começaram a falar cada vez mais de mim pelas costas... me xingavam... eu.. cheguei a descobrir que meu pai nem mesmo queria que eu tivesse nascido ao ponto de ter pedido um teste de DNA para confirmar se eu era seu filho... as palavras que ele usou me quebraram de tantas formas... "ela é o lado ruim da família, não é possível que seja minha filha" (mesmo eu me assumindo como transsexual.. continuaram a me chamar na forma feminina.. e olha... isso doia...)
Eu... comecei a ser tratado que nem escravo na casa de meus pais... limpando a casa toda sozinho... pra depois as pessoas julgarem dizendo que eu "não limpei direito"..
Eu sinceramente... não consigo mais aguentar... estou a beira do meu limite de cair nesse buraco obscuro que estão me puxando... não sou religioso o que é mais um ponto negativo pra eles.... eu sou um nada..
Não tenho importância alguma... "se acontecer só enterra", eu ouvi me dizerem isso tantas vezes... quando eu tive minhas tentativas de sumir desse mundo.... eu sou tão calado.. que mal tenho coragem de dizer algo... porque sei que irei acabar mal... eu pretendo sair dessa casa... mas até eu conseguir me ajustar... eu realmente não tenho lugar pra ir....
Essa pandemia está acabando comigo.... ter que ficar o dia todo ouvindo essas coisas... me trancar no meu quarto.... eu estou aqui desabafando porque eu sinceramente não aguento mais guardar isso só pra mim.. nao da.. sabe...? Uma hora você chega no seu limite......
Se voce leu até aqui.... eu agradeço..... sinto-me importante por um momento...
submitted by ItzHaruka to desabafos [link] [comments]


2020.08.18 09:49 Old-Philosopher-kun Acabei de descobrir que fui traído e isso me destruiu

Bom, no fim do ano passado eu comecei um namoro com um rapaz que vou chamar de Jonas. Eu e Jonas nos conhecemos pela internet no Tinder da vida e era tudo mil maravilhas, não tinha o que reclamar do relacionamento, era tudo absolutamente perfeito, nós sempre íamos para shoppings ver filmes e caminhar na praça. A gente sempre gostou de conversar sobre tudo até que num dia surgiu o tema banheirao do nada (pra quem não sabe o que é isso, é uma prática que alguns gays fazem que consiste em ir em banheiros públicos se encontrar casualmente com homens desconhecidos para fazer coisas não apropriadas se é que me entende) e ele disse que sentia nojo de tal prática e que jamais faria uma coisa dessas, eu compartilho do mesmo sentimento então concordamos 100%. 3 meses de namoro depois não foi dando muito certo, a gente não sentia mais o mesmo e decidiu encerrar o relacionamento pois havia resfriado, mas tudo no maior respeito e maturidade, foi uma conversa bem tranquila. Hoje mais cedo lá pelas 11h da noite eu estava navegando pelo Twitter e vendo perfis de alguns gays aqui da cidade, até que chegou nos perfis NSFW, tudo bem né, tava olhando pq ninguém é de ferro né e de repente me deparo com um da qual a foto não me era estranha, então abri... pior decisão da minha vida, ao ver os nudes eu logo reconheci, mas não queria acreditar então continuei rolando em busca de algo que provasse o contrário, afinal pode ser alguém parecido mas então vi os nudes que ele mandava pra mim enquanto namoravamos que eu jurava que era pra mim, e além disso tinha VÍDEOS dele fazendo coisas no banheiro e a data coincidia com o período em que namoramos.... isso me destruiu completamente, até porque eu confiei nele, fiquei desde aquela hora na cama sem conseguir dormir, sentido um aperto enorme no meu peito, chorando e tremendo, eu estava tremendo muito mesmo que não estivesse frio, os tremiliques já passaram e já consegui forças para me reerguer.... estou fazendo esse desabafo porque não estou sabendo como suportar isso... todo mundo que conheço está dormindo já que são 3:50 da manhã... tô vendo que vou estar um completo lixo na faculdade amanhã.
submitted by Old-Philosopher-kun to desabafos [link] [comments]


2020.08.16 20:06 arguinho A mãe do talarico descobriu tudo

Olá luvixco e pessoas q leem essa história.
Bom eu tinha meu EX melhor amigo q eu não irei expor mais irei chamar de Geraldo, continuando era aniversário dele e eu gostava da minha amiga muito querida q eu gostava desde quando eu comecei a me enturmar na turma da escola, em fim, esse meu amigo começou a namorar essa guria, eu fiquei bravo com isso por ele saber q eu gosto dela , mas continuei minha vida, eles ficaram doix meses namorando, ai no dia do aniversário do Geraldo, minha amiga pegou o meu celular, e ficou vendo as músicas, ai no momento em que a musica da festa parou para trocar de musica, e disse assim "essa musica vai pro meu namorado aniversariante", mas quando ela falou o som estava trocando de musica e demora um pouco para trocar, mas quando ela falou isso e mãe do Geraldo escutou tudo, na hora, a mãe dele pensou q EU ERA O NAMORADO ( do Geraldo), depois disso, eu não falei nada e ela percebeu q foi a minha amiga q falou isso, ai eles começaram a discutir né, depois a festa continuou normal, no dia seguinte na escola, ele (o Geraldo) começou a mostrar sinais de q não estava mais interessado no relacionamento, uma semana depois eles terminaram mais quase fiquei conhecido com o gayzinho da escola, mas eu to bolando um mega pedido de namoro pra minha amiga q inclusive ela me pediu em namoro.
Mas foi isso lubixco, espero q vc goste, manda salve pra Belém do Pará, é isso, xau bjs <3
(PS: o Geraldo se assumiu gay pra mim e disse q qria me naromar mais era pra pegar meu irmão mais velho.)
(PS 2: tô quase pegando a guria)
submitted by arguinho to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.08 08:17 Peixefaca Serei o babaca por cortar relações com o meu pai?

Irei começar desde o início, ou seja, desde a infância do meu pai para contar as coisas por ordem cronológica e também contar os dois lados.
O meu pai foi o último de 6 irmãos, isto nos anos 70 que em Portugal foi durante a ditadura. A vida nunca foi muito fácil para a família. No aniversário do meu avô, ele tinha ido ao centro da cidade para comprar bilhetes da seleção de futebol da localidade... o meu avô foi de bicicleta e um bêbado a conduzir, atropelou-o e o meu avô faleceu. O meu pai tinha somente 3 anos, uma mulher com 6 filhos para cuidar sozinha nos anos 70. O meu pai nunca teve um pai propriamente dito porém o meu tio mais velho foi a figura paternal do meu pai e da família, era ele que trabalhava para sustentar a casa, era ele que batia nos meus outros tios quando eram apanhados a fumar e etc. Quando o meu pai tinha 14 anos, o meu tio (com 23, creio) suicidou-se de uma linha de comboio/trem. O meu pai nunca teve uma figura paternal desde então. Depois disso, vários dos meus tios, sem supervisão parental, começaram a consumir drogas e isso inclui o meu pai que aos 14 também, largou os estudos para ir trabalhar. Passaram-se alguns anos e ele mudou o rumo. Largou as drogas, andou numa clínica de reabilitação e arranjou um emprego, nuns anos avante, ele conheceu a minha mãe e aqui estou eu.
Agora que apresentei a história dele, passemos à minha. O meu pai sempre foi bastante ausente, quando eu era criança ele chegava sempre cansado e mal estávamos tempo juntos, ele gritava quando eu cobrava a atenção dele e nunca tivemos uma ligação forte, dado que ele não prestava o mínimo de atenção à família porque achava que sustentar financeiramente era o suficiente. Com os meus 6 anos, o meu irmão nasceu e o meu pai ausentou da mesma maneira. Passou-se um ano e os meus pais separaram-se, a minha mãe foi muito forte porque o meu pai virou grande parte do círculo social dela contra ela, e ainda tinha que sustentar dois filhos! Passaram-se 3 anos e eles resolveram os desentendimentos e juntaram-se. Vale realçar que esses 3 anos eu senti-me livre de medo, o meu pai sempre gritava e intimidava. A minha irmã nasceu e o meu pai não aprendeu nada... Agora, irei realçar pontos importantes para prosseguir a história: o meu pai sempre me deu uma educação machista: mulheres não podem usar roupa curta, gays são doentes e Deus é tudo, obrigava-me a ir na igreja e diminuia-me à frente da família e amigos. O meu pai normaliza bastante assédio, pratica-o e deixei de sair com ele porque não queria ser visto como igual. Por grande parte da minha vida eu fui homofobico e machista, eu fazia "piadas" com meninas que as deixavam mal, até hoje culpo o meu pai, pois eu era uma criança na altura. Por causa dessa inferiorização, virei uma criança tímida e cheia de medo dd ser julgado, atualmente ainda me causa alguns transtornos mentais. Aos meus 14 anos, fui diagnosticado com cancro (linfoma) no último estágio com metástases nos ossos e a se iniciarem nos pulmões. Foram meses muito duros, tive que ficar fechado em casa por 6 meses (é pessoal, essa quarentena é meio leve pra mim) porque eu tinha a imunidade super baixa; na altura eu não tinha nada com que me entreter e queria jogar com amigos meus, achei boa ideia conversar com os meus pais em comprar um pc gamer, a minha mãe hesitou mas o meu pai começou a gritar e chamar-me de ingrato, levantou-me mão e empurrou-me pra trás. Não basta dizer que passei o resto da quimioterapia isolado, né? Depois disso este tipo de discussões foi mais habitual porque desde aí que comecei a me revoltar. Depois dos tratamentos terminarem (sim pessoal, até hoje estou bem :3) decidi dar um novo rumo à minha vida, nos estudos e etc. Mas ele provocava-me sempre e ele tentava me bater. Houve uma vez que a minha mãe se colocou na frente para não me bater e ele complementa empurrou-a. Desde aí decidi não usar mais o nome do meu pai na identificação, só o da minha mãe. Há um tempo considerável que conheci uma menina incrível, começámos a namorar e escondi por bastante tempo por causa da minha família porque eu tinha a certeza que o meu pai iria usar o namoro para me atacar. O inevitável aconteceu, ele soube e veio dar uma de "pai" a dar conselhos de namoro como: "nunca a deixes ter poder", "tu és o dono da relação ", "não deves te importar como ela se sente, pois ela vai te usar". Mais tarde, numa discussão que já nos é habitual, ele disse "vou destruir o teu namoro", "nem sei como ela namora contigo". É por este tipo de coisas que ocultei o namoro. No meu aniversário, a minha namorada deu-me um livro personalizado com todas as nossas memórias, foi bastante caro (amor, se estiveres a ver isto, peço desculpa por ter visto o preço <3). O meu irmão estava a bater na minha irmã enquanto ela chorava baba e ranho, o meu pai ficou no sofá a ouvir aquilo sem fazer nada (a minha mãe tinha saído). Fui lá e comecei a discutir com o meu irmão, ele foi buscar o livro que o meu amor me deu e rasgou-o. Aquilo destroçou-me. O meu pai chegou e começou a rir, colocou as culpas em mim e falei na cara que era um pai de merda, que mais valia eu não ter nascido dele e que por mim ele iria embora. O prólogo não interessa, foi o habitual. Planeio cortar relações com ele quando eu fizer os 18.
Na minha opinião não o consigo culpar, pois ele não teve educação mas não sou obrigado a ter a vida destruída por causa dele. Serei um babaca por cortar relações com ele?
submitted by Peixefaca to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.06 13:25 ExistenteInexistente ola essa é minha primeira vez e tal e possivelmente a ultima (minha historia de vida)(riam a vontade)

oi luba inscritos e editores qualquer menção a pessoal e mera conhecidencia de youtubers, para evitar falar nomes de pessoa que eu conheço vou chamar da primeira letra do nome ou canal, me chame de E (sou homem) (descupe pelo meu portugues) (desculpa pelo texto grande)
minha historia começa quando eu tinha 5 anos (não lembro de nada antes disso), eu acordei em um dia qualquer e fui pra escola sofri bullying e etc, voltei pra casa no colo da minha mãe subindo um morro (uma montanha literalmente) não conhecia meu pai direito, ja quis namorar minha prima a L, ja tomei banho com meu pai e tb com meu tio o ti J (o nome dele nem tem J), mas com meu tio foi diferente ele ja fez coisas "erradas comigo no banho" como eu não sabia só aceitei (hoje ele ta namorando com uma menina), se eu quiser eu posso ferrar a vida dele hoje, meu pai o G é BOOMER, me odeia, me machuca, etc. talvez vc pense "pq vc não denuncia ele?" um dia eu ouvi uma frase na tv "quanto mais aosente seu pai é mais vc o ama" e é verdade, ou seja, eu não consigo denucia ele, quando eu me mudei pra cidade que eu estou hoje eu comecei a gostar de uma menina a JO, um dia o irmão dela o F me seguiu e bati nele pra ele volta e a mãe dele me ameaçou então o pai dele fez a mesma coisa, minha mãe e o meu pai brigou comigo e fui jogar meu jogo favorito passei vergonha na escola nova sofri bullying denovo, a JO partiu meu coração (nem tinha pedido ela em namoro), minha tia a P resolveu o bullying que eu sofria, se lembra da JO o pai dela fez a casa dela pegar fogo atiro na mãe dela (ta viva ainda), minha mãe mando eu compra uma mochila e uma caneta pra Jo, pois tinha perdido tudo, dai eu ganhei um pc depois não lembro quando eu ficava jogando friv nele, quando perdi o interece entrei no youtube pela primeira vez conheci um youtuber que conheço ate hoje, pois encontrei vc pelo video da tapada na N que depois se vingou-se de vc então assim foi minha vida, quase videi gay (não te conhecia ainda) virei gamer conheci o jogo de corno (FF) parei de jogar, conheci o minecraft (agora é o jogo que sempre vai ficar no meu cell), ja exercitei o braço para fazer aquilo né (vc sabe muito bem) parei de fazer isso hoje em dia o C me apresentou os furro, no dia nem liguei, mas um tempo depois eu lembrei e fui pesquisar acabei virando um, depois de pesquisar muito sobre furros eu vi que não podia ser um , mas no fundo ainda sou um pouco e medei de cara com nsfw de furros (foi isso que me fez para de exercita o braço no banheiro).
edit: eu esqueci de dizer que sou piadista de merda, eu rio de absolutamente de qualquer coisa, e o G me odeia (so eu que penso isso aqui em casa) ele tb se irrita facil, eu to virando ele, ja quiz me matar
edit2: isso é so uma parte da miha historia se quiserem um posso trazer o resto da minha historia
então essa é minha vida, fico feliz que vc exista pra elegrar meu dia, luba só não para de fazer videos vc é um dos unicos canais do youtube que gosto que ainda faz video.
submitted by ExistenteInexistente to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.06 06:08 denesfernando Sou Babaca Por Querer Que O Namorado Da Minha Amiga Não Passe Mais A Quarentena Aqui E Volte Pra Casa Dele?

Olá Luba, editores, gatas e Turma. Essa história que vou compartilhar aqui é recente, ainda estou tratando em terapia, mas ela começa um pouquinho lá atrás.
Um ""pouco"" de background para situar a todos de onde tudo isso começou.
Em 2013 comecei namorar um cara que vou chamar de Karen, por ele ser muito, mas muito CUSÃO (inclusive, ele se parece muito com você Luba e por vocês serem tão idênticos, eu passei um bom tempo sem assistir o canal, pois não conseguia te ver sem lembrar dele). Mas, enfim, em 2015 ele e o grupo da faculdade dele decidiram morar todos juntos em uma casa perto da faculdade, pois estava exaustivo para todos trabalharem em pontos distintos da cidade (São Paulo, para se alguém quiser se situar).
Então, em janeiro de 2016, eles se mudaram e eu ia para lá aos fins de semana, até que acabei me mudando para a casa em Junho do mesmo ano, no dia do meu aniversário.
Pois bem, foi uma fase horrível da minha vida por causa do meu ex, terminamos em maio de 2017 e tive que sair da casa. Esse meu ex era um abusador, um aproveitador, a pior pessoa que eu poderia ter conhecido na minha vida. Os abusos psicológicos que ele cometeu comigo, afetaram totalmente minha confiança e em como eu viria a me relacionar com outros caras, fora as crises de ansiedade que eu arrasto até hoje.
Mas então, eu fiquei amigo dos amigos dele da faculdade e em especial da Karls que virou minha melhor amiga.
Em 2017 eles terminaram a faculdade e em 2018 o contrato da casa venceu e eles finalmente poderiam se mudar, áquela altura ninguém suportava mais olhar pra cara do Karen.
Então, foi nesse momento, que a Karls e o Akarls me chamaram para vir morar com eles numa nova casa. Sem o Karen. E hoje nós três vivemos como uma família feliz com os nossos pets.
2019
Eu conheci um cara, eu vou chamar ele de Lars.
Lars e eu começamos a trocar mensagens, se conhecer, nos aproximarmos. Até então, antes dele, todos os outros caras que eu acabei ficando, não davam certo, (tem muito gay problemático nessa cidade). Mas Lars foi diferente, conforme nos conhecíamos, ele ia transpondo todas as muralhas que eu usava como defesa, pois meu maior medo seria voltar para um relacionamento abusivo, tóxico e doentio.
Com o Lars eu fui bem devagar, realmente queria conhecer ele, pra ver se o que eu estava sentindo era o certo e se ele não iria me fazer mal.
Nesse tempo conhecendo ele, eu desabafava com Karls todas as minhas inseguranças, pois ela tinha vivido todo o meu drama com o meu ex, ela sabia dos meus medos, receios, inseguranças em me relacionar com alguém e ela me dava todo o apoio, pra poder voltar a acreditar e saber que nem todo mundo é igual o Karen, que na verdade eu dei azar com o Karen, mas que não seria assim de novo.
Depois de tantos embates sobre minhas agruras eu acabei me desarmando e me permiti começar algo com o Lars.
Um mês e meio depois, finalmente decidi trazer ele em casa, para conhecer meus amigos e 😏.
Então, foi nesse fim de semana de novembro de 2019 que coisas aconteceram.
Depois de ficarmos, acabei aceitando os meus sentimentos por ele, pensei que depois de tanto tempo solteiro, passando por aventuras fracassadas com pessoas que não se encaixavam, onde a química só proporcionava uma reação inicial. Ali estava talvez o momento de poder compartilhar momentos com alguém.
Mas aquele início de sonho desmoronou muito rápido. No domingo quando ele estava pra sair para trabalhar, Lars me contou que iria para o Beto Carrero com um amigo. Fui pego de surpresa, pois ele não havia mencionado nada nas nossas conversas durante a semana.
Na época, Lars trabalhava como bartender numa cafeteria e reclamava de trabalhar muito, não ter finais de semana livres e só folgar nas segundas-feiras.
Como não tínhamos oficializado nada, nossa primeira vez foi na noite anterior e o fato de estar disposto a querer começar a construir uma relação tinha sido algo que eu havia arrazoado no meu coração, achei absurdo demais eu questionar porque ele não tinha me falado nada antes.
Tudo bem, ele iria no Beto Carrero com um amigo, logo após sair da cafeteria. Pegaria o ônibus na estação do Tietê no domingo a noite, passaria o dia no parque, já que a folga seria na segunda, e na segunda a noite ele voltaria e iria trabalhar na terça-feira de manhã. Eu, pelo menos, imaginei que seria assim.
Na segunda-feira, eu fui trabalhar normal, vi as fotos dele no Beto Carrero, os stories no Instagram aparentemente nada de estranho, mas a primeira coisa que me chamou a atenção foi o fato dele não ter postado um único story com o amigo, mas até aí, se eu encucasse com isso, seria uma atitude tóxica e eu não queria isso. Numa relação deve existir confiança.
Nós não nos falamos o dia inteiro, pois eu não iria ficar o importunando num passeio como aquele, que ele aproveitasse o máximo possível. Foi quando às 18:00 eu resolvi mandar uma mensagem para ele, já que eu estava saindo do trabalho.
A mensagem era mandando um "oi" e desejando que ele tivesse se divertido bastante e fizesse uma viagem tranquila de volta.
Foi quando ele me respondeu que não voltaria aquela noite, que ele iria para Balneário Camboriú com o amigo passear de barco. Eu fiquei completamente sem reação, foi um choque. Ele só reclamava de como o trabalho explorava ele, não era flexível e do nada, de uma viagem totalmente espontânea que aconteceu aleatoriamente pra aproveitar um dia de folga num bate e volta, surgiu uma folga no dia seguinte.
Eu não tive como não ser arrastado de volta para os tempos do Karen, onde eu fui trouxa por anos, onde ele matava aula pra transar na escada da faculdade, dizia que ficava até mais tarde no serviço pra não pegar trânsito, mas na verdade ia para dates furtivos de apps de pegação (inclusive tenho uma história ótima com relação a isso da época do Karen), enfim, meu cérebro e meu coração ligaram o sinal vermelho, as sirenes começaram a zunir no meu ouvido, a última coisa que eu queria era ser enganado como fui na minha última relação.
Voltando, Lars não falou mais nada depois disso, fui pra casa naquele dia. Na terça-feira de manhã, outro sinal de alerta, não tinha nenhuma mensagem no celular. Isso poderia ser irrelevante, se a gente não tivesse passado o último mês e meio, trocando várias mensagens e memes da hora que acordava até a hora de dormir. Me senti mal, a conversa tinha morrido da noite para o dia, fiquei angustiado, pois eu estava começando a gostar dele e aquilo mudou da noite para o dia.
Terça-feira se foi, ele em Balneário Camboriú, fotos e stories no Instagram se seguiram e nada desse amigo misterioso.
Finalmente, a noite ele estava voltando e mandou uma mensagem dizendo que estava exausto, mas estava voltando. Nesse momento, minha mente já tinha formulado mil e uma histórias, mas resolvi ser prudente, apesar da angustia que estava sentindo.
Foi difícil dormir aquela noite, na manhã seguinte, ele mandou uma mensagem dizendo que havia chegado, estava exausto, mas estava indo trabalhar.
Nossa conversa, já não era a mesma, algo tinha mudado, as palavras ou a ausência delas são um termômetro para o coração, escrever para outra pessoa é um ato de conexão e o nosso elo havia se rompido.
Foi quando resolvi confrontá-lo.
Segue abaixo a conversa no whatsapp:
[28/11 11:56] Denes: Desculpa, Lars.
[28/11 11:56] Denes: Eu não sei de fato o que aconteceu
[28/11 11:56] Lars: Pelo o que ?
[28/11 11:56] Denes: mas desde terça que eu sinto que nossa conversa morreu
[28/11 11:56] Lars: :(
[28/11 11:56] Lars: Eu que peço desculpas
[28/11 11:57] Denes: se vc puder me dar uma luz
[28/11 11:57] Lars: Questão de conversa tbm não sei ... :(
[28/11 11:58] Lars: Não quero ser cuzao contigo
[28/11 11:58] Denes: me diz o que tá acontecendo
[28/11 11:59] Lars: Gosto olhando no olho
[28/11 11:59] Lars: Gosto de vc
[28/11 11:59] Denes: talvez não haja olho no olho se eu não entender o que está acontecendo
[28/11 12:00] Denes: eu tb descobri que estou gostando de vc
[28/11 12:00] Denes: descobri de uma maneira bem ruim
[28/11 12:00] Denes: só quero que vc me diga
[28/11 12:00] Denes: sem medo
[28/11 12:02] Lars: Eu recebi uma ligação de alguém antes de viajar que me deixou balanceado
[28/11 12:02] Denes: prossiga
[28/11 12:02] Lars: Não gosto da ideia por aqui
[28/11 12:03] Lars: Mas tá bom ...
[28/11 12:03] Denes: por favor, agora que começou, não pare
[28/11 12:03] Lars: Pouco antes de conhecer vc eu tinha acabado um relacionamento ...
[28/11 12:03] Denes: hum
[28/11 12:04] Lars: E tipo ainda algo que me deixa balançado e tal ...
[28/11 12:05] Denes: entendi
[28/11 12:05] Denes: ah...
[28/11 12:05] Lars: E tipo não quero mentir pra vc
[28/11 12:05] Lars: Nem ser um cuzao contigo me entende
[28/11 12:05] Lars: Quero ser sincero sempre
[28/11 12:05] Lars: Não só com vc mas comigo mesmo
[28/11 12:06] Denes: então, o livro de Harry Potter que está com vc, foi um presente de um amigo meu que faleceu esse ano, será que posso pegar com vc na catraca amanhã da Santos Imigrantes
[28/11 12:06] Lars: Sim ... Claro ... Mas queria conversar mais com vc pessoalmente
[28/11 12:06] Lars: Se não se importar
[28/11 12:07] Lars: Tenho um presente pra vc
[28/11 12:07] Denes: eu vou me importar
[28/11 12:07] Denes: por favor, sem presentes
[28/11 12:07] Lars: Tudo bem :(
[28/11 12:09] Denes: amanhã as 8:30 te encontro na Catraca
[28/11 12:09] Lars: :( eu lhe entendo sabe ... Mas confesso que gosto de vc e queria que vc permanecesse na minha vida independente de qualquer coisa
[28/11 12:09] Denes: não será possível
[28/11 12:09] Lars: Tudo bem eu entendo vc ... :(
[28/11 12:09] Lars: Me desculpa
[28/11 12:10] Denes: te encontro amanhã na catraca sem falta
[28/11 12:21] Lars: Hj vc sai que horas do trabalho?
[28/11 12:24] Denes: Desculpa, Lars. Mas eu só pretendo te encontrar para pegar o meu livro. Não, temos nada para conversar. Você não me deve satisfações, justificativas ou esclarecimentos. Apenas o meu respeito. Mas, mesmo assim. Esse ponto final precisa ser colocado.
[28/11 12:25] Lars: Tudo bem eu entendo e respeito vc ... Falei de hj pq posso te entregar hj o livro
[28/11 12:25] Lars: Ele está comigo aqui no trabalho
[28/11 12:26] Denes: Eu saio às 18:00
[28/11 12:26] Lars: Posso te entregar hj o mesmo horário ... Na estação melhor pra vc
[28/11 12:27] Denes: Que horas na Santos Imigrantes vc vai passar por lá?
[28/11 12:27] Lars: Umas 19h a 19:30
[28/11 12:28] Lars: Mas espero a sua hora
[28/11 12:28] Denes: Okay, as 19:00 estarei lá
[28/11 12:28] Denes: Se chegar antes estarei sentado em algum dos bancos da plataforma
[28/11 12:29] Lars: Tá bom
[28/11 12:29] Lars: Sei o que vc vai falar ... Mas desculpas :(
Quando ele falou dessa ligação do ex e ficou balançado, eu senti uma enxurrada de sentimentos negativos, o tsunami de chorume que eram as mentiras do Karen voltando a tona. Todas as desculpas esfarrapadas, parecia que eu estava vivendo tudo outra vez.
Eu estava cego, na gana de não querer cometer os mesmos erros do passado, acabei sendo seco, duro e intolerante, condenando um pelos erros de outro.
Eu já tinha sentenciado dentro de mim que aquela viagem foi algo que ele tinha programado com o ex e que tinha ido com ele e que eles tinham se acertado e que ele queria me manter como step se nada desse certo. Enfim…
Nesse mesmo dia, fui buscar o meu livro (um fato curioso, esse livro que foi presente de um amigo que veio a falecer em 2019, foi um presente pra me lembrar o quanto eu sou uma pessoa corajosa, era a edição de 20 anos da Pedra Filosofal nas cores da Grifinória e dentro ele escreveu a famosa frase da Luna "As coisas que perdemos sempre acabam voltando para nós. Mas nem sempre na forma em que pensamos." https://imgur.com/a/ebJFd2U
Ironicamente, quando paro pra olhar isso em particular, penso na grande ironia de tudo.
Eu cheguei antes na estação, fiquei esperando, sentado num banco na plataforma, vendo vários trens passando, várias pessoas descendo na estação vindo depois de mais um dia de trabalho. A minha ansiedade estava a mil, eu queria chorar, estava angustiado com tudo aquilo, pior, sem entender como "tinha cometido" o mesmo erro outra vez.
Ele chegou uns 15 minutos depois, estava com o livro na mão, eu peguei o livro e então ele me estendeu os braços pedindo um abraço, fiz com ele o que eu devia ter feito com o Karen, olhei para ele com a minha pior cara de desgosto e nojo e falei "Adeus", virei as costas e deixei ele lá.
Hoje, não me orgulho do que eu fiz, sinto vergonha quando penso, mas para que vocês entendam aquele gesto, mesmo ele não sabendo, era algo traumatizante, no término com o Karen, quando coloquei minhas malas e meus livros no táxi, ele chegou até mim e na maior cara de pau, na sua maior interpretação pra burguês ver, ele me pediu um abraço e o trouxa aqui cedeu esse abraço, então ele sussurrou no meu ouvido "Sou eternamente grato por tudo o que a gente viveu e você vai sempre poder contar comigo para o que você precisar" e quando eu precisei o que eu ouvi? "Não tenho obrigação nenhuma de te ajudar."
Quando eu saí da estação, bloqueei o Lars em todas as redes sociais, Facebook, Instagram, Whatsapp e até o número dele pra ele não me mandar SMS ou ligar. Não queria nunca mais ouvir falar dele pelo resto da minha vida.
Alguns dias se passaram e a Karls me contou que Lars havia mandado mensagem para ela no Instagram dizendo que estava preocupado comigo, queria falar comigo e eu irredutível falei que nunca mais queria saber nada a respeito dele.
Então ali eu tinha colocado uma pedra em cima desse assunto, vida que segue.
Dezembro de 2019
Karls é uma garota muito linda, mas em todos esses anos de amizade ela só se envolvia com os piores caras do Tinder, uma fase da vida dela que fazemos piada, mas que se você olhar atentamente, era bem triste.
Ela tinha o sonho de conhecer um cara bacana, compartilhar momentos, viver toda aquela fantasia de namoro, dormir abraçada, assistir anime, cantar músicas da Disney e cozinhar todos os pratos possíveis de todos os programas de culinária que existem no mundo.
Depois de anos, esse cara apareceu. Vamos chamá-lo de Darls.
Darls é um cara super carismático, que faz amizade por onde ele passa, falador, contador de piada, solicito, uma pessoa que todo mundo iria adorar ter como amigo.
JANEIRO 2020
Parecia que Darls sempre esteve nas nossas vidas, Akarls e eu o recebemos de braços abertos, pois víamos o quanto ele fazia Karls feliz.
Logo ele começou me pedir dicas e mais dicas de coisas que fariam a Karls feliz e nesses 5 anos de amizade eu era a pessoa que mais sabia de tudo o que a Karls gostava.
FEVEREIRO 2020
Eles oficializaram o namoro, (meio rápido, mas…), então ela entrou numa tour para conhecer todas os amigos dele, pois ele queria apresentar a namorada para as pessoas importantes na vida dele.
Darls mora a 35km de distância, num bairro distante, 2 horas de viagem no mínimo, mas ele sempre estava vindo passar mais tempo aqui.
MARÇO 2020
Pandemia chegou, isolamento social foi instaurado, pessoas em casa. Eu sou editor de vídeo, então estou trabalhando em casa desde que esse inferno começou. E quem acabou vindo para cá, também? Exatamente, Darls.
A companhia dele era agradável, e por vermos Karls feliz, nada objetamos, aceitamos naturalmente a estadia dele aqui. Mesmo que nunca tenhamos conversado isso entre nós, foi natural olharmos para a felicidade dela.
ABRIL 2020
Um mês de quarentena, eu sou uma pessoa ansiosa. Solteiro que passou da barreira dos 30, já havia sentenciado que não conheceria ninguém e morreria só, pois já estava sem esperança de conhecer alguém em um mundo sem um vírus mortal, imagina em um mundo onde estar perto 2 metros de alguém pode ser sua sentença de morte.
Eu comecei entrar numa crise terrível, comecei trabalhar demais, a fazer 12 horas de trabalho por dia e no meu tempo vago eu comecei a assistir todos os filmes e curtas gays já foram produzidos no mundo. E nisso, fiz a burrada de assistir um filme que superestimei por anos.
Brokeback Mountain.
'O que eu fiz da minha vida?'
Eu fiquei tão mal, mas tão mal, que naquela noite eu fui dormir chorando e os dias que se seguiram eu tive tanto remorso pelo final daquele filme, que certo dia eu comecei chorar na frente da Karls e do Darls enquanto a gente almoçava.
No final de abril, meu tio implorou que eu fosse na casa dele, pois estava tendo um problema entre minha mãe e minha irmã e ele estava preocupado da minha mãe acabar se metendo em um avião e vindo pra São Paulo no meio de uma pandemia. Fui, como se eu já não estivesse colapsando, ainda tinha que resolver o problema de outras pessoas.
Naquela semana, eu assisti um vídeo, tenho 80% de certeza que foi no LubaTV os outros 20% acho que foi no canal do Henry Bugalho, que falava sobre perdão, algo do tipo "se não perdoamos, do que adianta pedirmos desculpas" e eu já estava muito reflexivo.
De noite, eu estava no apartamento do meu tio, quando recebi uma notificação de que alguém tinha me seguido no Twitter.
Abri a notificação e vi que era o Lars me seguindo quase 6 meses depois. Ele não tinha twitter e tinha criado uma conta por causa da quarentena.
Minha primeira reação foi bloquear ele, mas aí bateu aquele turbilhão de coisas acumuladas nessa quarentena. O final de Brokeback Mountain, a fala sobre perdão e um detalhe sobre o Lars que pesou muito, ele tem diabetes, acho que é um tipo raro, ele desenvolveu super novo, ele toma dois tipos de insulina, ele é grupo do risco.
Sentei no sofá e me perguntei, 'o que ele queria depois de todos esses meses? Ele não entendeu o meu "Adeus"?'
Pois, bem. Fui até o Instagram, desbloqueei ele e mandei a seguinte mensagem:
"O que você quer?"
Ele levou uma meia hora pra me responder, o 'digitando…' parecia eterno.
Resumindo, ele falou que se importava muito comigo, que eu marquei a vida dele, que nunca quis se distanciar de mim, que jamais foi a intenção me magoar com o que quer que tenha acontecido e que nunca dei a oportunidade dele se explicar.
E eu respondi, que não importava o que ele tivesse para me dizer, não ia mudar a opinião que eu tinha sobre ele.
Ledo engano, meus caros.
Fui dormir às 4 da manhã, tirei tudo de dentro de mim, tudo o que eu inventei na minha cabeça. Porque no meu relacionamento anterior eu ouvi tantas mentiras, que acabei jurando que qualquer um iria mentir para mim, era o único referencial que eu tinha.
Só para que vocês saibam, era realmente um amigo, as fotos que ele tirou junto com o amigo no Beto Carrero, foram todas no celular do amigo a folga da Terça-feira, o chefe dele estava devendo uma folga para ele e como ele não iria poder tirar essa folga a mais do que as que estavam previstas para Dezembro, o chefe deu a folga pra ele na terça para que ele aproveitasse mais um dia de viagem. E sim, o ex dele ligou, ele ficou balançado, pois eles tinham tido uma história recém terminada, mas ele me contou, primeiro porque eu insisti, mas também porque ele não queria mentir pra mim, já que eu tinha todo esse problema com mentiras, então ele queria ser honesto comigo desde o início e que nunca foi a intenção dele voltar com o ex, tanto que ele não voltou, ele queria estar comigo, e que mesmo tendo passado todo aquele tempo ele nunca tinha me esquecido e não tinha desistido de mim.
Eu falei para ele que não sabia como reagir a tudo aquilo, disse que não sabia se seria capaz de confiar nele. E que ele não tivesse esperança, mas que eu iria refletir sobre tudo aquilo.
Então eu voltei pra casa e compartilhei a história com Karls e Darls.
Karls ficou meio com o pé atrás, mas Darls me apontou os erros que eu cometi, me fez enxergar o quanto eu tinha exagerado pelo medo e desconfiança que eu tinha, que não tinha nada a ver com Lars e minha ficha caiu.
Agora, tudo o que me restava era o meu orgulho, eu precisava passar por cima disso.
Voltei a conversar com Lars, aos poucos, foi difícil no início, mas ele foi muito tolerante, eu expliquei que não estava sendo fácil voltar a conversar com ele, mas que compreendi que muito daquela situação era culpa minha.
Ele começou a me mandar mensagens de manhã e a noite, de bom dia e boa noite e esporadicamente algum meme. Foram duas semanas conversando quando houve a necessidade da gente se ver. Eu não sabia como iria reagir.
Sim, ele viria aqui em casa no meio de uma quarentena, mas antes que cresça os julgamentos, moramos próximo um do outro, ele viria a pé, sem pegar nenhuma condução e num horário de pouco fluxo.
MAIO 2020
Então comuniquei que ele viria aqui em casa para Karls, Akarls e Darls. Aparentemente, achei que todos tinham recebido a notícia de bom grado.
Ele veio, a primeira coisa que ele fez foi ir para o banheiro tomar banho, com Covid não se brinca. Depois, sentamos e conversamos, e mais uma vez, eu falei tudo de novo, dessa vez olhando no olho, colocando tudo a limpo, uma conversa franca, contei de todas as impressões que eu tive de tudo o que aconteceu, como a narrativa se construiu na minha cabeça e porque agi da maneira que agi.
Em contra partida, ele disse que estava tudo bem, disse que ficou muito chateado, mas os amigos dele conversaram com ele dizendo que tinha um motivo para eu agir como eu tinha agido. Ele me falou que nunca me esqueceu e queria ter uma oportunidade de conversar comigo e esclarecer as coisas, pois sabia que tudo tinha sido um grande mal entendido. Ele falou que mandou várias mensagens para a Karls, mas não obteve resposta. E quando ele me mandou o convite no Twitter, ele disse que seria a sua última tentativa de se aproximar de mim, se não desse certo, ele mesmo desistiria de tudo.
Ele passou três dias aqui em casa, eu não me abri tanto com ele com relação a isso, mas eu senti muito remorso por como as coisas aconteceram por minha causa.
Outra coisa, lembra na mensagem, quando ele falou que tinha um presente para me dar e eu falei que não queria? Ele trouxe o presente, ele guardou o presente todo esse tempo e disse que toda vez que via o presente, ele lembrava de tudo o que a gente viveu e a coisa que ele mais queria era me dar esse presente, que ironicamente ele comprou na viagem para o Beto Carrero.
Era um funko do Harry Potter, já que eu amo muito Harry Potter. (Não, não sou transfóbico, eu amo Harry Potter desde 2000). http://imgur.com/gallery/cah0Ry7
Ele voltou pra casa dele. Continuamos a nos falar, reatar laços, ter essa troca.
Compartilhei minhas impressões com Karls e Darls, eu estava relutante, desacreditado. As pessoas subestimam relacionamentos abusivos, mas a gente carrega coisas por anos, os estragos são terríveis, estava eu provavelmente estragando uma oportunidade de ser feliz por medo de ser feliz.
As coisas foram devagar, estávamos conversando de nossas rotinas na quarentena, ele o quanto sentia falta do trabalho e não aguentava mais assistir séries e eu o quanto estava trabalhando e engordando, já que editor de vídeo trabalha em casa, praticamos isolamento social antes disso "estar na moda" (✌️ salve editores do canal, eu juro que tô escrevendo essa história que já passa de 4 mil palavras, pensando se realmente o Luba lerá essa história na Turma-Feira, fico imaginando no trabalhão que vocês vão ter pra editar, se eu puder pedir, posta a Timeline pra eu ver como ficou no final, curto muito timelines [Sim, pra quem não entende, isso é meio creep]).
JUNHO 2020
Lars voltou, veio para estar comigo no meu aniversário, inclusive ele me presenteou com Find Me do André Aciman, ele disse que queria me dar a muito tempo, pois em novembro do ano passado eu estava lendo Call me by your name e eu estava namorando pra comprar o livro quando fosse lançado, mas não deu nem tempo dele poder comprar na época.
No meu aniversário, resolvi cozinhar para comemorar, fazer escondidinho de frango. Eu estava de folga e queria fazer algo especial para Karls, Darls, Akarls e Lars. Eu passei a tarde e começo da noite cozinhando e Lars me ajudando.
Então, aconteceu o estopim de todo o caos.
Karls e Darls desceram e viram que o escondidinho não estava pronta ainda, ela fechou a cara e disse "Nossa, ainda não está pronto?". Depois eles fizeram um sanduíche e comeram e subiram, bastou aquilo pra me entristecer, até entendo que ela poderia estar com fome, mas ela bater porta de armário e a porta da geladeira acabou todo o meu ânimo, me senti super mal.
Comi aquele escondidinho triste, o clima na mesa estava tenso e na boa o que era pra ser uma comemoração no que eu acreditava ser entre família, foi a porcaria de um jantar de aniversário que eu perdi tempo fazendo.
Lars voltou pra casa dele, continuamos nos falando e estreitando os laços, aproveitando a companhia um do outro, e finalmente no meio de toda essa situação de merda que estamos vivendo no planeta, senti uma esperança de que talvez tudo daria certo, pelo menos uma vez.
Mais uma vez, ele veio passar o fim de semana aqui em casa, e foi divertido, assistimos filme, contamos piadas e o melhor, eu estava podendo dormir abraçado com ele, por a cabeça no travesseiro e não me sentir só.
JULHO 2020
O mês do caos, eu odeio Julho, por tantos motivos, sério. Eu tenho inúmeras histórias de desgraças nesse mês que PQP (Gif da Xuxa).
Lars me mandou mensagem dizendo que ele teve uma briga terrível com o sobrinho dele, na briga eles só faltaram sair na porrada, ele falou que estava mal por estar na casa da irmã dele e por toda essa indisposição com o sobrinho que tem 18 anos e é um completo folgado. Ele disse que iria procurar um lugar pra ficar, mas até lá, ele perguntou se poderia ficar aqui até encontrar esse lugar.
E como eu já fui colocado pra fora de casa pelo meu tio e me vi sozinho, eu sei o quanto é importante ter alguém pra estender uma mão amiga nessa hora.
Eu respondi que sim, mas que ia comunicar o Karls e o Akarls. Expliquei a situação Lars e eles falaram que tudo bem.
A Karls começou a fazer um freela permanente em um grande estúdio aqui de SP, então ela já não estava ficando em casa e quando estava, ficava a maior parte do tempo com o Darls, que ficou aqui em casa, mesmo ela trabalhando regularmente, já que as coisas estão flexibilizadas por aqui.
A princípio, Lars ficaria aqui até dia 10, ele tinha acertado de ir morar com um pessoal que ele achou num grupo do Facebook, mas o lugar onde esse pessoal ia morar não deu certo, pelo o que ele me contou, foi lance com a Porto Seguro, ele ficou decepcionado, porque os meninos eram legais. Então, ele voltou para a busca de encontrar um lugar pra ficar, eu inocente disse que ele poderia ficar o tempo que precisasse.
Interiormente, eu queria me redimir por toda a injustiça que foi o nosso início, queria fazer certo dessa vez, pois ele estava sendo bom pra mim e eu nunca tinha tido isso, esse convívio.
Enquanto ele estava aqui, comecei a ter companhia para o almoço, passei a comer direito, já que ele é obrigado a comer certo por causa da diabetes, eu estava até me alimentando nos horários certos. As noites assistíamos séries abraçados, até a hora de dormir. Parecia um oasis no meio de todo esse inferno que estamos vivendo, por um único instante eu esqueci de tudo de ruim.
Nesse período, ele estava procurando vários quartos, mas só encontrava cativeiros sendo alugados por mercenários.
Conforme o mês ia passando, Karls estava bem estressada com tudo e quando estava todo mundo na cozinha, ela parecia evitar querer falar com ele. No início, eu pensei que fosse TPM ou alguma coisa em particular dela com Darls.
Mas eu tive certeza que era alguma coisa com o Lars, no dia que estávamos jantando e ela veio informar que o botijão de gás tinha acabado e ela tinha comprado um novo, mas ela insinuou que estávamos cozinhando demais. Eu fiquei, sem reação, pois não esperava por aquilo, como eu falei, ela e o Darls estavam fazendo todas as receitas que existiam na internet, como que o Lars 10 dia aqui era a causa do botijão ter acabado?
Então aquilo começou a ficar espinhoso e o meu erro foi não ter confrontado. Eu comecei a me sentir acuado com o Lars e não sabia o que fazer, ele já estava numa puta situação frágil por ter saído da casa da irmã por indisposição com o sobrinho e a coisa que eu mais queria era que ele se sentisse confortável na minha própria casa.
No meio de tudo isso, ele voltou a trabalhar e eu passei a acordar cedo junto com ele, pra tomar café e abrir o portão pra ele poder sair, num desses dias, eu levantei e fui no banheiro e enquanto eu usava, a Karls bateu na porta perguntando quem é que estava lá dentro de uma maneira meio ríspida, no caso era eu, mas o Lars viu a situação toda, ele não me falou, mas eu reparei que ele parou de tomar banho de manhã antes do trabalho. Dizia ele que o banho da noite era suficiente.
Depois, ele parou de tomar café da manhã, disse que tomaria café na cafeteria que ele trabalha.
A próxima coisa que aconteceu foi um dia que eu estava na cozinha e fui informado que Karls e Akarls decidiram que não iríamos mais fazer as compras de mercado juntos. E que só manteríamos os produtos de limpeza e higiene e que o resto era cada um por si.
Confesso, que na hora não compreendi o que estava acontecendo, eu estava muito desligado, na verdade não acreditava que os meus amigos estavam me excluindo por causa do Lars, eu estava sendo ingênuo, pois não imaginaria que aquilo estava acontecendo.
No meio desse caos todo, Lars, virou pra mim e disse que a irmã dele pediu que ele fosse na casa dela. Então ele iria direto do trabalho e dormiria lá no sábado para o domingo, já que estaria de folga e voltaria pra cá no domingo a noite.
Só que ele não voltou, ele disse que a irmã dele pediu para que ele dormisse lá mais uma noite. Pensei, okay, ele vem então amanhã direto do trabalho pra cá, mas aí ele não veio na segunda, foi quando o peso de tudo bateu.
A essa altura eu já estava angustiado com tudo aquilo e direcionei minha frustração para o lado errado, em vez de confrontar quem estava causando toda essa situação insatistória, eu cobrei dele, porque ele não estava aqui. Perguntei, porque ele não queria estar mais aqui. Ele falou que queria. Então, eu perguntei porque o domingo, virou segunda e agora a segunda virou terça? Ele hesitou, aí eu perguntei se era por causa da Karls e ele disse que só não queria incomodar ninguém.
Eu fiquei mal, por ele se sentir mais incomodado na minha casa do que na casa da irmã dele com o sobrinho folgado que estava fazendo da vida dele um inferno.
Fiquei desapontado, ele veio na quarta, conversei com ele, disse que iria conversar com a Karls sobre toda essa situação. Mas já era tarde.
Era a última semana de Julho, e antes mesmo que eu pudesse conversar com a Karls, Akarls chegou dizendo que não dava mais para dividirmos a conta de água como estávamos fazendo, por 3, teríamos que dividir por 5, já que a conta ficou mais cara.
Na sexta-feira daquela semana, Lars encontrou um quarto numa casa que ele meio que alugou as pressas e ele se mudaria na primeira segunda de agosto. Quando eu pude confrontar Karls, no sábado, sobre tudo aquilo, já era tarde. Falei que fiquei chateado deles quererem repartir a conta da casa por 5 com o Lars pelo mês que ele passou aqui, mas isso nunca foi nem cogitado nos 5 meses do Darls aqui. Falei que fiquei decepcionado por ela não ser capaz de enxergar a minha felicidade. Por não ser capaz de ver o quanto eu estava feliz, como eu enxerguei a felicidade dela com o Darls e o recebemos de bom grado dentro de casa por causa da felicidade dela. Disse que foi muito cômodo pra ela ter alguém pra poder dormir junto, assistir coisas juntos, ter os momentos a dois e quando eu pude ter o mesmo, ela não olhou para mim com os mesmos olhos.
Enfim, Lars se mudou, tomei esse tempo que poderia estar assistindo uma série com ele para escrever tudo isso. Angustiado e decepcionado. Darls não tem culpa de nada do que está acontecendo, mas agora acho completamente injusto ele estar aqui e o Lars não estar, não sei o que fazer, minha vontade é de falar, "acabou a quarentena para os dois, pode voltar para sua casa". Me sinto injustiçado e triste por alguém que eu amo tanto, não ter sido capaz de enxergar que eu estava feliz. É isso, estou esperando a próxima sessão da minha terapia e Karls e Darls estão lá no quarto dela e eu estou só.
E para finalizar, essa foi minha conversa agora a pouco com o Lars.
Lars https://imgur.com/gallery/PRrxEI6
submitted by denesfernando to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.31 06:45 kimmochi1 O dia em que meu amigo me pediu em namoro (observação final importante)

Já vou dizendo que é muita coisa:)

Oi Luba, editores, gatas, papeloes e todos que estão a ler, tudo bom?
Bom, eu estava na metade do 7° ano quando um novato chegou na escola, vamos chamá-lo de Lucas. Eu e "Késia" (nome falso) decidimos fazer amizade com o "Lucas". O garoto era muito simpático e gostava de quase todas as coisas que eu, super gente boa. Dias se passaram e eu me aproximei mais dele do que a "Késia", chegamos até a trocar segredos. Nessa época, tínhamos a suspeita do "Lucas" ser gay, mas não tínhamos nada contra a opção sexual dele.

Certo dia (na semana do dia dos namorados) a escola anunciou um evento para que as pessoas apaixonadas pudessem se declarar de forma anônima ou não. Funcionava assim: a diretora pegava um papel sortido da cesta e li em voz alta, nesse papel a pessoa X se declarava pra pessoa Y por medio de um poema ou texto. Mais tarde no mesmo dia, o vi pegando o papel de inscrição e ao questionar ele soltou uma indireta "pra quem será?". Ignorei, mas sabe como é, ignorei surtando. Enfim chegou o dia do evento e a coordenação reuniu TODOS os alunos no pátio da escola.

* pulando porque ninguém quer enrolação *

A diretora tirou a carta dele e leu o poema "dele" em voz alta para todos do pátio:
"Pulei na água e me molhei,
Brinquei com o fogo e me queimei,
Olhei pra você e me apaixonei"

Eu olhei pra ele e o mlk simplesmente saiu correndo kkkkkk

Era a primeira vez que alguém tinha se declarado pra mim, e por ser meu melhor amigo eu fiquei mais sem reação ainda. Eu e "Késia" fomos procurar por ele e o encontrei na nossa sala de aula. Naquele momento eu tive certeza de que ele ia me pedir em namoro, mas não era o que eu queria e a "Késia" sabia disso. A "Késia" me puxou para fora da sala e apenas escutei o "Lucas" falando "espera". Uma semana depois eu fui falar com ele (Sim, uma semana, eu também me arrependo mas eu era muito imatura para saber lidar com isso) e dava pra ver que ele não estava bravo mas que também não estava muito feliz, óbvio! Continuamos a amizade normalmente, só algumas pessoas que zoavam a gente dizendo que éramos namorados, mas nada de mais.

Mais umas semanas se passaram e ele apareceu com uma idéia de que ia embora pra outro estado. Eu não acreditei, não queria que ele fosse. No dia seguinte eu esperei por ele na escola e nada. E assim se passaram semanas, meses... "Lucas" se despediu e foi embora sem deixar número de telefone, rede social ou endereço. Como fui besta. Eu queria conversar com ele novamente. Nunca pensei que fosse chorar por tanto tempo e me culpar tanto. Sinto saudades da amizade dele. Me arrependo pelo jeito que tratei ele, mas é aquilo, se arrepender não vai fazer eu voltar no passado.
O mais incrível é que ano retrasado fui para o cinema e encontrei um garoto muito parecido com ele, mas ignorei porque minha mãe pôs na minha cabeça que não era ele. Semanas depois um evento daqui do meu estado e o mesmo garoto estava lá e minha mãe disse a mesma coisa, mas não sei...
Então, qual sua opinião?


OBS: enquanto escrevia isso lembrei que um dos primeiros contatos que tive com o seu canal foi com ele, então se essa história for pro seu canal e ele ainda te assistir talvez tenha uma pequena chance de encontrar ele. Você pode me ajudar com isso?
submitted by kimmochi1 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.29 20:42 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

(Postei primeiro no desabafos, mas resolvi postar aqui também)
O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.
Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.
A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.
A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha
Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:24 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.

Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.

A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.

A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha

Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]


2020.07.29 02:17 JhowneeBitch O QUE SÓ ACONTECE EM FILMES MAS INFELIZMENTE ACONTECEU COMIGO

Olá, People, Luba e quem estiver lendo. Isso aconteceu e tenho testemunhas. Aliás, essa história é contada até hoje, talvez até por pessoas das quais nem lembro mais que existam. Mas vamos lá.
Começou em 2009, eu estava no último ano do ensino fundamental, e já me reconhecia como Bissexual. Na época, eu era talvez o único aluno daquela escola que era abertamente LGBT, então, consequentemente, acabei ficando muito popular. Todo mundo sabia quem eu era e etc. Lembrando que eu era o único, então, não tinham outros Boys por quem eu pudesse ter... Um lance. Só garotas. Então eu pegava um monte de garotas. Até que comecei a namorar com uma garota que vamos chamar de "N". Eu e "N" namoramos por quatro meses e tava tudo certo. Mas dentro de mim, eu sabia que eu não tinha nada de Bissexual. Que talvez fosse só uma fachada pra eu me sentir "Menos Gay" (Se é que isso faz sentido) até que vi que eu estava certo. Então, um dia, tomei vergonha na cara e abracei minha completa homossexualidade. Eu e "N" íamos e voltávamos da escola de Perua Escolar, então estávamos juntos dentro e fora da escola. Assim que virou o ano, para 2010, e eu entrei no colegial, Tive que terminar com "N" obviamente, e explicar tudo pra ela, que eu era GAY, não BI, que não dava mais pra continuar nosso relacionamento. Ela aceitou NUMA BOA. Inclusive viramos bons amigos. O que ela não sabia, é que um dos motivos por eu ter terminado também foi porque eu estava me apaixonando por um garoto, que vamos chamar de "W". O "W" não era da mesma escola que a gente. Mas a nossa perua escolar, carregava dois grupos de alunos ao mesmo tempo, os da nossa escola, e alguns da outra (a dele, no caso). Então eu via "W" todo dia também, na ida e na volta. Mas o "W" não era gay ou bi, ou pelo menos não aparentava. Eu fui chegando na amizade... mas com segundas intenções. Até que um dia, minhas segundas intenções ficaram claras pra ele. E para minha surpresa, ele revelou que também tinha sentimentos por mim. Nos beijamos e tal, mas ele ficou muito apreensivo, e decidiu que não teríamos nenhum envolvimento. Fiquei chateado, mas fazer o que. Todo adolescente pode ter conflitos sobre sua sexualidade, então aceitei de boa e passei esse pano pra ele. Até que, no dia seguinte, ele diz que sonhou comigo, que não conseguia parar de pensar em mim e boom! Me pediu em namoro. Eu aceitei, é claro! Eu estava apaixonado e era tudo tão emocionante. Namoramos, e muito bem! Não tinha brigas, DR, ou crises de ciúmes. Brincávamos muito, fazíamos piada.. Era um namoro cheio de alegria, muita química e cumplicidade. Tínhamos os mesmos gostos... era tudo perfeito. Passaram-se alguns meses, e um dia... Ele me disse que queira terminar. Acontece que ele estava sofrendo preconceito na escola dele. Havia inclusive perdido algumas amizades quando o fato dele estar namorando com outro garoto (eu) veio à tona. Ele não conseguia suportar a pressão do preconceito. Disse inclusive que muitas pessoas na escola dele haviam parado de chamá-lo pelo nome, e o chamavam só de "Viado." Ele inclusive ficou com medo que alguém contasse tudo pra mãe dele e etc. Então, terminou comigo. Eu fiquei DEVASTADO. E pior é que eu não podia fazer nada. Não adiantou falar nem opinar, porque eu mesmo, nunca senti na pele esse tipo de preconceito. Na minha escola, todo mundo era super gentil comigo e nunca sofri nenhuma rejeição.
Alguns dias se passaram, eu só conseguia sofrer por amor. Até que, "N", lembram dela? A minha ex? Então, eles começaram a ficar muito próximos... E quando me dei conta, estavam namorando.
Algo que eu não desejaria ao meu pior inimigo, é ver DOIS EX SEU SE PEGANDO, SE BEIJANDO E SE LAMBENDO NA SUA FRENTE, DIA APÓS DIA, ainda mais apenas uma semana depois do nosso término. Estávamos todos enclausurados numa perua escolar na ida e na volta, não tinha pra onde escapar, era impossível não ver eles se agarrando. Que merda! Eu a deixei por ele, ele me deixou, e depois ficou com ela? PQP!

Mas logo eles terminaram. Eu vi minha chance, voltei a me aproximar de "W" mas ele disse que não tinha nenhuma chance de nós voltarmos. Ele ainda estava atordoado com o que ele passou na escola dele. Que agora todos estavam começando a tratar ele normalmente de novo. Eu e "N" inclusive chegamos a brigar por causa de "W", disputando o amor dele feito dois trouxas. Até que ela desistiu e eu fingi desistir, mesmo chorando quase todo dia.
O ano letivo estava acabando, eu e "W" estávamos próximos de novo, mas sem beijos, sem carícias, apenas amizade. Eu me declarei e disse o quanto o amava, ele só conseguia segurar o choro. As férias de fim de ano estavam vindo, essa era minha última chance este ano? Ele disse que queria estar comigo, mas que não estava preparado ainda. Mas que eu o havia marcado, e que ele nunca esqueceria de mim. E que usaria as férias pra pensar sobre mim e a nossa situação, que ele me daria uma resposta definitiva sobre o nosso possível futuro assim que as aulas voltassem, no ano seguinte. Sim, eu passaria as férias e a virada do ano me torturando com isso na cabeça, mas ok.

Então, a perua chegou até onde ele morava, era vez dele descer. E uma última vez, eu disse "EU TE AMO". E ele respondeu "EU TAMBÉM TE AMO" prestes a chorar, batendo a porta da perua. Aquilo foi tão dramático, tão romântico, eu me senti num filme.
Passaram as férias, finalmente chegou o primeiro dia de aula. Eu fui com uma animação tremenda, mesmo temendo a resposta que ele pudesse me dar. A perua foi passando de casa em casa, e só ia aumentando minha tensão. Até que quando passamos pela rua dele, a perua passou direto. Então perguntei pro motorista - "O W vai faltar no primeiro dia de aula?" E o motorista me respondeu "Então... Ele não vem mais. Mudou de escola, não vou mais buscar ele."

Aquilo me destruiu. Completamente. Não o vi mais depois disso, mas também nunca o esqueci. Acho que o primeiro coração partido é o que dói mais. Até que 10 anos depois, por pura ironia do destino, minha amiga "J" (que é lésbica, aliás) disse estar batendo um papo com um carinha do face que gostava muito de Star Wars, assim como ela. Quando vi quem era... Minha alma quase saiu do corpo, era ele! Eu peguei o número dele. Quando mandei um simples "Oi", ele respondeu JÁ SABENDO quem eu era, só pela foto. Não perguntou meu nome nem nada. Ele sabia. Me chamou pelo nome e tivemos uma conversa longa que durou umas 7 horas. Mas foi uma conversa puramente amigável. Ele está bem, eu estou bem (Estou Muito bem, aliás, agora entrei num novo relacionamento com um rapaz muito bom, gentil e resolvido.) Mas acho que essa conversa que tivemos foi a prova de que, o que aconteceu lá trás, nunca vai sair das nossas cabeças.
Acabou aqui? Não sei. Provavelmente sim. Mas essa foi uma página da minha vida que custou 10 anos pra fechar. Ele me deixou num "Gancho" há 10 anos atrás que atormentou todos os relacionamentos que tive desde então, sempre com medo de me afeiçoar. Mas talvez... Eu não sei.
A garota "N" está muito bem também, somos realmente bons amigos e até saímos as vezes pra tomar uma cerveja. Foi isso, muito absurdo mas romântico ao mesmo tempo. Daria um Livro Teen? Quem sabe eu escreva. "N" inclusive já até me deu permissão pra escrever um.
submitted by JhowneeBitch to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.27 05:07 sim_meu_nome_e_Leite Eu sou uma babaca por enrolar pra sair do armário?

Oi Luba, gatas, editores, gatas, restos mortais de papelões, Pekeanu Reeves, gatas e turma que está a lever. A história é meio longa, então peço que tenham um pouco de paciência, se possível.
Eu sou bissexual (21, menina). Tirando meu irmão mais novo (19) e minha mãe (51), ninguém mais na minha família (eu acho) sabe. Eu sempre fui bem tranquila sobre minha sexualidade e nunca fiz nada demais a respeito da minha família para fazer que eles saibam, pelo menos até meu primeiro relacionamento sério. Eu tinha 19 anos na época e ela era bem mais velha (25 anos no começo, mais ou menos 7 anos de diferença), nos conhecemos na universidade: Ana (não é o nome dela, mas é o que vou usar) era aluna do curso de mestrado e eu uma bolsista do mesmo grupo de pesquisa da área dela, então eu meio que era responsável por montar os experimentos, auxiliar na instrumentação, produzir alguns artigos, etc... Eu acabei indicada para auxiliar a tese dela e meio que rolou no laboratório mesmo (outra história). Começamos a sair.
Namoramos por 1 ano e 3 meses. Por volta do quarto mês de namoro, eu "saí do armário" porque eu não achava que seria uma grande coisa. Foi meio complicado, meu irmão teve uma reação do tipo "EU SABIA" e minha mãe, bem, ela surtou. Ela exigiu que eu terminasse e parasse com toda a coisa de "sapatona", que tudo era culpa do Dani (meu melhor amigo, aliás ele é abertamente gay) que ele me """contaminou"""" e por aí vai.
Nunca fui 100% próxima dos meus pais, eles eram muito controladores e um tanto entitulados, especialmente comigo e minha irmã mais velha. Saí de casa aos 16 e moro sozinha desde então, pago minhas próprias contas, tenho meu próprio emprego, faço a federal do meu estado e basicamente eles não tem muito haver com a minha vida. Só mantinha contato por causa do meu irmão mais novo, que francamente é meu maior orgulho. No caso dos meus tios, primos e primas, se eu visse eles mais de duas vezes ao ano seria um milagre.
Demorou mais de dois meses para ela voltar a falar comigo e permitir que eu visse o Davi (meu irmão). Ela disse que iria ignorar tudo aquilo com três condições: Não influenciar o Davi, não contar ao restante da família (especialmente meu pai) e levar somente meus "relacionamentos de verdade" para casa (traduzindo, eu só poderia trazer para casa meus namoros heterossexuais e pelas proprias palavras dela: "deixar a put**** fora de casa"). Do contrario, ela nunca mais iria permitir que eu visse meu irmão.
Sinceramente, eu não me importei. Davi e Dani era minha única família de verdade e eles me apoiavam, então estava bem feliz apesar da situação tensa. Sem contar que ele tinha 17, logo faria 18 e já planejávamos que ele se muda-se para minha casa. Expliquei a situação para minha namorada e, surpreendentemente para mim, ela ficou livida (p***) por eu me submeter a esse tipo de merda.
Nós discutimos MUITO. Levou cerca de uma semana para voltarmos. Basicamente, ela achava melhor eu confrontar a situação toda. Eu achava injusto passar por toda aquela dor de cabeça, se eu poderia esperar alguns meses para meu irmão completar 18 e vir morar comigo e então mandar meus pais para aquele lugar. Ainda por cima ela mesma também não era assumida e estava exigindo que eu fizesse basicamente a mesma coisa que ela se recusa a fazer á anos. E eu dizia isso para ela, Ana só dizia que "é diferente" e "para você é mais fácil", por aí vai.
Eu não queria arrancar ninguém do armário. Não precisa ir muito longe na internet para ver os relatos desse tipo de processo que pode ser bem complicado. Eu não exigia que ela me assumisse ou algo do tipo, então na minha cabeça pelo menos, já que eu não exijo isso não teria porquê ela exigir de mim.
Ela insistia que era diferente, que a família dela era mais complicada que a minha (a família dela era beeeem religiosa, já a minha era só conservadora mesmo) que eu não ligava para meus pais e que era fácil.
Mesmo que eu não ligue sobre o que eles diriam sobre minha sexualidade, não é como se tudo que eles dissessem sobre mim não me afetasse. Além disso, toda a confusão seria incrivelmente tensa para o meu irmão, por mais que eu não seja fã dos meus pais, ele os ama e colocar um garoto de 17 anos em uma situação em que ele teria que "escolher um lado" entre parentes que ele ama não é exatamente o conceito de saudável.
Enfim, apesar de toda confusão, botamos uma pedra no assunto e o encerramos. Mesmo assim o clima ainda era estranho e a bolha estourou no natal do ano passado.
Eu mandei algumas mensagens privadas para ela, já que cada uma ficou com sua família no Natal. O pai dela leu as mensagens. Obviamente, as coisas não foram nada boas. Recebi uns áudios bem assustadores dele. Ele é um PM aposentado então eu me caguei um pouco, confesso. Alguns dias depois na véspera do ano novo, nós terminamos.
Meu irmão e eu moramos juntos hoje em dia (atualmente ele têm 19). Por volta de março desse ano um cara se moveu para o apê da frente, com a quarentena passamos a nos esbarrar bastante e começamos a namorar, o namoro vai muito bem aliás.
De alguma forma, minha ex soube e me mandou algumas mensagens (já fazem mais de 7 fucking meses que terminamos). Ela disse muita coisa, a maioria eram um monte bosta, mas uma coisa que ela disse ficou na minha cabeça: Se você tivesse insistido mais com seus pais nós ainda estaríamos juntas.
Bem, isso está na minha cabeça já faz uns dias e eu realmente não sei o que pensar. Meu irmão concorda em parte com ela, e que eu realmente deveria ter insistido mais naquela época e dado uma chance para ver a reação de todo mundo, ao invés de excluir todos de uma vez com exceção dele, mas o que foi, já foi e que eu deveria focar nas coisas de agora.
Bem, eu não tenho quase nenhum contato com meus pais hoje em dia. Não sei qual foi a primeira reação do meu pai e do resto da família, mal sei direito se eles tem alguma ideia. Da feita que o Davi completou 18 fizemos a mudança e não me preocupei em manter contato, disse para minha que ela poderia contar ou não, até agora me parece que ela escolheu não contar. Ele ainda ver nossos pais obviamente
Eu sou uma babaca?
📷ResponderEncaminhar
submitted by sim_meu_nome_e_Leite to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.27 03:57 cadelinha_auau sou babaca por não confiar em meus pais?

olá luba, gatos, papelões, editores, gatas e turma que estar a veleouvir, hoje vim contar uma história que ta acontecendo atualmente na minha vida (quando tiver atualizações vou contar aqui) e vocês vão julgar se fui babaca ou não. vamos lá.
bom, vou primeiro apresentar os personagens principais dessa história:
eu, 13 anos; meu irmão, 19 anos; minha irmã, 17 anos; meu pai, 41 anos; minha mãe, 37 anos.
outra coisa: tenho depressão e ansiedade, além de crises existênciais frequentes e a constante sensação de estar sendo observada, também tenho paranóias e visões de sombras e pessoas que nunca estão lá.
um pouco de contexto, para vocês não se perderem:
meu irmão é fruto de um outro relacionamento da minha mãe de antes do namoro e casamento dela com meu pai, já minha irmã é a mesma coisa, só que ela é filha do meu pai, e eu sou a única filha que tem o sangue dos dois. Minha irmã cresceu com a avó dela, separada da gente e tendo uma vida boa e mais calma, mas sempre se preocupando com o meu irmão e comigo. Meu pai é padrasto do meu irmão, e por causa disso, meu irmão sempre foi tratado como LIXO pelo meu pai por não ser filho dele, já comigo é um pouco diferente mas ainda assim sou também tratada como um NADA por ele. Meu irmão é abertamente gay e eu sou assexual, mas sou assumida apenas para meus irmãos e para a minha mãe (explicarei em breve), e minha irmã é a única hétero entre nós, mas ela é quem mais nos apoia e quem mais nos ajuda com tudo.
a história começa agora.
bom, eu nasci numa cidade pequena e ano passado fui obrigada a sair da melhor escola que tem por lá (que ia me mandar já preparada para o enem e a faculdade), mas meu irmão ficou por lá por mais 3 meses por conta dos estudos, já que ele não podia sair do colégio dele aquela altura (ele estudava em colégio federal). Meu irmão reprovou de período e foi ai que a merda toda estorou, meus pais obrigaram ele a ir morar com a gente e culpavam meu irmão pela reprovação já que na mente deles o meu irmão levou o colégio com a barriga. Até ai nada tava tão ruim assim, até que outra merda aconteceu: a mãe do melhor amigo do meu irmão descobriu que ele é gay e espalhou para TODO MUNDO (minhas tias, pessoal da igreja e para os clientes do salão dela), por conta desse descuido ele teve que assumir forçadamente para a minha mãe por whatsapp, pedindo para ela não contar pro meu pai já que o meu pai é crente, bolsominion e conservador. Sabe o que ela fez? Isso mesmo, ELA CONTOU! Meu pai disse que aceitava ele dizendo que "era o filho dele", o que já me pareceu suspeito desde o começo, até que descubro o seguinte: minha mãe disse que se meu pai não o aceitasse, ela iria embora. Sim, ele só disse aquilo pq não queria que ela fosse embora de casa. Alguns meses se passaram, a pandemia começou e nós adotamos um cachorro, ele atualmente tem 9 meses e vai fazer 10 em breve, mas nós nos mudamos para outra casa faz uns 3 meses e ele tinha 5 meses na época. O cachorro é filhote e a casa era nova, então ele acabou fazendo xixi dentro de casa, o que fez meu pai descontar TODO O ESTRESSE DELE EM UM CACHORRO, fazendo um mega estalo ao bater nele com o chinelo que fez o cachorro chorar e até eu que estava de fone e vendo vídeo conseguir ouvir. Meu pai ia bater no cachorro de novo, mas meu irmão pegou o cachorro no colo e defendeu ele, o que fez meu pai ficar muito puto e querer por meu irmão pra fora de casa (sim, ele assumiu 3 meses depois disso que queria por meu irmão para fora de casa). Os meses passaram, meu irmão teve uma discussão com minha avó que chegou nos ouvidos da melhor amiga da minha avó, o que fez quando meu irmão lá na casa dessa melhor amiga (a filha dela e meu irmão são praticamente irmãos) ser EXPULSO da casa dela apenas por ele ser gay. Vou pular mais um pouco no tempo e agora vamos à umas semanas atrás, quando adotamos a nossa nova cachorrinha (que enquanto escrevo, está dormindo em cima da mim), e estava tudo indo bem. Estava tendo um almoço aqui no quintal junto dos vizinhos (só para explicar, nós moramos de aluguel na casa de cima desses vizinhos, o que faz nós compartilharmos o quintal e o que fez meus pais criarem uma amizade com eles e o meu irmão uma relação de mãe e filho com a vizinha.) e eu estava em casa, já que eu não estava me sentindo bem e, por não estar me sentindo bem, acabei dormindo para ver se a dor passava, mas eu não sabia o que tinha acontecido naquela manhã, já que eu estava dormindo também (se não me engano eu acordei lá pelas 11hrs e fui dormir por causa da dor lá pelas 15hrs). Meu pai chamou meu irmão para conversar, o que deixou meu irmão surpreso e desconfiado. Eles começaram a conversar e meu pai começou a jogar muitas coisas na cara dele, o que fez meu irmão falar coisas que meus pais não queriam ouvir, deixando meu pai mais puto e minha mãe chorosa, a discussão continou e eles só pararam pq minha mãe já estava chorando e pediu para eles pararem, se não eles já teriam se batido e meu pai teria expulsado meu irmão de casa. Meu pai e meu irmão nem se falam mais desde que isso aconteceu. Chegando no final de junho/começo de julho, eu desabafei com a minha irmã sobre tudo o que tinha acontecido e contei que eles estavam falando muito mal dela e da avó dela para os vizinhos, contando mentiras e fazendo a avó da minha irmã ser a vilã. O que eles falaram e o pq? Vou explicar agora:
meus pais tinham pego meu celular e me deixado de castigo após eu não ter feito o hamburguer do meu pai (eu tinha feito dois para mim e dois para meu irmão, além de que eu estava quase caindo de sono na hora), e por isso tudo o que eu sentia eu escrevia em meu caderninho particular, e não sei se foi a vizinha ou se eles leram esse caderno, mas chegou no ouvido deles de que eu não confiava mais neles e que meus pais eram meus irmãos (o que eles são, já que eles cuidam mais de mim e me tratam melhor do que meus próprios pais), e por causa disso eles disseram que a culpa de minha irmã ser tão "mal-educada, arrogante e desviada da igreja" é culpa da avó dela, pq meu pai lutou pela guarda da minha irmã (graças a deus não conseguiu) e por causa da avó dela a minha irmã não foi criada com a gente, já que na fanfic que eles criaram na mente deles a avó dela """fez a mente""" da minha irmã, sendo que por conta do meu pai a minha irmã quando criança teve crises de ansiedade por causa da presença dele e por ser forçada a ir pra casa dele todo fim de semana. Antes de eu contar tudo para a minha irmã, vem a outra parte da história.
lembra que eu disse que estava sem celular? Meus pais disseram que eu só teria de novo se eu tirasse a senha ou se eu falasse a senha para eles e se eu desinstalasse TODAS as minhas redes sociais (fazendo uma tremenda invasão de privacidade apenas para poder me controlar da forma que eles quiserem), e por conta disso eu tive que assumi para a minha mãe a minha sexualidade e o meu namoro de 2 meses com a minha atual namorada (a gente vai fazer 3 meses agora em agosto 😇💕), o que fez ela me prometer confiar nela e contar tudo pra ela (oq eu obviamente n to fazendo), além de me proibir de assistir o SEU canal e do maicon (n assisto o orochi pq tenho preguiça e óbvio q eu n parei, eu ein, é a única forma q eu tenho de rir). Dei a senha e coloquei senha na conversa dos meus irmãos já q eu tenho o whatsapp mod. Falei absolutamente tudo o que aconteceu para a minha irmã, o que fez ela chamar meu pai para conversar e a minha mãe vir descontar a raiva dela em mim por eu ter falado que falaram mal dela e da avó dela para ela.
desde então, meus pais estão numa enorme briga contra eu e meus irmãos enquanto os vizinhos passam pano pra eles e dizem que "eLeS sÃo PaIs E sAbEm O mElHoR" e que "mEu PaI eRa AsSiM e Eu AmAvA eLe MeSmO aSsIm", querendo passar pano e comparar duas situações totalmente diferentes. Um adendo: os vizinhos são crentes. Minha mãe diz que é tudo um plano meu e dos meus irmãos para acabar com o casamento dela (um tapa no quengo dessa crente fanfiqueira) e meu pai vive me tratando mal.
vou contar o que aconteceu desde quinta-feira (23/07) até o momento atual (domingo, 26/07).
dia 23 foi aniversário do meu pai e nós fomos no centro comprar coisas para a festinha que aconteceu aqui no quintal de casa. Meu irmão acordou cedo e deu parabéns para o meu pai, que retribui com uma cara de nojo e nem um obrigado disse. Já eu, dei o parabéns a noite, já que quando acordei meu pai tinha ido trabalhar e quando voltei do centro eu dormi pq tava mt cansada (a gente andou o centro todo), e só vi meu pai a noite quando ele chegou do mercado. Ele me retribuiu com um "achei que não fosse acordar nunca" e minha mãe mandou a seguinte pérola: "você não era assim".
aliás, pulei uma parte que vai deixar você muito puto: o dia em que a minha mãe virou atriz.
meus pais estavam na casa da minha avó (que mora longe) à trabalho e eu fiquei em casa com o meu irmão (que foi muito bom). Era de madrugada, quase duas da manhã, meu irmão tinha dormido e eu tava acordada lendo, até que recebo mensagem da minha mãe dizendo que não consegue dormir. O motivo? Pq eu disse que não confio nela. nós duas tivemos uma conversa bem longa e eu disse que não confiava nela pq ela não confiava em mim, mas ela disse que confiava sim. Se lembra de quando eu estava sem celular? Eu perguntei no dia q eles pegaram meu celular o pq e ela disse exatamente assim: eu não confio em você. Sim, ela mentiu pra mim.
atualmente a história não tem desfecho, mas meu irmão deve sair de casa até o ano que vem e eu devo ir morar com a minha irmã até o ano que vem também. Me respondam, eu sou babaca por não confiar em meus pais?
me desculpem pelo textão gente.
submitted by cadelinha_auau to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.20 03:06 Katimeu O Namoro Corrompido

Olá Turma, Redditors, Luba, espiritos de papelões, gatas fofas, possivel convidado, e editores (se isso parar em um vídeo), estou aqui para contar sobre meu primeiro relacionamento gay, talvez a pior experiência que tive, saberam o motivo.
Isso aconteceu no ano passado, eu estava com 15 e o garoto também tinha, no início do ano eu estava namorando com uma garota amiga nossa, a gente se via mais por um jogo, eu não gostava dela tanto mas eu ficava com ela porque era bom ver ela feliz, ficamos juntos por duas semanas, até que percebi que meu amigo gay e furry estava meio triste, ficou assim por mais dois dias até que ele desembuchou e disse que gostava de mim, algo que me surpreendeu porquê eu deixava claro no ano que eu era hétero, mas como muitos jovens eu gostava de experimentar coisas novas, enfim, eu levei 3 semanas pra pensar naquilo e refletir sobre o que fazer até que eu conversei com minha namorada e ela até achou bom eu procurar alguém que eu quisesse realmente ficar, pelo visto ela queria mesmo ficar na amizade, mas enfim, após isso eu falei com o meu amigo e começamos o namoro! Algo bom pq eu me senti muito bem com ele, eu estava realmente atraído por ele, enquanto amigos ele se mostrava alguém muito legal, mas isso mudou bastante após apenas 2 dias, depois de termos começado o namoro percebi que ele estava meio estranho, quando eu tentava conversar com ele, ele sempre respondia com algo curto, quando eu falava que amava ele geralmente as respostas que eu recebia era apenas um 'também', algo tbm que dificultou em nosso namoro foi o fato de ele ter depressão, esse namoro não durou muito, acho que foram 5 dias, no final desses 5 dias eu fiquei perguntando a ele o porque de ele ter terminado comigo, essa "briga" durou mais 3 dias, até que ele falou que eu não parecia ter a idade que eu falava, ano passado eu costumava ser bem fofo e falar de maneira kawai, digitar erradinho, começando com 'nya' e usando emotes, depois disso começamos a nos distanciar bastante até que não nos falamos faz 1 mês, hoje namoro com uma garota incrível que eu a amo e ela me ama, fazemos até presentinhos de aniversário e um "feriado" apenas nosso todo mês, a história não é algo tão incrível mas foi bem tenso ao vivo, talvez eu me arrependa de postar mas ok, um abraço pra todos que leram.
Duas prints apenas para provar a merda
(Nos prints ele já foi banido do Discord, não sei porquê)
submitted by Katimeu to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.18 17:05 bellmaconheira Eu acho que fui escrota no final das contas...



Na época eu tinha 11 anos (tenho 18 hoje em dia), estava sofrendo bullying de quase todos da sala, eles me excluíam em tudo, eu sempre tinha que fazer os trabalhos em grupo sozinha, passava o recreio só... (#trauma), mas tinha uma menina em específico que ela era minha amiga, mas ao mesmo tempo andava com quem fazia bullying comigo.
Eu era mais amiga dos meninos, porque eles gostavam do meu jeitinho tosco e a bichinhas ficam com ciúmes, porque eu me dava muito bem com os meninos. Um garoto se declarou apaixonado por mim, levou um buquê de flores e me pediu em namoro na frente da sala inteira (kkkkk hoje ele é gay).
Ia ter a festa de aniversário daquela minha amiga, vamos chamá-la de Daniela, ela estava me contando tudo sobre a festa, mas no dia que ela foi entregar os convites ela não me entregou. No início eu tinha achado que era porque ela não tinha feito todos ainda, mas passou o tempo e nada. Então resolvi perguntar para ela o porquê (dói minha dignidade kkkkk) e ela falou que a Sabrina (vamos chamá-la assim) falou que ninguém iria se eu fosse.
Fiquei super chateada e parei de falar com ela e contei para minha mãe o que tinha acontecido. Ela chegou a fazer um cartão de desculpas para mim, então eu a perdoei e uns dias depois ela me deu um convite para festa, mas minha mãe não me deixou ir por tudo que tinha acontecido. Daniela ficou braba e a partir daí começamos a discutir muito, até que ela parou de falar comigo e ficou me excluindo e fazendo apelidos maldosos como as outras garotas. As coisas estavam piorando, ela resolveu que iria criar um grupo para todos da sala me xingarem.
Lembra do garoto que se declarou apaixonado por mim? Então, ele me contou o que ela iria fazer e eu pedi ajuda dele. Falei para ele enganar a Daniela e pegar áudios dela falando mal de todas as meninas da sala, quando ela me adicionou e criou o grupo eu mandei todas as mensagens que ele tinha conseguido. Aí o jogo virou totalmente, todas as meninas começaram a atacar ela e falar coisas horríveis… começaram a xingar tanto ela que ela mudou de escola.

Enfim essa é a história, tentei resumir… Porque ela é bem mais longa. Eu me sinto mal hoje em dia, porque eu realmente não desejo que ninguém passe por bullying e foi isso que eu fiz com ela.

Deixem sua opinião.
submitted by bellmaconheira to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.16 22:01 vivihelriguel MEU PRIMEIRO CORAÇÃO PARTIDO E O DESASTRE DEPOIS DISSO

Essa históra será muuuito longa e é mais um desabafo, entendo q após ler vc pode me achar um ser humano horrível e eu entendo, mas me arrependi muito das minhas ações se serve de alguma coisa.
Olá Luba, editores, papelões sobreviventes, gatas e turma q está a lever.
Bem minha história aconteceu ano passado (ahh saudades de 2019) eu tinha 14 anos quando tudo começou. Por uns 3 anos eu tinha uma queda pelo meu melhor amigo q é gay e tipo eu sabia disso mas continuava a gostar dele, mas em Agosto eu decidi superar esse meu amigo.E é ai q a merda começa, eu comecei a "olhar" de uma forma diferente para um outro amigo meu (vamos chamar ele de Varls) ele sempre se abria comigo e eu lembro q em um dia o Varls me contou de um dia q ele pegou uma amiga dele no cinema (e eu fiquei puta de ciúmes , do nada) foi ai q eu percebi q gostava dele muito além q um amigo , e é claro q eu comecei a ficar meio boba perto dele e tava na CARA q eu gostava dele. Passou 1 semana e eu disse pra mim mesma q "não" gostava mais dele (na real acho q só guardei esses sentimentos).Em um dia a minha sala fez tipo uma excursão pra outra escola (estávamos no 9° ano e não tinha ensino médio na escola ai nos levaram nessa escola pra ver como era) dividiram a nossa sala em 2 grupos o 1° grupo ninguém liga era todos um bando de chatos metidos, já o 2° grupo era formado por eu, meus amigos (incluindo meu amigo gay) e o varls. Eu e meu amigo gay sempre fomos bem próximos (ele sempre foi perfeito acho q por isso tive uma queda por ele) eu sempre segurava a mão dele SEMPRE e só a mão dele (era o único menino q eu andava de mão dadas), até q em um momento o Varls simplesmente segurou na minha mão (eu sei é algo normal, MAS PRA MIM NÃO) e eu deixei é claro, ai o meus sentimentos voltaram pra me fuder.No dia seguinte dessa excursão eu toda trouxa iludida q sou fui perguntar pro Varls qual menina q ele tava gostando e ai ele toodo tímido falando tipo "ain nun sei, vc conhece ela muito bem" até q ele falou q era eu. E ai vc vai começar a ver as minha atitudes questionáveis, quando ele falou isso eu entrei em pânico total parece q na minha cabeça começou a soar uma sirene dizendo "ALERTA VERMELHO, ALERTA VERMELHO" o engraçado foi minha melhor amiga Mariana (vou expor ela sim, guardem esse nome ela é uma peça importante nessa história) já toda feliz dos dois amigos dela namorando e tals (coitada outra iludida igual eu kakakaka).Depois q ele se declarou pra mim (detalhe, ele já sabia q eu gostava dele) eu fui uma completa idiota, escrota e babaca com ele; comecei a evita-lo a TODO custo, não dei satisfação nem nada só comecei a ignora-lo (me arrependo muito dessa atitude imatura minha), mas era oq eu sabia fazer de melhor fugir ou tentar fugir dos meu problemas. Bom depois de um tempo sendo MUITO fria com ele a gente voltou a conversar normalmente como éramos antes, conversamos muito principalmente pelo discord.Acho q se passou alguns meses, acho q a gente ja tava em outubro só não lembro se isso aconteceu antes ou depois do meu aniversário a gente tava conversando eu, Varls, dona Mariana e um outro amigo (ele é irrelevante) o Varls fala: "eu sei q vc ainda gosta de mim Vitória" eu eu fiquei tipo ??????? ai a Mariana (te amooo) falou: "e vc Varls ainda gosta dela?" e ele disse q TALVEZ, ai o sentimentos q estavam se normalizando em mim voltaram com força total (novamente pra me fuder). Depois virou meio q um vai e vem sem nenhum dos dois se assumindo ou tentando algo, eu por ser insegura e não estar me sentindo preparada e ele pq sei lá; nossos amigos (a gente tem o mesmo círculo de amizade) seeeempre me falavam pra eu dar uns pegas nele só q por mais q eu queria não me sentia pronta e nem segura sobre ele (como eu havia dito antes ele se abria comigo e naquele ano ele me falou q teve uma queda por umas 3 meninas da minha sala antes de mim, e eu fui a única q correspondia ele) não sei oq ele sentia por mim e eu não iria dar um salto de fé (nem fudendo). Por impaciência dos meus amigos eles meios q nos "forçaram" a algo o Varls por livre e expontânea pressão dos nossos amigos ele decidiu me pedir em namoro, levou anel e tudo, e ele se ajoelhou e pediu e eu aceitei pq tipo tava todo mundo em volta e fiquei com vergonha de dizer não, passou uns 4 minutos q ele me pediu e eu fui e chamei ele pra um cantinho e devolvi o anel, expliquei pra ele q aquela não era a hora pra mim ainda era muito imatura, mas ele não aceitou o anel e disse pra eu ficar com ele (o anel era mó bunito) OBS: perdi o anel depois hihihihihhi. A nossa amizade aparentemente continuou a mesma e eu fiquei bem feliz com isso (por mais q a gente não fosse namorar ainda estimava a amizade dele); corta pra dezembro último dia de aula, eu toda bobinha com ele esperando ele chegar na nossa festinha, esse último dia foi terrível eu e meus amigos não iriamos estudar mais juntos (estudamos por 4 anos juntos), foi uma choradeira e quando eu fui abraçar o Varls (detalhe: eu pedi pra ele ir pra mesma escola q eu ia,mas ele foi pra uma mó cara (burguês safado)) ai eu perguntei chorando litros: "a gente ainda vai se ver?" e ele disse na forma mais fria "não sei" (não escorreu uma lágrima). Esse momento é irrelevante pra história mas quero compartilhar: quando eu fui embora dei um beijo na bochecha dele e disse "adoro seu cheiro" (aliás o perfume dele era a perfeição, mas sinto uma vergonha de ter dito isso ). Corta para o começo do ano de 2020, comigo ainda sentindo algo pelo Varls e pedi para Mariana (minha fadinha linda perfeita) mandar meu novo número de celular para ele, pra ver no que ia dar, eu e Varls conversamos mas sei lá a gente não dava certo como antes, mandava mensagem no celular da Mariana fingindo ser ela (totalmente autorizado pela própria), ate q ela decidiu perguntar se ele ainda gostava de mim e eu iludida esperançosa com a resposta (sou um pouco bipolar e contraditória eu sei) bom a resposta não foi oq eu esperei, na verdade ele disse q não sabia bem ao certo e que queria só seguir em frente, essa resposta me quebrou e eu decidi fazer o mesmo né (eu já tava imaginando a nossa vida juntos, misericórdia sou muito trouxa) mas mesmo assim ele conversava e me ligava pelo discord BASTANTE, ate q um dia (eu ja estava "bem" em relação a ele) a gente começa a conversar pelo Whatsapp e ele me manda uma foto de açai (eu amo açai) e falo "se eu sonhar com açai essa noite é culpa sua" e ele me responde com "se eu sonhar com vc é culpa sua" E FIQUEI DOIDA, pouco tempo depois ele saiu da conversa (passei a noite quase toda pensando nessa maldita frase) no dia seguinte questionei ele e o Varls simplesmente disse q era uma brincadeira, isso me quebrou, depois foi eu lá mandar mensagem dizendo q ainda gostava dele e ele disse "ata" só isso, chorei horrores. O incrível q ele é super frio, e grosso comigo a Mariana tbm concorda comigo q ele é super frio, isso me deixa triste pq eu ainda gosto dele e ver q ele superou tão rápido e eu to aqui na fossa é uma merda, além disso a nossa amizade não é a mesma não temos a mesma intimidade e dinâmica de antes, e acho q não o conheço mais, em algumas vezes ele ainda é legal comigo em outras é frio, quando eu não converso com ele ta ok mas quando a gente conversa tudo começa a voltar EU TO PIRANDO DE LEVE.
Eu tenho a teoria de q ele é frio comigo como vingança pelo q fiz antes a ele mas ele tbm é frio com a Mariana, aliás eu pedi desculpas pelo q fiz antes e ele meio q me desculpou.
tá ai meu desabafo, relevem qualquer erro ou algo do tipo
submitted by vivihelriguel to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.11 07:49 espiritossuperiores O relacionamento interpessoal

O relacionamento interpessoal pode ser compreendido como uma área da psicologia e sociologia que estuda a relação de uma ou mais pessoas levando-se em consideração as suas origens, contextos culturais e localização atual dessas pessoas quando se relacionam.
Eu sendo um homossexual que se atrai exclusivamente por heterossexuais, por ser fadado ao eterno desprezo ou no máximo piedade deles, eu acabo impactos negativos nos meus relacionamentos interpessoais que me deixam em desvantagem em muitas situais, creio que os outros gays que sofram do mesmo problema irão aqui identificar os mesmos problemas que eu. Se você quiser que eu acrescente uma situação de relacionamento interpessoal aqui, deixe de forma clara a situação e o impacto que ela causa em sua vida, nos comentários abaixo.

  1. A timidez, muitas vezes estamos em um grupo onde precisamos tomar alguma atitude antes que algo pior nos aconteça, como você é gay e sente que ali ninguém tem afinidade com o tipo de vida que você tem, você acaba se fechando para não constranger aos outros e a si mesmo.
  2. Recalque: você sente muita atração por homens mas os seus colegas só sabem falar de assuntos sexuais inúmeros da farta sexualidade heterossexual deles, aí então quando você fala algo como um comentário elogiando um rapaz no meio da conversa, todo mundo fala em tom de nojo: ” iiih, que papo estranho!”, “sai fora!”, “o papo tá indo pra um lado estranho!”, enfim, todo tipo de desaprovação e ataque sutil psicológico contra você é lançado, fazendo com que você cale e se recalque no que queria falar ou expressar, consequentemente você começa ficar no grupo por obrigação e não por prazer.
  3. Ostracismo: os relacionamentos interpessoais é comum termos eventos onde unam-se pessoas para variados fins lúdicos, um exemplo disso são as festas de final de ano das empresas, nessas o constrangimento é menor pois você é obrigado a ir, agora quando os seus amigos fazem uma festa particular entre eles onde não se envolve a empresa, todos são convocados, menos você por ser diferente, por ser gay, você acaba então se sentido no ostracismo mas finge que tudo está normal com um sorriso amarelo no rosto.
  4. Desafios de carreira: todos nós na vida moderna temos uma série de cobranças de desempenho para atender, todos gerenciam isso com amortecedores psicológicos para deixar a vida menos tensa, heteros são cobrados para irem bem na faculdade, no emprego e em casa, você também, mas os heteros contam com barzinhos como porta de entrada para sexo farto, namoros em todos locais, adultérios e etc, todos remetendo à válvula de escape do sexo desvairado sempre pronto para acontece, você não, você é cobrado das mesmas coisas mas não conta com amortecedor tão forte como o sexo e a paixão correspondida, logo o seu desânimo para fazer as coisas é maior ou o desânimo dá lugar para o ódio e você fica uma pessoa que desempenha tudo com ódio descontado nos outros em suas atividades interpessoais.
  5. Inadequado: Você precisa de uma profissão mas aquela que você acha, exige uniformes ou fardas que lhe fazem se sentir um heterossexual sendo que você não é, aquela profissão lhe forja uma sexualidade que não é sua, consequentemente você acaba atraindo pessoas que não gosta e se sente um peixe fora da água, o que acaba fazendo a sua vida profissional ser tóxica ou curta.
  6. Redes sociais da depressão: você usa as redes sociais de forma intensiva mas percebe que ninguém do sexo pretendido interage com você, mesmo com a sua presença forte nessas redes, você nota que ninguém curte as suas postagens, suas fotos postadas ninguém nem comenta, deixando clara a sua falta de amizades e popularidade baixa a todos, você então se deprime pois ao se comparar com aquela sua amiga mulher repara que qualquer coisa sem valor que ela posta, tem milhares de curtidas e desejos de vida melhor para ela por parte do sexo oposto, você se sente inadequado e acaba excluindo a sua rede social.
  7. Distanciamento social: você percebe que suas brincadeiras são sempre recriminadas ou não entendidas pela maioria dos integrantes do seu grupo, você também nota que as pessoas sempre evitam ficar sozinhas com você em um lugares públicos para evitarem levar ‘má fama’ de terem um caso com você, os seus colegas falam horas e mais horas sobre assuntos que você não entende em sua frente sem constrangimento algum por você não interagir, é o caso do clássico debate futebolístico entre machos onde você fica sempre ‘sobrando’, então cada vez você começa a querer ficar longe das pessoas e romper as poucas ‘amizades’ que tem.
  8. Constrangimento em nome do grupo: hoje em dia as pessoas se sentem muito ofendidas por serem rotuladas de “anti sociais” então para evitarem essa rotulação aceitam qualquer tipo de constrangimento do ‘bom’ relacionamento em grupo ficando horas entre rapazes que ficam falando todos os tipos de coisa ruins contra homossexuais , mulheres e negros, tudo é tolerado e no fim a pessoa se sente horrível moralmente mas com o dever social cumprido.
  9. Repudio à datas comemorativas: você sabe que no meio heterossexual as pessoas usam as datas comemorativas como desculpa para obterem mais divertimentos entre amigos e aumentar as suas possibilidades sexo-afetivas, porem você sabe que quem é gay e gosta de hetero não desfruta das mesmas vantagens, sendo assim, qualquer feriado ou data comemorativa para você, lembra o seu ostracismo social, consequentemente você acaba ficando indiferente a todas elas, ate mesmo em relação a data do seu aniversário. Você não tem muito o que comemorar.
  10. Horror a barzinhos: você anda nas ruas e vê aqueles heteros lindos , sorridentes, felizes e aparentemente no cio, sempre gritando ou fazendo algo estúpido para chamar a atenção das mulheres para si e muitas vezes são as mulheres que fazem esse papel, você então fica triste pois embora aqueles homens sejam todos do tipo que você aprecia, eles são violentos e repudiam veementemente homossexuais, se você vai a bares gays, você sabe que lhe chegarão outros homens gays que não lhe causarão absolutamente nada, alem disso você corre o risco de num bar gay ser alvo de grupos radicais de extrema direita, por tudo isso você acaba evitando a vida noturna onde mora e fica 24 horas em cima de um computador com internet.
  11. Vulnerabilidade: por você sofrer todas as situações acima, numa relação interpessoal você acaba estando mais vulnerável quando precisar brigar por seus direitos ou pelo seu ponto de vista, mesmo você estando certo, você por ter um comportamento rotulado de antisocial acaba gerando antipatia gratuita nos outros e as pessoas tendem a acreditar e considerarem mais as pessoas “sociáveis” e sedutoras, veja-se o exemplo do Hitler que beijava criancinhas e seduzia os seus fãs com alguns sorrisos, ele ganhou carta branca para fazer o que fez graças também à sua sedução social, então, uma pessoa que aparentemente é antisocial ela passará uma imagem de ruim e sem credibilidade, quando uma pessoa “social” então inventar alguma mentira contra você para lhe colocar em uma encrenca, as pessoas darão mais crédito a ela do que você que é um gay “esquisito” que não se mistura com ninguém, por isso, socialmente o gay que gosta de hetero é muito vulnerável e num debate corre serio risco de ser “fuzilado” injustamente pelos colegas.
submitted by espiritossuperiores to gay [link] [comments]


Recado para namorado gay NAMORO UM CARA GAY? Homenagem de aniversário para namorado #GAY PARA O MEU IRMÃO (For my brother) - FILME GAY COMPLETO ... namoro gay Pedido de namoro gay fofos ♥ Como Manter um Relacionamento Duradouro - Casal Gay Pedido de namoro GAY Amor Gay - Romance entre homens - YouTube Declaração de amor Gay (namoro a distância) ♡

Zap de Boys para namoro Grupos de zap namoro

  1. Recado para namorado gay
  2. NAMORO UM CARA GAY?
  3. Homenagem de aniversário para namorado #GAY
  4. PARA O MEU IRMÃO (For my brother) - FILME GAY COMPLETO ...
  5. namoro gay
  6. Pedido de namoro gay fofos ♥
  7. Como Manter um Relacionamento Duradouro - Casal Gay
  8. Pedido de namoro GAY
  9. Amor Gay - Romance entre homens - YouTube
  10. Declaração de amor Gay (namoro a distância) ♡

Homenagem de aniversário para namorado #GAY. Rangel Alves Dias. Loading... Unsubscribe from Rangel Alves Dias? Cancel Unsubscribe. Working... Subscribe Subscribed Unsubscribe 5. Curte e compartilha Surpresa para namorado gay ( 3 anos de namoro casal gay) - Duration: 4:03. Marcos & Leandro 8,364 views. 4:03. O dia em que ele me disse sim [Pedido de casamento] - Duration: 10:13. P.S.: Sempre recebo directs, mensagens nas páginas no sentido 'thi me ajuda', se você quiser me mandar um email pro quadro 'Thi Orienta' que é onde a gente pega o seu problema e tentamos juntos ... Linda Mensagem Declaração De Amor Para Namorada Voz Masculina - Duration: 2 ... -Fui pedir meu melhor amigo gay em namoro👬 e olha oque deu😍 - Duration: 13:33. Erick Knowles 367,311 ... SANDY LEAH interrompe show para promover namoro gay após campanha de fã no Rio - Duration: 1:29. Alice Midori Takano 34,359 views. 1:29. O pai falando a nota pro filho - Duration: 1:26. Confira alguns segredos para manter o namoro ou o casamento estável, seja para um casal gay, LGBT+ ou para casais héteros também. Inscrevam-se para assistir os próximos vídeos. SANDY LEAH interrompe show para promover namoro gay após campanha de fã no Rio - Duration: 1:29. Alice Midori Takano 34,783 views Gay mandando recado para recalcadas - Duration: 0:14. Gabriella Soares 36,684 views. ... -Fui pedir meu melhor amigo gay em namoro👬 e olha oque deu😍 - Duration: 13:33. Os dois irmãos, Aske (17 anos) e Bastian (12 anos) vivem com o pai, Lasse. A mãe deles morreu sete anos antes. Todos os dias vivem num mundo onde o medo, vio...